Governo Bolsonaro vota contra condenação dos EUA no embargo a Cuba; Extremista de direita, Jair Bolsonaro adota alinhamento contra os direitos humanos e a autonomia dos povos

Assembleia Geral volta a pedir fim do embargo dos EUA a Cuba: Brasil, EUA e Israel votam contra.

Assembleia Geral volta a pedir fim do embargo dos EUA a Cuba: Brasil, EUA e Israel votam contra.

Pela primeira em 27 anos, o Brasil se juntou aos Estados Unidos e votou contra uma resolução que é apreciada anualmente na Assembleia Geral da ONU para condenar o embargo econômico americano contra Cuba.

A Assembleia Geral, de 193 membros, adotou nesta quinta-feira (07/11/2019) a resolução por esmagadora maioria pelo 28º ano seguido, com 187 votos favoráveis.

Colômbia e Ucrânia se abstiveram, e Israel foi o terceiro país a votar contra. A Moldávia, antiga república soviética, não votou. A votação da ONU tem peso político, mas somente o Congresso dos Estados Unidos pode revogar o embargo, que já dura mais de 50 anos.

O voto brasileiro reverte uma tradição diplomática brasileira que remonta a 1992, quando a resolução foi votada pela primeira vez. A mudança reforça o alinhamento do governo Jair Bolsonaro com a administração de Donald Trump, mas contraria interesses de empresas brasileiras.

A fabricante brasileira de cigarros Souza Cruz, que pertence à British American Tobacco, tem uma joint-venture em Havana que produz a maioria dos cigarros em Cuba.

A nova posição brasileira também contrasta com a de outros países próximos dos EUA, alguns altamente dependentes de ajuda militar ou econômica, como a Colômbia e a Ucrânia, que se abstiveram. Já a Guatemala, único país que acompanhou Washington na transferência de sua embaixada em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, votou a favor da resolução.

Após a votação, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, defendeu a mudança de curso do país. Em mensagens no Twitter, ele disse que o “Brasil votou a favor da verdade” e que é preciso deixar de “bajular Cuba”.

“Nada nos solidariza com Cuba. O regime cubano, desde sua famigerada revolução 60 anos atrás, destruiu a liberdade de seu próprio povo, executou milhares de pessoas, criou um sistema econômico de miséria e, não satisfeito, tentou exportar essa ‘revolução’ para a América Latina”, escreveu.

*Com informações do DW.

Publicidade

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]