Ouvidor da Câmara Municipal de Feira de Santana confirma que vereadores recebem o cartão vale refeição dos membros dos gabinetes

Caso ‘O destino do Vale Refeição da Câmara Municipal de Feira de Santana’ levanta suspeita e questionamentos.

Caso ‘O destino do Vale Refeição da Câmara Municipal de Feira de Santana’ levanta suspeita e questionamentos.

Humberto Cedraz, ouvidor da Câmara Municipal de Feira de Santana (CMFS), confirmou nesta segunda-feira (15/07/2019) ao Jornal Grande Bahia (JGB) que a administração do Poder Legislativo Municipal entrega aos vereadores os cartões do vale refeição dos servidores comissionados e que estes são distribuídos de acordo com critérios dos edis.

“Não existem cartões do vale refeição para todos os servidores, então, de acordo com o critério de cada vereador, os cartões são distribuídos aos servidores [que ocupam cargo de confiança], de acordo com critério dos próprios vereadores”, disse Humberto Cedraz.

Radialista relata

Na sexta-feira (13/07) o JGB publicou reportagem com título ‘Vereadores de Feira de Santana são suspeitos de apropriação do valor do vale refeição dos servidores comissionados; Montante ultrapassa R$ 3 milhões; Denúncia foi revelada pelo radialista Carlos Lima’.

A reportagem relata que em editorial veiculado nesta sexta-feira (12) na Rádio Povo, o radialista Carlos Lima revelou que existe a suspeita de que vereadores de Feira de Santana estiveram ao longo dos últimos 30 meses se apropriando do valor do vale refeição destinado a servidores em cargos comissionados (cargos de confiança).

Conforme editorial apresentado por Carlos Lima foram destinados para pagamento de vale refeição no valor de R$ 1.463.537,68, em 2018. Ocorre que nem todo o montante é repassado diretamente para todos os servidores, sendo que apenas os que são de carreira, ou que ocupam determinadas funções, os únicos à receber os valores, enquanto os que ocupam cargos de confiança, indicados por vereadores, ficam dependentes do edil, que obtém o repasse da administração da Câmara Municipal de Feira de Santana, cujo presidente é José Carneiro Rocha (PSDB).

Radialista confirma

Ex-assessor da Câmara Municipal de Feira de Santana Carlos Lima confirmou a prática relatada no editorial, declarando durante a veiculação do Jornal da Povo, nunca ter recebido o cartão vale refeição, enquanto ocupou cargo de confiança.

Fonte confirma

Um ex-assessor da Câmara Municipal de Feira de Santana, que trabalhou na atual legislatura, confirmou nesta segunda-feira (15) a prática, quase generalizada, de retenção do vale refeição dos servidores comissionados, por parte dos edis.

“Alguns entregam os vales refeição aos comissionados e estes o devolvem ao vereador, enquanto outros ficam sem entregar os cartões aos servidores. Mas, há os que distribuem os vales refeição”, disse a fonte.

Necessária investigação

O caso levanta inúmeras suspeitas e vários questionamentos, por exemplo: o que leva a direção da Câmara Municipal, cuja presidência é exercida pelo vereador José Carneiro Rocha (PSDB), a entregar os vales refeição aos edis e não diretamente aos servidores?

A sociedade esperar respostas da CMFS e uma devida apuração do Ministério Público da Bahia e do Tribunal de Contas do Município.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518), Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), Associação Brasileira de Imprensa (ABI Nacional, Matrícula nº E-002907) e Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).