Industrialização do cacau da Bahia movimenta R$ 1,3 bilhões em investimentos

Variedades de chocolates produzidos na Bahia.

Variedades de chocolates produzidos na Bahia.

O cacau da Bahia vai além das 123 mil toneladas produzidas por ano e lidera nacionalmente, também, no setor industrial. O brilho dos frutos se reflete no chocolate e seus derivados com origem baiana. No estado, os cinco empreendimentos do setor, incentivados pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE), já injetaram cerca de R$ 1,3 bilhão em investimentos e geram juntos 1,2 mil empregos diretos. O forte da industrialização do cacau é a região Sul, mas também tem presença marcante na capital e já exportou até loja artesanal para Paris.

Reinventado, o segmento cacaueiro tem visibilidade nacional com o Chocolat Bahia Festival, cuja 11ª edição está ocorrendo desde a quinta-feira (18/07/2019), em Ilhéus. Os números positivos se refletem também no processamento das amêndoas de cacau. A indústria moageira produz 270 mil toneladas por ano. Dados da SDE revelam a diversidade da cadeia produtiva baiana, que vai do cacau em pó aos chocolates gourmet, com nibs de cacau.

“A Bahia ocupa espaço importante no cultivo do fruto e no desenvolvimento econômico, especialmente no Sul e Extremo Sul. O cacau se reinventou depois da vassoura de bruxa e temos uma nova oportunidade de crescimento territorial, com grandes variedades e com potencialidade sustentável do cultivo. A industrialização vem como reforço e essa cadeia tem movimentado a economia baiana, gerado empregos e tornado o estado referência mundial, seja no cacau ou no chocolate”, reflete João Leão, vice-governador e titular da SDE.

Numa conexão Ilhéus-Salvador-Paris, com vocação sustentável, a AMMA Chocolate Orgânico investiu R$ 3 milhões para implantação de uma unidade de fabricação de chocolate artesanal. As fazendas de cacau ficam no Sul, nas proximidades de Ilhéus, Itabuna e Itacaré, na capital baiana funciona a planta fabril e as lojas temáticas. Para a capital da França, a marca baiana exporta o chocolate e mantém uma loja modelo. “O cacau que a Bahia e pequenos produtores produzem, com todo o apoio do Governo do Estado, tem sido fundamental para o desenvolvimento, pois estamos vivendo a reestruturação dessa cadeia, de uma forma sólida, com mais valor e mais respeito a todos os integrantes”, destaca Diego Badaró, fundador e diretor da AMMA.

Entre as fábricas que estão implantadas na Bahia, tem também a francesa Barry Callebaut, que possui duas filiais no estado. Maior processadora de cacau do país e também produtora de chocolate, a empresa injetou investimentos de R$ 64 milhões em Ilhéus e de R$ 23,8 milhões em Itabuna. Ao todo, o volume de aporte chegou a R$ 87,8 milhões na ampliação industrial. O grupo gera 526 empregos diretos na região.

Sementes de cacau são utilizadas para elaboração do chocolate.

Sementes de cacau são utilizadas para elaboração do chocolate.

Variedades do fruto cacau cultivados na Bahia.

Variedades do fruto cacau cultivados na Bahia.

Governadores Rui Costa e participantes do XI Festival Internacional do Chocolate e Cacau em Ilhéus.

Governadores Rui Costa e participantes do XI Festival Internacional do Chocolate e Cacau em Ilhéus.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518), Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), Associação Brasileira de Imprensa (ABI Nacional, Matrícula nº E-002907) e Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).