A ‘falsa’ luta contra a corrupção que levou Jair Bolsonaro à presidência, segundo The Intercept

Presidente Jair Bolsonaro (PSL-RJ) e Sérgio Moro, ministro da Justiça e Segurança Pública. Esquema da força-tarefa do Caso Lava Jato, em conluio com juiz encarregado do processamento e julgamento das ações, com apoio da Rede Globo e de outros setores da mídia resultou no Governo de Extrema-direita, de base miliciana.

Presidente Jair Bolsonaro (PSL-RJ) e Sérgio Moro, ministro da Justiça e Segurança Pública. Esquema da força-tarefa do Caso Lava Jato, em conluio com juiz encarregado do processamento e julgamento das ações, com apoio da Rede Globo e de outros setores da mídia resultou no Governo de Extrema-direita, de base miliciana.

Em entrevista, Andrew Fishman, editor do The Intercept, revelou possível ligação entre as mensagens vazadas de Sérgio Moro e Deltan Dallagnol com a imparcialidade de ambos no decorrer da Lava Jato.

Em junho de 2019, o site The Intercept tornou públicas milhares de mensagens online do atual Ministro da Justiça, Sérgio Moro, e do procurador Deltan Dallagnol, ambos figuras chave da operação Lava Jato. A divulgação do conteúdo das conversas levantou suspeitas sobre o trabalho de Moro e Dallagnol.

Mensagens e irregularidades

As mensagens apontariam irregularidades na operação que tinha como objetivo julgar casos de suborno de empresas brasileiras e o uso indevido de recursos da Petrobrás. As investigações resultaram na prisão de políticos brasileiros, dentre os quais o ex-presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva.

Uma das primeiras irregularidades apresentadas pelo The Intercept seria a forma secreta como Sérgio Moro teria colaborado com os investigadores na formulação das acusações contra Lula. Por lei, as autoridades investigativas trabalham separadas do juiz, o qual não deve se envolver nos trabalhos de acusação.

Popularidade no Brasil

O vazamento das mensagens feito pelo The Intercept foi um verdadeiro desafio a uma pequena equipe de profissionais. Com apenas dez jornalistas, a equipe sofreu ameaças e muita pressão. Encabeçado por Andrew Fishman, editor do The Intercept, o grupo começou uma grande aventura ainda em 2016.

“Em 2016, quando estava em curso o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff no Congresso, publicamos um artigo que foi visto por mais de 400 mil vezes. Em pouco tempo, 15% de nossa audiência se tornou brasileira e recebemos centenas de e-mails pedindo para abrirmos um site no Brasil”, disse Fishman.

Com a Vaza Jato, nome dado ao vazamento das mensagens, o site bombou. O número de inscritos cresceu consideravelmente, enquanto gigantes da mídia, como a Folha de São Paulo, Veja, El País e o Buzzfeed, começaram a cooperar com o The Intercept.

Esta teria sido a segunda maior investigação do site depois da divulgação das revelações feitas por Edward Snowden, ex-funcionário da Agência de Segurança Nacional (NSA) dos Estados Unidos, sobre as operações de vigilância dos EUA no mundo. A investigação rendeu a Glenn Greenwald, um dos fundadores do The Intercept, o prêmio Pulitzer, considerado o Óscar do jornalismo.

Desafios

Embora o The Intercept ganhasse notoriedade, muitos desafios vieram pela frente. Temendo o governo e ações de intimação, os jornalistas continuaram seu trabalho acreditando que a verdade seria a sua melhor defesa. Para tanto, Fishman ressaltou a integridade do conteúdo vazado. Segundo ele, sua equipe teria verificado cuidadosamente as mensagens, evitando assim qualquer manipulação.

“Uma pessoa teria que levar anos para criar toda essa informação. Não há evidência de nenhum tipo de manipulação e há áudios com as vozes de todos eles, de maneira que os fabricar é impensável”, acrescentou Fishman.

A reação do governo foi mais no campo das palavras do que com violência. No entanto, a guerra informacional pode ser muito daninha. Fishman lembrou durante a entrevista que sua equipe foi chamada de “criminosa”, “cúmplice de hackers”, assim como teriam sofrido ameaças de prisão. Além disso, uma de suas conversas em um bar teria sido gravada e editada para desacreditar o grupo.

Redes, eleições e jornalismo

Durante a corrida presidencial de 2018, a difusão de fake news no WhatsApp sobre diferentes candidatos teria dado vantagem ao candidato Bolsonaro, segundo Fishman. Para ele, tal estratégia foi financiada por milhões de dólares.

No entanto, o jornalista diz que notícias falsas não é uma coisa nova. A manipulação da propaganda está presente na história da política há muito tempo. O fator diferenciador seriam as tecnologias de comunicação presentes no atual século.

Fishman diz que o mais importante não é desvendar as mentiras difundidas, mas descobrir a fonte do dinheiro que financia as mentiras.

A falsa luta contra a corrupção

Uma das últimas revelações do The Intercept seria a parcialidade de agentes públicos na Lava Jato.

“Dallagnol tinha sete casos contra o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, mas usou a única que já havia prescrito, sabendo que não chegaria a lugar nenhum, para que a imprensa não dissesse que ele não era imparcial”, conta Fishman.

Ao mesmo tempo, Dallagnol teria dito em uma de suas mensagens que lamenta ter que investigar bancos. Ao mesmo tempo, ele teria recebido grandes quantias de dinheiro de palestras feitas para certos bancos.

“Eles tinham favoritos e decidiram não ir atrás de certos casos e de certas pessoas, assim como os bancos […] esta é mais uma das muitas peças de evidência que temos de que estavam abusando de seu poder”, realçou o jornalista.

*Com informações da Agência Sputnik.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]