O Avô Pacifista | Por João Baptista Herkenhoff

No Brasil e em Portugal, o Dia dos Avós é comemorado em 26 de julho, tendo sido esta data escolhida em razão da comemoração do dia de Santa Ana e São Joaquim, pais de Maria e avós de Jesus Cristo.

No Brasil e em Portugal, o Dia dos Avós é comemorado em 26 de julho, tendo sido esta data escolhida em razão da comemoração do dia de Santa Ana e São Joaquim, pais de Maria e avós de Jesus Cristo.

Vinte e Seis de Julho é o Dia dos Avós. A semana respectiva é a Semana dos Avós.

Se o transcurso da efeméride autoriza todo articulista a tratar da matéria, duplamente autorizado está o articulista avô.

Salve a menina que me outorgou este título!

A data foi escolhida para a celebração porque, no calendário litúrgico, é o Dia de Santa Ana e São Joaquim, pais de Maria e avós de Jesus Cristo.

No Dia dos Avós eu me lembro do meu Avô materno: Pedro Estellita Lins. Não herdei seu sobrenome.

Meu pai, de origem germânica, conservava um traço da cultura alemã: os filhos quase sempre só recebiam o sobrenome paterno.

Tive muita convivência com esse Avô. Ele gostava de escrever, publicou livros. Eu era seu datilógrafo. O tema principal de seus escritos era a defesa da Paz.

Ele era um pacifista militante.

Graças a seu exemplo, até hoje abomino a guerra.

A velhice quase sempre se associa a decrepitude, perdas, inferioridade.

Num tipo de sociedade que se ergue sobre valores materiais, não poderia ser diferente: o desprezo pelo velho está na raiz desse tipo de estrutura social.

A Bíblia aponta horizontes que merecem ser seguidos por crentes e não crentes.

Na contramão do sistema diz que “o cabelo grisalho é uma coroa de esplendor, e obtém-se mediante uma vida justa.” (Provérbios 13, 31).

Os avós têm um duplo papel: na família e na sociedade.

Na família os avós são conselheiros dos pais e dos netos. Podem transmitir ao vivo a experiência que nenhum livro é capaz de traduzir.

Os avós são apoio em inúmeras situações e emergências. Integram a família.

Feliz da família na qual comparecem os avós.

Para o conjunto da sociedade os avós transmitem ao presente a herança do passado.

São depositários da sabedoria acumulada através de milênios.

Até os pequenos gestos revelam a atitude respeitosa ou desrespeitosa para com os idosos.

Ceder o lugar ou a passagem ao idoso, mostrar-se disponível para ajudar nas mais comezinhas situações, tudo isso demonstra o nível de educação de uma sociedade.

Quem exalta os avós está na contramão deste mundo materialista, onde só cabe lembrar o Dia dos Avós para provocar venda de presentes para eles nessa data.

Como homenagear a figura do Avô num mundo que se alicerça no materialismo, onde se exalta a juventude como um estado eterno, o vigor e a beleza como referências existenciais?

Hoje algumas vozes têm o atrevimento, a insolência, a desfaçatez de advogar, de peito aberto e sem qualquer pudor, a redução dos direitos dos aposentados.

Os que se encontram na Terceira Idade resistirão à fúria desses insensatos tomando de empréstimo uma expressão clássica de exorcismo: Vade retro, inimigo do aposentado!

*João Baptista Herkenhoff (Email: [email protected]), juiz de Direito aposentado (ES) e escritor.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

João Baptista Herkenhoff
João Baptista Herkenhoff possui graduação em Direito pela Faculdade de Direito do Espírito Santo (1958) , mestrado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1975) , pós-doutorado pela University of Wisconsin - Madison (1984) e pós-doutorado pela Universidade de Rouen (1992) . Atualmente é PROFESSOR ADJUNTO IV APOSENTADO da Universidade Federal do Espírito Santo.Contato:Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas, Departamento de Direito. Avenida Fernando Ferrari, 514 | Goibeiras 29075-910 - Vitoria, ES - Brasil | Home-page: www.jbherkenhoff.com.br |E:mail: [email protected] | Telefone: (27)3335-2604