Bloco de Oposição na Câmara dos Deputados pede CPI para investigar evidente conluio entre procuradores da República e o ex-juiz, no âmbito do Caso Lava Jato; “Bateu o desespero da base de apoio a Sergio Moro no Congresso Nacional”, diz Revista Veja

Sérgio Moro, ministro da Justiça e Segurança Pública do Governo Bolsonaro e ex-juiz da 13º Vara Federal de Curitiba, compareceu à Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos deputados em julho 2019 e negou parcialidade no processamento e julgamento das ações. Mas, evidência indicam relação de conluio com procuradores da República, membros da força-tarefa do Caso Lava Jato, objetivando enriquecimento e poder pessoal.

Sérgio Moro, ministro da Justiça e Segurança Pública do Governo Bolsonaro e ex-juiz da 13º Vara Federal de Curitiba, compareceu à Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos deputados em julho 2019 e negou parcialidade no processamento e julgamento das ações. Mas, evidência indicam relação de conluio com procuradores da República, membros da força-tarefa do Caso Lava Jato, objetivando enriquecimento e poder pessoal.

Líderes da oposição protocolaram nesta quinta-feira (12/09/2019) pedido de criação de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar “a violação dos princípios constitucionais e do Estado Democrático de Direito, em razão da suposta articulação entre os membros da Procuradoria da República no Paraná e o então juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, tornada pública pelo site The Intercept, no mês de junho deste ano” (RCP 5/19).

A série de matérias com o conteúdo do vazamento das supostas mensagens trocadas entre Moro e os procuradores ficou conhecida como “Vaza Jato”. Após a conferência de assinaturas do requerimento de criação da CPI, a Mesa Diretora da Câmara identificou 175 apoiadores, quatro a mais do que o necessário.

Encabeçam o pedido, os líderes André Figueiredo (PDT-CE), Alessandro Molon (PSB-RJ – Oposição), Ivan Valente (Psol-SP), Jandira Feghali (PCdoB-RJ – Minoria); Paulo Pimenta (PT-RS); Tadeu Alencar (PSB-PE); e Daniel Almeida (PCdoB-BA).

Para que a CPI seja criada, o requerimento deve ser lido em Plenário da Câmara dos Deptuados.

Sérgio Moro atua para barrar CPI que pode investigá-lo na Câmara dos Deputados, revela reportagem da Coluna Radar da Revista Veja

Segundo a Coluna Radar da Revista Veja, bateu o desespero da base de apoio a Sergio Moro no Congresso Nacional. A oposição protocolou nesta sexta-feira, 13, pedido de abertura de uma CPI para investigar as relações do Ministério Público do Paraná com o então juiz Moro.

O pedido de CPI, assinado por oito parlamentares da oposição,  cita uma “suposta articulação” entre os procuradores e o ex-juiz, com base nas revelações do The Intercept.

Talvez o principal defensor de Sergio Moro na Câmara, o deputado Capitão Augusto (PL-SP), quando soube que o documento tinha sido protocolado, com 175 assinaturas, liderou um movimento para esvaziar o pedido. São necessárias 171.

Augusto disse já ter convencido seis parlamentares a retirarem suas assinaturas, entre as quais Tabata Amaral (PDT-SP) e Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ). Mas continua sua saga. O objetivo é retirar o apoio de deputados para “respirar tranquilo”.

Ele disse que conversou com Alexandre Frota (PSDB-SP), que estaria inclinado a tirar seu nome da lista. E abordou outros sete.

Capitão Augusto é o coordenador da Bancada da Bala, relator do pacote das medidas de Moro para combate ao crime e interlocutor diário do ministro.

O deputado tem mantido Moro a par desse movimento de retirada de assinaturas e a cada sucesso obtido comunica ao ministro.

O parlamentar está indignadíssimo com o governo, que não se mobilizou para evitar essa CPI e nem o está ajudando em esvaziá-la.

“O governo que deveria estar fazendo esse corpo a corpo. Inacreditável isso. Não é possível que o governo não estava sabendo dessa CPI nos bastidores, e não se mobilizou antes. Não vi um movimento do governo. Tem gente que assinou isso aí e nem sabia. São essas assinaturas colhidas nos corredores e de qualquer jeito”.

Perguntado qual a reação de Moro quando soube por ele da CPI, e como está se sentindo, Augusto respondeu:

“Não posso falar. Mas ninguém sai comemorando a instalação de uma CPI contra si mesmo”.

Pelo regimento, quando um pedido de CPI é protocolado não se pode mais retirar assinatura. Mas, acredita o capitão Augusto, que se o signatário solicitar a retirada em até 24 horas após o protocolo, tem que ser aceito.

*Com informações da Agência Câmara e da Coluna Radar da Revista Veja.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]