Ministro Sérgio Moro sai de licença por uma semana; Suspeita é de que ex-juiz tente se afastar da função no momento em que ações contra a liberdade de imprensa serão tomadas pela PF

Reportagens do The Intercept Brasil, Jornal Folha de S.Paulo e Revista Veja revelaram evidente conduta ilegal praticada por Sérgio Moro, no julgamento e processamento de ações do Caso Lava Jato.

Reportagens do The Intercept Brasil, Jornal Folha de S.Paulo e Revista Veja revelaram evidente conduta ilegal praticada por Sérgio Moro, no julgamento e processamento de ações do Caso Lava Jato.

O ministro da Justiça e Segurança Pública do Governo Bolsonaro, Sergio Moro, irá se afastar do cargo por uma semana, entre os dias 15 e 19 de julho de 2019, em uma licença não remunerada, informou a assessoria da pasta, destacando que era para “tratar de assuntos particulares”.

Sem ter direito à férias remuneradas porque começou a trabalhar no cargo apenas em janeiro deste ano, Moro recebeu a autorização do presidente Jair Bolsonaro para tirar uma licença não remunerada durante o período. Segundo sua assessoria, o ministro passará esses dias “com a família” e retorna ao posto dia 22, segunda-feira.

Desgaste em decorrência das condutas ilegais

O afastamento do ministro se dá em meio à crise gerada pela publicação de supostas conversas e trocas de mensagens de Moro com a força-tarefa de procuradores da operação Lava Jato, mostrando que o ministro teria chegado a orientar a atuação dos procuradores em algumas situações. Os texto, revelados inicialmente pelo site Intercept Brasil e atualmente divididos também pelo jornal Folha de S.Paulo e pela revista Veja, tem levado a questionamentos sobre sua atuação nos casos.

Na edição nº 2.642 , veiculada na sexta-feira (05/07/2019), A Revista Veja, em parceria com o The Intercept Brasil, revelou conversas inéditas que mostram que Sérgio Moro avisou Deltan Dallagnol que o Ministério Público Federal (MPF) havia esquecido de incluir uma prova que reforçaria a acusação contra envolvidos na Lava Jato. Em outra mensagem, uma delegada da Polícia Federal diz que Moro pediu para que não houvesse pressa em anexar aos autos uma planilha com nome de políticos com foro privilegiado que poderia levar o caso ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Tanto o ministro quanto a força-tarefa da Lava Jato alegam que não têm como verificar a autenticidade das mensagens divulgadas pelas reportagens. Além disso, Moro tem dito que, apesar de não reconhecer a autenticidade de suas supostas declarações, não vê nelas irregularidades.

Suspeita é de que ex-juiz tente se afastar da função no momento em que ações contra a liberdade de imprensa serão tomadas pela PF

A Polícia Federal (PF) estaria articulando em sigilo a realizações de prisões relacionadas aos vazamentos divulgados pelo The Intercept. No entanto, ao invés de prender quem cometeu os crimes durante a Operação Lava Jato, a PF, sob o comando de Sérgio Moro, estaria perto de capturar “hackers”, supostos “invasores de celulares dos procuradores da Lava Jato”.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

A informação foi divulgada pelo site de extrema direita O Antagonista, conhecido por ser porta-voz do ex-juiz e atual ministro da Justiça.

O site afirma: “A PF está trabalhando em silêncio para capturar os criminosos que invadiram os telefones celulares dos procuradores da Lava Jato. Só a prisão do hacker poderá desarticular o golpe da ORCRIM” (expressão que quer dizer organização criminosa e foi usada inicialmente durante a campanha de 2015 para caracterizar o PT).

Parlamentares criticam licença de Moro e querem saber o que há por trás da viagem do ex-juiz

O que está por trás da licença do ministro Sérgio Moro (Justiça) por “motivos pessoais” num momento em que a imprensa anuncia que a Polícia Federal pode estar prestes a efetuar prisões e buscas em represália ao escândalo da “Vaza Jato”? Este é o questionamento que a Bancada de deputados do PT faz sobre a autorização para o afastamento entre os dias 15 e 19 de julho ter sido publicada no Diário Oficial da União de hoje. “Será que ele, covarde como é, pretende que essas buscas sejam feitas quando ele não estiver no Brasil?”, indaga o líder do PT, deputado Paulo Pimenta (RS).

Em vídeo divulgado em sua rede social, Pimenta afirma que, de Moro pode se esperar qualquer coisa. “Ele é uma mente perversa, doentia, que se alimenta de um projeto de poder e para alcançar os seus objetivos é capaz de fazer qualquer coisa”, reforça.

Para o líder petista, é no mínimo esquisito que o ex-juiz da Lava Jato e atual ministro do governo da “família metralha” tire férias com seis meses de governo e, ao que tudo indica, para voltar aos Estados Unidos. “O que que tem por trás de mais essa viagem? Será que o Dallagnol vai estar com ele nos EUA nos mesmos dias?, questiona Pimenta. O procurador Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato, está no centro das conversas vazadas pelo site The Intercept Brasil, que revela o conluio com Sérgio Moro, para a instituição de mecanismo de perseguição dentro da Lava Jato à margem da lei.

Paulo Pimenta relembra também que vários juristas importantes no País têm afirmado que as revelações do The Intercept são gravíssimas. Ele cita inclusive Nelson Jobim, ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, ex-ministro da defesa e ex-ministro da Justiça, que disse hoje (8), em entrevista ao site UOL, que “Sérgio Moro agiu de maneira inadequada e que Justiça brasileira falhou ao não conter excessos da Lava Jato no início da operação”.

“A casa caiu! Os milicianos, metralhas e mentirosos serão desmascarados, Dallagnol e Moro serão desmascarados junto com eles”, sentencia Pimenta.

*Com informações das Revistas Fórum e Veja, e de Lisandra Paraguassu, da Agência Reuters.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]