Celebremos a Unidade Humana | Por João Baptista Herkenhoff

Artigo aborda a heterogeneidade e unidade da humanidade.

Artigo aborda a heterogeneidade e unidade da humanidade.

Somos diferentes uns dos outros.

Há diferença de idade, de sexo, de raça, de profissão e habilidades, diferença daquilo de que se gosta e daquilo de que não se gosta. Enfim, a enumeração das diferenças é quase infinita.

No tumulto das diferenças, há uma identidade – todos somos mortais.

A convicção da mortalidade pode tornar mais fácil a aceitação das diferenças e nos convencer da Unidade Humana.

Por que o patrão é mais importante que o empregado se ambos   vão morrer?

Por que o senador é mais importante que o porteiro do Senado se nenhum dos dois está livre do túmulo?

Por que este é mais importante que aquele, se este e aquele serâo cobertos pela última mortatha?

A condição mortal de todos os homens e mulheres é o mais forte argumento para afirmar a Unidade Humana.

Somos diferentes uns dos outros sim.

As pequenas diferenças são pormenores e nem merecem que as consideremos à face da grande identidade dos sete palmos de terra e um caixão, verdade que serviu de título para o célebre livro de Josué de Castro.

As diferenças devem ser superadas pelo respeito que todos merecem. Temos muito que aprender com as diferenças.

As diferenças não justificam os preconceitos, os anátemas.

O respeito ao diferente é uma questão básica na ideologia dos Direitos Humanos.

Os Direitos Humanos prestam-se cada vez mais a integrar o catálogo de lutas de todos os oprimidos da Terra.

A luta pelos Direitos da Pessoa Humana, em sociedades como a brasileira, marcada pela exclusão social de milhões de pessoas, é ainda uma luta que rompe com os padrões dominantes, inclusive os padrões dominantes no pensamento e na prática jurídico-social.

No Brasil, as religiões cristãs são largamente majoritárias.

Jean-François Collange mostra que, fundamentalmente, o traço de união indissociável entre Cristianismo e Direitos Humanos resulta de que o valor do homem diante de Deus não está nem na cor de sua pele, nem no seu sexo, nem no seu estatuto social, nem muito menos na sua riqueza, mas no fato de que em Cristo ele é aceito como filho de um mesmo Deus.

Isto de cada um, de sua parte, reconhecer-se como filho de um mesmo Pai conduz a uma fraternidade autêntica, base dos Direitos Humanos.

Se em todas as profissões deve haver traço humano, em algumas (Magistratura, Advocacia, Medicina) é condição sine qua non do exercício profissional. Lembro-me de um diálogo exemplar que ouvi entre um cliente e seu advogado. O cliente, que gostava de usar palavras difíceis, disse ao causídico para elogiá-lo: doutor, eu admiro sua petulância senil. O advogado respondeu: muito obrigado, preclaro amigo, muito obrigado por sua nobilíssima intenção.

*João Baptista Herkenhoff (Email: [email protected]), juiz de Direito aposentado (ES) e escritor.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

João Baptista Herkenhoff
João Baptista Herkenhoff possui graduação em Direito pela Faculdade de Direito do Espírito Santo (1958) , mestrado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1975) , pós-doutorado pela University of Wisconsin - Madison (1984) e pós-doutorado pela Universidade de Rouen (1992) . Atualmente é PROFESSOR ADJUNTO IV APOSENTADO da Universidade Federal do Espírito Santo.Contato:Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas, Departamento de Direito. Avenida Fernando Ferrari, 514 | Goibeiras 29075-910 - Vitoria, ES - Brasil | Home-page: www.jbherkenhoff.com.br |E:mail: [email protected] | Telefone: (27)3335-2604