Procurador da República Deltan Dallagnol montou plano de negócios para lucrar com fama da Lava Jato; Reportagem levanta suspeita de uso de laranja e de lucro com investigados

Mensagens reveladas pela Folha de S.Paulo e Intercept apontam que procurador da República discutiu criar e registrar empresa em nome da mulher para faturar com palestras. Deltan Dallagnol escreveu que esperava faturar R$ 400 mil com palestras em 2018. Conversas ainda mostram que ele usou funcionárias da procuradoria para organizar participação em eventos.

Mensagens reveladas pela Folha de S.Paulo e Intercept apontam que procurador da República discutiu criar e registrar empresa em nome da mulher para faturar com palestras. Deltan Dallagnol escreveu que esperava faturar R$ 400 mil com palestras em 2018. Conversas ainda mostram que ele usou funcionárias da procuradoria para organizar participação em eventos.

O coordenador da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, montou um plano para criar uma empresa de eventos e palestras em nome de parentes com o objetivo de lucrar com a fama e contatos obtidos ao longo da operação. As informações foram reveladas neste domingo (14/07/2019) pelo jornal Folha de S.Paulo com base mensagens obtidas pelo site The Intercept Brasil.

Nos diálogos revelados pela Folha, Deltan apareceu discutindo esse plano de negócios com sua esposa, um colega da Lava Jato, o procurador Roberson Pozzobon, e a esposa deste ao longo de 2018 e o início de 2019.

“Vamos organizar congressos e eventos e lucrar, ok? É um bom jeito de aproveitar nosso networking e visibilidade”, escreveu Deltan para a esposa.

Com seu colega de Lava Jato, Roberson Pozzobon, Deltan discutiu uma estratégia para elevar os ganhos com palestras e afastar possíveis críticas que surgiriam com a atividade. “Se fizéssemos algo sem fins lucrativos e pagássemos valores altos de palestras pra nós, escaparíamos das críticas, mas teria que ver o quanto perderíamos em termos monetários”, escreveu Deltan.

Ainda segundo a Folha, o coordenador ainda discutiu com Pozzobon a possibilidade de registrar a empresa em nome de parentes para ocultar o papel dos procuradores.  A legislação veda que procuradores gerenciem empresas. Permite apenas que eles sejam sócios ou acionistas.

Em dezembro de 2018, Deltan e Pozzobon chegaram a criar um grupo de mensagens para discutir o tema, com a participação de suas esposas.

“Antes de darmos passos para abrir a empresa, teríamos que ter um plano de negócios e ter claras as expectativas em relação a cada um”, escreveu Deltan.

Segundo a Folha, Pozzobon respondeu: “Temos que ver se o evento que vale mais a pena é: Mais gente, mais barato ou menos gente, mais caro. E um formato não exclui o outro”.

Em fevereiro de 2019 Deltan finalmente propôs que a empresa fosse aberta usando o nome de suas esposas, e que a organização dos eventos e palestras ficasse a cargo de Fernanda Cunha, dona de uma firma chamada Star Palestras e Eventos.

Em seguida, Deltan citou a possibilidade de a estratégia de negócios vir a levantar suspeitas. “É bem possível que um dia ela [Fernanda Cunha] seja ouvida sobre isso pra nos pegarem por gerenciarmos empresa”, disse.

Pozzobon comentou, de maneira irônica: “Se chegarem nesse grau de verificação é pq o negócio ficou lucrativo mesmo rsrsrs. Que veeeenham”.

No mesmo período, segundo o jornal, Deltan ainda sugeriu estabelecer uma parceria com uma tradicional empresa especializadas em eventos e formaturas de Curitiba chamada Polyndia, que pertence a um tio dele. Deltan afirmou que a parceria poderia ajudar a alavancar os negócios por meio de suas atividades com a organização de formaturas.

“Eles [Polyndia] podem oferecer comissão pra aluno da comissão de formatura pelo número de vendas de ingressos que ele fizer. Isso alavancaria total o negócio. E nós faríamos contatos com os palestrantes pra convidar. Eles cuidariam de preparação e promoção, nós do conteúdo pedagógico e dividiríamos os lucros”, disse Deltan.

A Folha informou que pesquisou registros de empresas na Junta Comercial do Paraná e em cartórios de Curitiba, mas que as buscas indicaram que, por enquanto, ainda não ocorreu a constituição de uma empresa de palestras no nome das mulheres dos procuradores ou de um instituto em nome deles.

Valores

Ainda segundo o jornal, Deltan mostrou em várias mensagens interesse pelos valores que poderiam ser obtidos com cada palestra. Em uma conversa, o coordenador da Lava Jato falou dos valores que já havia obtido até setembro de 2018.

“As palestras e aulas já tabeladas neste ano estão dando líquido 232k [R$ 232 mil]. Ótimo… 23 aulas/palestras. Dá uma média de 10k [R$ 10 mil] limpo.”

Em mensagens posteriores, ele falou sobre suas expectativas sobre os valores acumulados em 2018.

“Se tudo der certo nas palestras, vai entrar ainda uns 100k [R$ 100 mil] limpos até o fim do ano. Total líquido das palestras e livros daria uns 400k [R$ 400 mil]. Total de 40 aulas/palestras. Média de 10k limpo”, disse Deltan.

Ainda segundo a Folha, mensagens apontam que Deltan fez uso dos serviços de duas funcionárias da Procuradoria em Curitiba, que tiveram que atender pedidos do procurador para registrar recibos e documentos relativos aos eventos, além de organizarem os convites que ele recebia para palestras.

Palestras motivacionais

As mensagens ainda apontam que Deltan e Pozzobon discutiram formas de ampliar o público das palestras que seriam organizadas pela empresa que eles pretendiam constituir.

No final de 2018, Deltan escreveu: “Curiosidade não basta, até porque a maior parte dos jovens não têm interesse em Lava Jato. Para o modelo dar certo, teria que incluir coisas que envolvam como lucrar, como crescer na vida, como desenvolver habilidades de que precisa e não são ensinadas na faculdade”. Em seguida, Deltan sugeriu o tema de uma dessas palestras: “Turbine Sua Vida Profissional com Ferramentas Indispensáveis”.

Ele ainda elencou “Empreendedorismo e governança: seja dono do seu negócio e saiba como governá-lo”, “Negociação: domine essa habilidade ou ela vai dominar Você”, “Liderança: influencie e leve seu time ao topo”, “Ética nos Negócios e Lava Jato: prepare-se para o mundo que te espera lá fora”.

Pozzobon, por sua vez, propôs oferecer um curso jurídico mais focado na ética e combate à corrupção. “Curso de sexta à noite e sábado de manhã. E poderíamos cobrar bem. Tipo uns 3 ou 5 mil. Público alvo: empresários, advs e altos executivos”, escreveu.

Convites

A reportagem da Folha e Intercept também mostrou que Deltan incentivou outras figuras da Lava Jato a ganharem dinheiro com palestras.

Em abril de 2017, o procurador informou o então juiz Sergio Moro sobre um convite e contou quanto costumava cobrar por esse tipo de atividade e que em alguns casos guardava os valores para si, em vez de doá-los.

“Pedi 5 mil reais para dar aulas lá ou palestra, porque assim compenso um pouco o tempo que a família perde (esses valores menores recebo pra mim… é diferente das palestras pra grandes eventos que pagam cachê alto, caso em que estava doando e agora estou reservando contratualmente para custos decorrentes da Lava Jato ou destinação a entidades anticorrupção – explico melhor depois)…”, disse.

Ele ainda afirmou que Moro poderia cobrar mais: “Achei bom te deixar saber para caso queira pedir algo mais, se achar que é o caso (Vc poderia pedir bem mais se quisesse, evidentemente, e aposto que pagam)”.

Em junho de 2018, Deltan também convidou o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot para participar de um evento em São Paulo.

“Considero sim mas teremos que falar sobre cachê. Grato pela lembrança”, respondeu Janot.

Deltan em seguida perguntou se o cachê oficial do ex-chefe da PGR era de 30 mil reais e disse que faculdades normalmente “não pagam esse valor”. “Mas se pedir uns 15k [15 mil reais ], acho que pagam”, escreveu o coordenador da Lava Jato.

Nos últimos anos, sempre que sua atividade como palestrante foi alvo de questionamentos, Deltan respondeu que sua atuação nesse tipo de evento tinha como objetivo promover medidas como o pacote anticorrupção defendido pelos membros da Lava Jato. Ele também costumava afirmar que a maior parte dos recursos era doada para entidades filantrópicas.

De acordo com a Folha, as atividades de Deltan em viagens e palestras também geraram descontentamento entre alguns procuradores de Curitiba em 2015. Na ocasião, o coordenador tentou se justificar em uma mensagem.

“Essas viagens são o que compensa a perda financeira do caso, pq fora eu fazia itinerâncias [trabalho extra em que um procurador assume tarefas de um colega e recebe mais por isso] e agora faria substituições”, disse Deltan.

“Acho errado reclamar disso. Acho que o crescimento é via de mão dupla. Não estamos em 100 metros livres. Esse caso já virou maratona. Devemos ter bom senso e respeitar o bom senso alheio”, completou.

Outro lado

A Folha procurou Deltan e Pozzobon para que eles comentassem as revelações. Segundo o jornal, Deltan afirmou “que realiza palestras para promover a cidadania e o combate à corrupção e que esse trabalho ocorre de maneira compatível com a atuação no Ministério Público Federal”.

Os dois procuradores ainda informaram que não abriram qualquer empresa ou instituto de palestras em seus nomes ou das esposas.

Em nota, o Ministério Público Federal no Paraná, informou que os membros da Lava Jato no Estado declaram que “não reconhecem as mensagens que têm sido atribuídas a eles” e que “esse material é oriundo de crime cibernético e não pôde ter seu contexto e veracidade comprovado”.

Por fim, o MPF informou que é “lícito” que procuradores aceitem convites para “ministrar cursos e palestras remuneradas”.

“Palestras remuneradas são prática comum no meio jurídico por parte de autoridades públicas e em outras profissões”, completa a nota.

O Conluio e o esquema de corrupção revelado pela série de publicações ‘As mensagens secretas da Lava Jato (#VazaJato)’

O que são

Desde 9 de junho de 2019, o site The Intercept Brasil vem divulgando um pacote de conversas envolvendo procuradores da República em Curitiba e Sergio Moro, na época juiz responsável pelos processos da Lava Jato.

Período 

Os diálogos aconteceram no aplicativo Telegram entre 2014 e 2019.

Fonte 

O site informou que obteve o material de uma fonte anônima, que procurou a reportagem há cerca de um mês. O vazamento, segundo o Intercept, não está ligado ao ataque ao celular de Moro, em 4 de junho de 2019.

Análise 

A Folha teve acesso ao material e não detectou nenhum indício de que ele possa ter sido adulterado. Os repórteres, por exemplo, encontraram diversas mensagens que eles próprios trocaram com a força-tarefa nos últimos anos.

Conteúdo 

As mensagens indicam troca de colaboração entre Moro e a força-tarefa da Lava Jato. Segundo a lei, o juiz não pode auxiliar ou aconselhar nenhuma das partes do processo.

Consequências 

O vazamento pode levar à anulação de condenações proferidas por Moro, caso haja entendimento que ele era suspeito (comprometido com uma das partes). Isso inclui o julgamento do ex-presidente Lula.

*Com informações do DW e da Folha de S.Paulo

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]