A urbanização brasileira durante a colonização do país é tema de episódio inédito de A Cidade no Brasil no SescTV

Cena do 3º episódio da série A Cidade no Brasil.

Cena do 3º episódio da série A Cidade no Brasil.

O Brasil Nasceu Urbano, terceiro episódio inédito da série documental A Cidade no Brasil, apresenta, no dia (17/04), quarta, às 21 horas, no SescTV, o nascimento das primeiras cidades no país e o seu crescimento desregrado, que deixou de lado o modelo original, europeu e renascentista, de ocupação. Com direção da cineasta Isa Grinspum Ferraz, o tema é tratado pelos arquitetos e urbanistas Paulo Ormindo, Marta Bogéa e Renato Cymbalista e pelo antropólogo, poeta e ensaísta Antonio Risério, autor do livro de mesmo nome da série,

publicado em 2012, que serviu de base para a elaboração dos 10 episódios que compõem a produção. (Assista também em sesctv.org.br/aovivo)

 A série A Cidade no Brasil traz reflexões de pensadores contemporâneos sobre aspectos e dimensões do fenômeno urbano no país e mostra um olhar atento sobre as cidades brasileiras, desde a sua criação até a atualidade. Além da participação de Risério, Bogéa, Cymbalista e Ormindo, a série traz entrevistas com a antropóloga Manuela Carneiro da Cunha, o cientista Carlos Nobre e os arquitetos e urbanistas Alexandre Delejaicov, Ermínia Maricato, Guilherme Wisnik e Hugo Segawa, os produtores culturais Bruno Ramos e Sérgio Vaz, o educador Eduardo Cardoso, a arqueóloga Cristina Barreto, entre outros.

Com trilha sonora assinada pelo DJ Dolores, a série é pontuada por imagens de arquivos garimpadas em cinematecas e centros culturais do Brasil, de Portugal e da França, e outras atuais filmadas nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Ouro Preto, Mariana, Recife, Salvador e Belém. Todos os seus episódios já estão disponíveis sob demanda, em alta definição, com legendas em português, inglês e espanhol, no site do SescTV, em sesctv.org.br.

No episódio O Brasil Nasceu Urbano, Antonio Risério fala sobre os dois modelos diferentes de cidades que havia na época em que Portugal e Espanha resolveram construir núcleos novos no Continente Americano: o real e o ideal. “Quando digo a cidade real, quero dizer a cidade tal como ela existia na Península Ibérica. Cidade de fisionomia e caráter islâmico medieval”, articula. O antropólogo esclarece ainda que o estilo ideal a que ele se refere é “a cidade geométrica tal como pensada e imaginada a partir dos escritos romanos de Marcos Vitrúvio Polião (arquiteto) e dos arquitetos urbanistas do renascimento italiano”.

Segundo o arquiteto e urbanista Paulo Ormindo, as cidades geométricas, com traçados regulares, existem desde a antiguidade. Ele conta que havia uma regulamentação no urbanismo português e a forma como ruas, travessas, praças e instituições eram estabelecidas, no início da colonização do Brasil, definiam diretrizes de expansão para a cidade. Informação esta que é completada por outro arquiteto e urbanista, Renato Cymbalista: “A gente vê pelos mapas e pela correspondência das câmaras que o Estado sabia exatamente onde as pessoas estavam morando”.

Antonio Risério menciona Salvador – BA, como exemplo de urbanização geométrica. “Foi inteiramente desenhada em Portugal, em prancheta lisboeta, por Miguel Arruda, arquiteto mor do reino. Mas, de acordo com o antropólogo, essa configuração não se sustentou. “Salvador cresceu de modo totalmente indisciplinado. E o mesmo aconteceu com a capital do Rio de Janeiro”, expõe.

A arquiteta e urbanista Marta Bogéa fala da maneira como as pessoas se estabelecem em territórios, criam suas formas de viver e, com isso, constroem a cultura daquela cidade. “Por mais que hoje estejam atravessadas por uma paisagem que se quer em comum, necessariamente guardaram, nem que seja uma espécie de dicção, um acento, uma peculiaridade que nos faz sempre poder reconhece-las e distingui-las uma das outras”, finaliza.

Uma plataforma gratuita sob demanda

Além do acesso à programação ao vivo do canal, o site do SescTV oferece uma seleção de programas e séries brasileiras que podem assistidas na íntegra, gratuitamente, sem necessidade de cadastro. Basta acessar sesctv.org.br. São shows, documentários, debates e entrevistas, que tratam de temas como arquitetura, literatura, filosofia, teatro, política, sociedade, ética e cotidiano. Dentre os programas estão as séries Arquiteturas e Habitar Habitat, ambas dirigidas por Paulo Markun e Sergio Roizenblit; Estilhaços e HiperReal, dirigidas por Kiko Goifman; Filosofia Pop, dirigida por Esmir Filho e apresentada por Marcia Tiburi; Super Libris, de José Roberto Torero, e Galáxias – Olhares sobre o Brasil, de Isa Grinspum Ferraz.

Sobre o SescTV

O SescTV é um canal de difusão cultural do Sesc em São Paulo, distribuído gratuitamente às operadoras de TV por assinatura, que tem como missão ampliar a ação do Sesc para todo o Brasil. Sua grade de programação é permeada por espetáculos, documentários, filmes e entrevistas. As atrações apresentam shows gravados ao vivo com grandes artistas da música e da dança. Documentários sobre artes visuais, teatro e sociedade abordam nomes, fatos e ideias da cultura brasileira. Ciclos temáticos de filmes e programas de entrevistas sobre literatura, cinema e outras artes também estão presentes na programação.

 Agenda

 Série: A Cidade no Brasil

3º episódio: O Brasil Nasceu Urbano

Quando: 17 de abril, às 21 horas

Classificação Indicativa: Livre

Assista ao vivo pelo site:  sesctv.org.br/aovivo

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]