Irã descarta diálogo com EUA após Governo Trump relacionar país a ataque na Arábia Saudita

Ali Khamenei, líder supremo do Irã.

Ali Khamenei, líder supremo do Irã.

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, descartou nesta terça-feira (17/09/2019) um diálogo com os Estados Unidos depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, culpou Teerã por um ataque a instalações petrolíferas da Arábia Saudita que interrompeu metade da produção do reino.

Na segunda-feira, Trump disse que parece que o Irã está por trás do ataque do fim de semana ao coração da indústria petrolífera saudita, que cortou 5% da produção global, mas enfatizou que não quer ir à guerra. O Irã negou ser culpado.

“Autoridades iranianas de todos os níveis nunca conversarão com autoridades americanas… isto é parte da política deles para pressionar o Irã”, disse o aiatolá Khamenei, segundo a televisão estatal.

Khamenei disse que só pode haver conversas se os Estados Unidos voltarem a um acordo nuclear entre o Irã e o Ocidente, que Trump abandonou no ano passado.

As relações entre os EUA e o Irã se deterioraram depois que Trump retirou os EUA do acordo e reativou sanções em reação aos programas nuclear e balístico de Teerã. Ele também quer que o regime pare de apoiar forças regionais que atuam em seu nome — como o grupo iemenita houthi, que reivindicou o ataque.

Um dia depois de dizer que os EUA estão “armados e carregados” para reagirem ao incidente, Trump disse na segunda-feira que “não há pressa” para fazê-lo. “Temos muitas opções, mas não estou analisando opções neste momento. Queremos saber com certeza quem fez isto”.

Ainda na segunda-feira, a Arábia Saudita, que apoiou sanções norte-americanas mais duras ao Irã, disse que uma investigação inicial mostrou que o ataque foi realizado com armas iranianas, mas não forneceu provas. A Arábia Saudita disse ser capaz de “reagir vigorosamente”, mas não acusou Teerã diretamente.

O ataque reduziu a produção saudita de petróleo pela metade e danificou a maior usina de processamento de petróleo do mundo, desencadeando o maior salto no preço da commodity em décadas. Foi o pior ataque contra instalações petrolíferas regionais desde que Saddam Hussein incendiou os poços de petróleo do Kuwait durante a Guerra do Golfo de 1990-91.

O ministro da Energia saudita deve realizar uma coletiva de imprensa nesta terça-feira, fornecendo o que seria a primeira atualização desde que a estatal petrolífera Aramco anunciou no domingo que ataques contra suas instalações de Abqaiq e Khurais reduziram a produção em 5,7 milhões de barris por dia.

Trump disse que está enviando o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, à Arábia Saudita, mas não assumiu nenhum compromisso de proteger os sauditas.

EUA acreditam que ataque à Arábia Saudita partiu do sudoeste do Irã

Os Estados Unidos acreditam que o ataque de sábado a instalações petrolíferas da Arábia Saudita partiu do sudoeste do Irã, disse uma autoridade norte-americana à Reuters nesta terça-feira (17).

Três autoridades que conversaram com a Reuters pedindo anonimato disseram que o ataque envolveu mísseis de cruzeiro e drones, indicando que a ação teve um grau de complexidade e sofisticação maior do que se pensou inicialmente.

As três fontes não forneceram indícios nem explicaram qual agência de inteligência norte-americana usaram para fazer tais avaliações. Mas tal informação, se pudesse ser levada a público, poderia aumentar a pressão para que EUA, Arábia Saudita e outros reajam.

Uma das três autoridades expressou a crença de que a coleta saudita de materiais após os ataques proporcionará “indícios forenses convincentes… que apontarão de onde esse ataque veio”.

Uma equipe norte-americana está ajudando a Arábia Saudita a avaliar indícios do ataque, que foi reivindicado por rebeldes houthi que combatem uma coalizão de liderança saudita no Iêmen.

O Irã nega qualquer papel no ataque à maior usina de processamento de petróleo cru do mundo, que interrompeu metade da produção petrolífera do reino.

As relações entre Teerã e Washington se deterioraram depois que o presidente Donald Trump retirou seu país do acordo nuclear com o Irã no ano passado e reativou sanções contra suas exportações de petróleo.

*Com informações de Parisa Hafezi, Steve Holland, Rania el Gamal, Lisa Barrington, Tom Arnold, lNidhi Vermal e Shu Zhang, da Agência Reuters.

Presidente do Irã, Hassan Rouhani.

Presidente do Irã, Hassan Rouhani.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]