Cangaceiros | Por Emiliano José

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Deputado Emiliano José denuncia terrorismo imobiliário em Salvador.
Deputado Emiliano José denuncia terrorismo imobiliário em Salvador.

Há poucos dias, ao informar que lia este livro, ouvi a pergunta: Lampião foi herói ou bandido? Esta dúvida certamente assalta muita gente, especialmente porque uma tradição eivada de misticismo, ou marcada pela simplificação teórica, sustentou durante muito tempo a tese de um Lampião vingador dos pobres, uma espécie de Robin Hood nordestino. Ao fim da leitura, a tese estará definitivamente sepultada.

O leitor vai se deparar com um Lampião agiota, amigo de dezenas de latifundiários-coiteiros, violento, apreciador do bom uísque (White Horse, sim senhor), tranqüilamente aburguesado ao final da existência, e assim vem a morrer, descuidado, quando está acordando em Angico, verdadeira “cova de defunto” pela sua localização, como lhe alertara Corisco. Era 1938, 28 de julho, o dia do fim do bandoleiro-guerrilheiro que durante anos driblou e enfrentou as volantes por todo o Nordeste, evidenciando grandes qualidades de combatente.

Pouco tempo depois, 25 de maio de 1940, Corisco, o vingador de Lampião, viria a ser morto em Brotas de Macaúbas, próximo de onde, 31 anos mais tarde, morreria Carlos Lamarca, assassinado pela ditadura de Médici. E por falar em ditadura, Vargas e seu Estado Novo foram decisivos para a eliminação de Lampião. E jogou todo o peso para que fosse dado fim ao cangaceiro. O livro, no entanto, não se restringe a Lampião.

Trata-se de um estudo acurado. O autor constrói uma tipologia do cangaço, identificando as existências do cangaço-vingança, o cangaço-meio de vida e o cangaço-refúgio, todos auto-explicativos, considerando o penúltimo o mais constante. Faz paralelo com outros países, situações de banditismo sob condições de miséria e atraso, sem que consiga enxergar no cangaço quaisquer sinais de rebeldia contra o latifúndio.

Tão denso o trabalho, que merece prefácio elogioso de Gilberto Freyre. Considera o cangaço fenômeno típico do sertão nordestino, próprio do ciclo do gado, de um homem não submetido a relações assalariadas, aventureiro e individualista como decorrência da própria vida que levava, de suas relações de produção sob o ciclo do gado.

O cangaço aparece, assim, como um meio de ascensão social para uma juventude que no sertão tinha pouquíssimas condições de ascender. O autor transita entre a história, a antropologia, a sociologia e até a psicologia na análise dos cangaços nordestinos, e esse trânsito ousado entre tantas áreas do conhecimento, sem qualquer afetação, dá ao trabalho uma riqueza especial.

Identifica no cabra, no jagunço e no valentão os precursores do cangaceiro, todos eles personagens singulares não redutíveis um ao outro. O cabra, ligado emotivamente ao coronel. O valentão, espécie de cavaleiro andante nordestino. E o jagunço, vendedor de sua arma aos coronéis, sem qualquer ligação emotiva com seus contratadores. Curiosa e ousada é a tese do autor sobre a atração fatal do chefe-cangaceiro pela figura do coronel, ideal de vida de vários deles. Os grandes cangaceiros teriam sido verdadeiros coronéis sem terra, vivendo à margem de disciplinas e de patrões. Um livro para não ser ignorado, que chama ao debate e reclama contendores qualificados. Como o autor.

*Por Emiliano José é professor aposentado da Faculdade de Comunicação (FACOM) da Universidade Federal da Bahia (UFBA. Em 1999, defendeu a tese “A Constituição de 1988, as reformas e o jornalismo de campanha”, tornando-se doutor em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Começou a carreira jornalística na Tribuna da Bahia, passou pelo Jornal da Bahia, O Estado de S. Paulo, O Globo, e pelas revistas Afinal e Visão. Foi um ativo integrante da imprensa alternativa nos tempos da ditadura.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 113486 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]