Acaba a greve docente, mas continua a mobilização para a mesa permanente de negociação, diz UNEB

A paralisação de mais de dois meses garantiu centenas de promoções, orçamento para investimento e uma mesa permanente de negociação, diz UNEB.

A paralisação de mais de dois meses garantiu centenas de promoções, orçamento para investimento e uma mesa permanente de negociação, diz UNEB.

A categoria docente da Universidade Estadual da Bahia (UNEB) aprovou o término da greve no início da tarde desta quarta-feira (12/06/2019). Porém, a mobilização continuará a acontecer. O objetivo será acompanhar as negociações que ocorrerão na mesa permanente conquistada junto ao governo do estado. A decisão das/os professoras/es ocorreu durante a assembleia realizada no campus de Salvador. A paralisação que durou 65 dias, além da mesa permanente, garantiu promoções e orçamento para investimento nas universidades estaduais da Bahia.

A assembleia aprovou a assinatura do acordo, desde que o documento contenha os termos presentes na ata de reunião, realizada no último dia 10 na Secretaria Estadual da Educação, entre o Fórum das ADs e o governo. O texto apresenta três conquistas: as primeiras duas são de até 900 promoções docentes e a liberação imediata de R$ 36 milhões para investimento às estaduais baianas. Já o terceiro ponto é a mesa permanente de negociação, que deverá ocorrer até o final do governo Rui Costa. A expectativa do Movimento Docente é que sejam debatidos os demais itens da pauta não atendidos de imediato, a exemplo da implementação das Dedicações Exclusivas, das passagens docentes e das garantias ao Estatuto do Magistério Superior. Os diálogos deverão começar em até 72h após o término da greve e deverão ter a participação das secretarias da Educação, Administração, Fazenda e Relações Institucionais.

Salários cortados

Quanto à devolução dos salários cortados, segundo a ata da reunião, o Estado pagará o vencimento integral do mês de junho de 2019. Após a apresentação do plano de reposição das aulas, o mês de maio será pago junto com julho. Na sequência serão pagos os dias do mês de abril. Contudo, o pagamento parcelado dos salários atrasados é ponto de descontentamento na categoria, que ainda tentará negociar melhor maneira de receber os vencimentos.

Calendário

A assembleia decidiu também como indicativo de início das aulas a segunda-feira (17). Na sexta-feira (14) a categoria somará forças a inúmeros outros setores de todo o país no dia de Greve Geral contra a reforma da Previdência, proposta pelo governo Bolsonaro.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]