A soberania e o futuro do Brasil | Por Alberto Peixoto

Jair Bolsonaro, a caricatura de um governante desqualificado e de baixa cognição.

Jair Bolsonaro, a caricatura de um governante desqualificado e de baixa cognição.

De acordo a edição de 26 de agosto de 2019 do ‘The New York Times’, jornal norte-americano que circula em 160 países: Bolsonaro, “o menor e mais insignificante dos líderes”, está comprometendo a soberania e o futuro do Brasil. Fica caracterizado que o Brasil virou piada, motivo de deboche no âmbito interacional.

Já foi dito que o brasileiro é um ser inerte, engessado, que não reage às perdas evidentes que ocorrem atualmente, não só em seus direitos sociais e trabalhistas, mas também com relação à entrega do patrimônio nacional para instituições estrangeiras. “Um dia este povo há de acordar e fazer a diferença” – deseja Isabel Carneiro, funcionária pública.

Já foi abordado em diversos veículos de comunicação, em todo planeta, que o brasileiro precisa de verdadeiros lideres para mobilizar esta massa abatida pelo desânimo; que não reagem aos danos causados por este governo formado por ditadores de extrema direita neonazista, movimentos que se inspiram nas teorias políticas pregadas por Adolf Hitler.

O Brasil atualmente sofre a experiência de degustar o amargo sabor da ditadura eleita no último pleito presidencial pelos que foram enganados por um discurso fantasioso e mentiroso, em sua essência, de um paranoico sustentado nas irresponsabilidades que foram praticadas por um grupo de desequilibrados liderados por Aécio Neves, Fernando Henrique Cardoso, o oportunista Temer, entre outros não menos irresponsáveis.

O clima que envolve todo o país é de insegurança, medo, ódio e terror espalhados por uma “famíglia” de desajustados mentais. A guerra contra a corrupção, que foi alardeada por toda a campanha presidencial por este grupo de indolentes, não ocorreu e, na realidade, o que se pode ver é o contrario. O laranjal do Queiroz foi encontrado e nada aconteceu com este personagem, que não tem princípios nem obrigações morais. E a justiça, mais uma vez, nada fez!

A derrocada do Brasil é evidente. Um pé já está na bancarrota e o outro por entrar. A condição moral do governo brasileiro no contexto internacional deixou de existir. O Brasil deixou de ser uma república das bananas e passou a ser “o país dos bananas”.

“Mas Lula está preso”. E daí? O que mudou para melhor na vida destes analfabetos políticos, sem capacitação, que repete esta frase como um mantra, um papagaio de bordel? Com certeza, nada.

Pesquisa divulgada pela revista Emotion revela que pessoas que conseguem baixa pontuação em testes para averiguar o nível de inteligência (QI), são aquelas que procuram legitimar temas intolerantes como: racismo, xenofobia, homofobia e com fortes tendências a serem de extrema direita. É o caso dos três patéticos e do projeto de ditador Jair Bolsonaro.

Acerca do futuro do Brasil, pode-se citar um comentário da jornalista Vanessa Barbara que faz uma observação sobre a devastação da Amazônia: “O primeiro sinal de que a Amazônia não teria um bom ano veio este mês, quando o governo demitiu o chefe do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, o físico Ricardo Galvão, que foi antipatriótico o suficiente para divulgar dados mostrando um salto de 278% no desmatamento em julho em comparação com o mesmo mês do ano anterior”, descreve a jornalista.

*Alberto Peixoto, escritor.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Alberto Peixoto
Antonio Alberto de Oliveira Peixoto, nasceu em Feira de Santana, em 3 de setembro de 1950, é Bacharel em Administração de Empresas pela UNIFACS, e funcionário público lotado na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia, atua como articulista do Jornal Grande Bahia, escrevendo semanalmente, é escritor e tem entre as obras publicadas os livros de contos: 'Estórias que Deus Duvida', 'O Enterro da Sogra, 'Único Espermatozoide', 'Dasdores a Difícil Vida Fácil', participou da coletânea 'Bahia de Todos em Contos', Vol. III, através da editora Òmnira. Também atua incentivador da cultura nordestina, sendo conselheiro da Fundação Òmnira de Assistência Cultural e Comunitária, realizando atividades em favor de comunidades carentes de Salvador, Feira de Santana e Santo Antonio de Jesus. É Membro da Academia de Letras do Recôncavo (ALER), ocupando a cadeira de número 26. E-mail para contato: [email protected] Saiba mais sobre o autor visitando o endereço eletrônico http://www.albertopeixoto.com.br.