Bahia investe R$ 4,2 milhões no apoio a blocos de matriz africana

O Jornal Grande Bahia (JGB) é um site de notícias com publicações que abrangem as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador, dirigido e editado pelo jornalista e cientista social Carlos Augusto.O Jornal Grande Bahia (JGB) é um site de notícias com publicações que abrangem as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador, dirigido e editado pelo jornalista e cientista social Carlos Augusto.


O programa de fomento Carnaval Ouro Negro, do governo da Bahia, por meio da Secretaria de Cultura (Secult), vai apoiar pelo segundo ano consecutivo o desfile dos blocos de matriz africana no Carnaval.

São 117 entidades, entre afoxés e blocos afros de samba, reggae, índio e de percussão, que já começaram a receber recursos que variam de R$ 15 mil a R$ 100 mil.

No total, o governo está investindo R$ 4,2 milhões no Carnaval dos blocos de matriz africana, número significativamente superior aos R$ 3,6 milhões repassados em 2008 para as 104 agremiações que participaram do primeiro ano do programa.

“Mais uma vez, antecipamos 50% dos recursos antes do Carnaval, garantindo a produção do desfile desses blocos”, explicou o secretário de Cultura, Márcio Meirelles. Ele disse que o repasse dos recursos do programa é um estímulo à organização, administração e estruturação dessas entidades.

“Além de garantir o apoio às entidades carnavalescas de matriz africana no Carnaval, temos estimulado a busca de sustentabilidade por essas entidades. Elas são parte essencial da festa e são as principais responsáveis pela sua diversidade cultural”, afirmou o secretário.

Este ano, uma das novidades é que 12 blocos de percussão passaram a integrar o Carnaval Ouro Negro. Os recursos destinados a cada uma das 117 entidades cadastradas pelo programa e pelo Conselho do Carnaval foram definidos a partir de critérios pré-estabelecidos e acordados por todos.

Os afoxés, homenageados oficiais do Carnaval 2009, receberam R$ 10 mil a mais do que em 2008, através de uma parceria entre a Secretaria de Cultura e o Instituto de Gestão das Águas e Clima (Ingá).

“A participação do Ingá se insere na perspectiva de um Carnaval sustentável, em que o cuidado com o elemento água precisa ser difundido na conscientização da população”, destacou o diretor-geral do instituto, Julio Rocha.

Lançamento de catálogo

Um catálogo ilustrado do Carnaval Ouro Negro, bilíngue, com informações sobre o programa e com o perfil de todos os blocos apoiados, foi elaborado pela Assessoria de Comunicação da Secult, com apoio do Ingá e da Secretaria do Turismo (Setur), que junto com a Bahiatursa e com sua Coordenação de Turismo Étnico desenvolverá ao longo deste ano ações de promoção nacional e internacional do catálogo.

Além de promover e dar visibilidade a essas entidades, atraindo novos foliões, a publicação tem como objetivo potencializar a captação de patrocínio. O lançamento acontece antes do Carnaval, com a presença do governador Jaques Wagner e dos dirigentes dos 117 blocos que integram o programa.

Da mesma forma como em 2008, a TVE fará novamente a transmissão do Carnaval Ouro Negro, com ênfase na valorização dos afoxés e dos blocos afros, de samba e afoxés, na Barra, no Pelourinho e no Campo Grande, com a participação de comentaristas como o historiador Jaime Sodré e a antropóloga Goli Guerreiro.

Democratização dos recursos e fiscalização

O programa Carnaval Ouro Negro foi criado seguindo orientações do Ministério Público e da Procuradoria Geral do Estado (PGE), que em 2007 listaram uma série de exigências para o repasse de verbas para entidades carnavalescas.

O objetivo foi evitar a repetição de problemas de prestação de contas e conflitos no rateio das verbas, registrados no Carnaval de anos anteriores.

“A prestação de contas desses grupos tem sido muito bem feita. Das 104 entidades que participaram do programa em 2008, apenas duas tiveram problema com a prestação de contas”, declarou o coordenador para Ações do Carnaval, Edivaldo Bolagi.

Para garantir a aplicação dos recursos, uma equipe da Secult fiscaliza os desfiles e analisa as informações prestadas pelas entidades no momento do cadastramento, como o número de foliões e de saídas nos circuitos, a indumentária, os equipamentos utilizados, entre outros.

Curso de capacitação

Depois da festa, o programa Carnaval Ouro Negro terá continuidade, a partir de abril, com um curso de capacitação voltado para os dirigentes dos blocos, realizado em parceria com o Sebrae.

O Curso de Gestão Cultural, lançado em novembro de 2008, está estruturado em cinco módulos e vai fornecer subsídios para a elaboração de projetos, prestação de contas, financiamentos culturais, estratégias de negociação e produção cultural.

Além de traçar um plano coletivo visando possíveis empresas patrocinadoras do desfile dos blocos a partir do Carnaval de 2010, o programa vai traçar o perfil de cada bloco para permitir a captação individual dos recursos.

Em dezembro, o Sebrae realizou uma palestra sobre empreendedorismo para diagnosticar o perfil empreendedor das lideranças dos blocos. Diferentemente da grande maioria dos blocos de matriz africana, Olodum, Filhos de Gandhy e Ilê Aiyê possuem capacidade de gerenciamento que lhes permite a busca por patrocínio privado, dando retorno à marca patrocinadora e atraindo recursos para o bloco.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Redação do Jornal Grande Bahia
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]