Por que muitos brasileiros já se arrependeram de ter votado em Jair Bolsonaro?; Ex-eleitor defende impeachment do analfabeto funcional e assunção de Hamilton Mourão à presidência

Presidente Jair Bolsonaro comando o desgoverno do país. Candidato pelo PSL, teve 57,7 milhões de votos (55,18%) contra 46,8 milhões de votos (44,87%) do adversário, Fernando Haddad no segundo turno das Eleições de 2018.

Presidente Jair Bolsonaro comando o desgoverno do país. Candidato pelo PSL, teve 57,7 milhões de votos (55,18%) contra 46,8 milhões de votos (44,87%) do adversário, Fernando Haddad no segundo turno das Eleições de 2018.

Nos 100 primeiros dias de governo, Jair Bolsonaro registrou a pior avaliação para um presidente do Brasil em início de primeiro mandato desde a eleição de Fernando Collor, em 1990. A pesquisa divulgada no último domingo (07/04/2019) pelo Datafolha demonstra o crescimento da insatisfação com o pesselista dentro de seu próprio eleitorado. Nas redes sociais, acumulam-se críticas de bolsonaristas arrependidos.

“De que adianta reforma da previdência sem primeiro fazer a reforma tributária? Sou fogo amigo e legislação tributária é comigo. Sou patriota e votei no Bolsonaro, porém não sou vaca de presépio e não preciso de governo, não me dê chance que sou crítico por natureza”, diz um eleitor do presidente no Twitter. “Infelizmente nosso presidente Bolsonaro está sendo uma das maiores decepções de toda a história do Brasil”, afirma outro ex-bolsonarista em vídeo no YouTube.

As reclamações, aliás, se reproduzem nas redes sociais, retrato da insatisfação dos brasileiros com o atual governo. Um desgosto que é especialmente importante no Sul do Brasil, onde Bolsonaro alcançou seu maior índice de votação, 68%. Atualmente, na região, apenas 39% veem seu governo como ótimo ou bom e 54% afirmam que o presidente fez menos do que o esperado.

É o caso da catarinense Maria Goreti, que votou em Bolsonaro no segundo turno. Ela contou que escolheu o pesselista por eliminação, para não votar no então candidato Fernando Haddad e evitar que o Partido dos Trabalhadores voltasse ao poder.

Decepção e medo

Três meses após o início do novo governo, a eleitora se define como “decepcionada” e afirma “ter muito medo” dos futuros passos do presidente. “O que me assusta no Bolsonaro não são as ações políticas dele no sentido de cumprir promessas, mas a personalidade e o caráter dele, que podem resultar em coisas muito ruins para o Brasil no decorrer desses próximos quatro anos. Eu o vejo como um homem autoritário, impulsivo, ansioso, que se apoia em convicções pessoais e não analisa a realidade brasileira antes de fazer declarações e publicações inconsequentes”, observa.

Maria Goreti cita como exemplo o escândalo do vídeo do golden shower, que o pesselista publicou no Twitter no Carnaval. Também reclama da proximidade do presidente com os militares, discorda do revisionismo sobre o golpe de 1964 e é crítica quanto à interferência dos filhos de Bolsonaro no governo. No entanto, considera que ainda é cedo para exigir resultados concretos do líder da extrema direita brasileira.

“Penso que Bolsonaro não tem o traquejo e o conhecimento necessários para governar. Eu tinha essa percepção desde a época da campanha eleitoral, mas pensei: ‘talvez ele não seja exatamente assim’. Ao mesmo tempo também acredito que, se ele se cercar de pessoas competentes – que parece que é o que ele está tentando fazer –, vai atender o interesse do povo, que ele próprio não enxerga muito bem”, avalia.

O que justifica a queda de popularidade?

Para o cientista político Maurício Santoro, professor do Departamento de Relações Internacionais da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), a queda brusca na popularidade do presidente está relacionada ao cenário das eleições em 2018. “Um percentual muito grande de pessoas que votaram no Bolsonaro o fizeram não por concordar com suas ideias e com suas propostas de governo, mas porque o encararam como uma rejeição à política tradicional e esse foi também um voto de protesto contra os governos de esquerda, contra o Partido dos Trabalhadores. Ou seja, foi um voto mais baseado em não querer outros candidatos do que propriamente na adesão a Bolsonaro”, analisa.

Já a cientista política Esther Solano, professora do Departamento de Relações Internacionais da Unifesp e organizadora do livro “O ódio como política” (Boitempo Editorial, 2018), acredita que a decepção tem relação com o perfil de Jair Bolsonaro, “um personagem populista, que chegou ao poder de forma demagógica, de forma messiânica e salvacionista”. “As pessoas ficam muito decepcionadas porque obviamente ele não conseguiu cumprir tudo o que prometeu”, observa.

A falta de gestão também é apontada por Esther Solano como outro motivo da insatisfação do eleitorado. “A paralisia administrativa tem sido muito grande e as brigas internas são muito expostas” que mostram “sua incapacidade de fazer política”, avalia.

Cem dias frustrantes de governo

Segundo a professora, a decepção dos bolsonaristas tem vários motivos. “Para uma parte da população mais elitista, como o empresariado ou a classe média alta, esse sentimento tem muito a ver com a incapacidade de fazer passar as reformas econômicas, principalmente a da previdência. Por outro lado, as classes mais populares, que continuam um pouco mais convencidas, o que pega muito mal é a mania de Bolsonaro passar todo o seu tempo na internet brigando e não colocar a mão na massa”, afirma.

O desencanto dos brasileiros com o governo acontece porque, segundo Santoro, Bolsonaro não soube trazer respostas rápidas aos principais problemas do país, como o desemprego, a violência e a corrupção. “Esses cem primeiros dias de governo foram muito frustrantes em vários desses aspectos. O presidente está muito mais empenhado em conflitos ideológicos, levando adiante uma série de guerras culturais pelas redes sociais, e isso tem desagradado muitos a seus eleitores.”

O professor da Uerj destaca que, atualmente, apenas um terço da população considera seu governo como bom ou ótimo. “Nesse período, o normal para um presidente eleito do Brasil seria ter mais de 50% de aprovação”, reitera.

Polarização prejudica governo

Na avaliação de Santoro, um dos grandes problemas de Bolsonaro é continuar se comportando como candidato, “com a lógica do deputado de baixo clero que ele foi durante quase trinta anos, para quem o discurso extremista era a maneira de chamar atenção, de conseguir um espaço na opinião pública que ele não teria de outro modo”.

De acordo com o cientista político, o presidente não percebeu que “as regras do jogo mudaram”, o que fragiliza sua própria base. “O discurso que Bolsonaro teve durante a campanha, muito agressivo contra seus adversários, foi útil para mobilizar apoio e para trazer para seu lado aquelas pessoas que estavam descontentes. Mas, uma vez na presidência, esses eleitores querem mudança, resultados e saber o que vai acontecer com suas vidas na prática, no cotidiano”, aponta.

Entretanto, para Esther Solano, a previsão é de que Bolsonaro continue insistindo no discurso de ódio que o elegeu, “mas, na falta de gestão, ele não se sustenta a longo prazo”. “Para conquistar o empresariado e as classes médias, as reformas econômicas são absolutamente fundamentais, bem como resolver a questão do desemprego. É preciso que ele passe uma ideia de competência, de estabilidade, além de parar as brigas internas e essa mania dos filhos de ficar tuitando o tempo todo”, avalia.

Insatisfação vira comédia nas redes sociais

A crescente decepção de parte do eleitorado bolsonarista virou chacota na internet. No Facebook, Twitter e Instagram, multiplicam-se grupos que brincam com a insatisfação dos internautas que usam as redes para desabafo.

O cientista político João Vitor é administrador da página “Bolsominions Arrependidos” no Facebook. Ele contou que a ideia de criar o grupo veio no final das eleições, em 2018, ao perceber o início do arrependimento de eleitores com Bolsonaro.

“No começo, quando eu criei essa página, eram poucas pessoas que demonstravam esse sentimento. O fato de isso ser engraçado e curioso fez com que atraíssemos uma certa atenção. O aumento do número de eleitores de Bolsonaro frustrados ou arrependidos apareceu a partir do momento que ele começou a governar”, observa.

João Vitor diz perceber que a insatisfação não se restringe às redes sociais, embora haja constrangimento dos eleitores em admiti-la. “Eu venho de um ambiente onde poucas pessoas votaram no Bolsonaro, o meio universitário. Tenho contato com familiares, amigos e conhecidos que votaram nele. Alguns deles estão frustrados, outros já se arrependeram, outros simplesmente pararam de falar sobre política e não demonstram muito interesse em discutir sobre o novo governo.”

Os cem primeiros dias do governo do pesselista são vistos sob fortes críticas por João Vitor. “Bolsonaro é um extremista, autoritário, não concordo com absolutamente nada que ele faz ou defende. O governo dele é muito mal organizado, com falta de articulação, trapalhadas e disputas internas fratricidas com os setores que o apoiam. Tudo isso fez com que ele perdesse grande parte do apoio popular”, conclui.

*Por Daniella Franco, da RFI.

Confira vídeo

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]