Vereador critica saúde e educação ofertadas pelo Município de Feira de Santana e questiona o valor gasto na manutenção do Monumento aos Caminhoneiros

José Menezes (Zé Filé): domingo, um paciente do Viveiros foi ser atendido na policlínica do Feira X e não tinha paletas para o médico olhar a língua da criança.

José Menezes (Zé Filé): domingo, um paciente do Viveiros foi ser atendido na policlínica do Feira X e não tinha paletas para o médico olhar a língua da criança.

Em pronunciamento, na sessão ordinária desta quarta-feira (13/03/2019), na Câmara Municipal de Feira de Santana, o vereador (José Menezes Santa Rosa (Zé Filé, PROS) criticou estrutura, saúde e educação ofertadas pelo Município.

“Quero saber qual o motivo do semáforo colocado na entrada do Via Parque, estrada que vai para o Parque da Cidade? Ela foi instalada há cinco meses e até o momento a única coisa que faz é ficar piscando. Gostaria que o líder do Governo procurasse saber o que está acontecendo. Certamente, o Município está pagando à empresa que não está oferecendo o serviço’, questionou.

Segundo Zé Filé, a empresa que explora os semáforos da cidade não presta um bom serviço. “ Essas empresas que estão explorando os semáforos, não querem prestar um bom serviço. Não colocam sequer o sincronizador, para que melhore o trânsito. Eu acredito que isso aconteça por falta de experiência da empresa”, disse.

Educação

Zé Filé passou a criticar a educação ofertada pelo Município de Feira de Santana. “Já são 49 mil alunos fora da sala porque o prefeito não chama os professores para conversar e pagar o que é de direito da categoria. Parece que o prefeito não se incomoda com isso”, disparou.

Saúde

Ainda no uso da tribuna, o vereador oposicionista lembrou que a saúde ofertada pelo Município apresenta carências. “Domingo, um paciente do Viveiros foi ser atendido na policlínica do Feira X e não tinha paletas para o médico olhar a língua da criança. Não tem papel para forrar a maca. Há tempos o PSF III e IV do Tamandarí está faltando material básico para curativos. Será que Zé Filé está mentindo quando fala que as obras iniciadas no Governo passado estão 80% paradas? ”, questionou.

E continuou. “Se qualquer pessoa chegar em São José, Nova Esperança, Jardim Cruzeiro vão encontrar obras paradas. Há um campo de futebol no Feira X que está parado. Tudo isso é dinheiro jogado fora. O Monumento do Caminhoneiro, que disseram que a obra custaria R$ 48 mil, lixaram o ferro e pintaram, fizeram um serviço que não custa R$ 2 mil. Alguém está trabalhando errado no Município. A feirinha do Feira X tem mais de um ano que foram iniciadas as obras. Colocaram pias, tiraram fotos e depois retiraram as pias. Aí mostram as fotos para fizer que as obras foram concluídas e na verdade não foram”, relatou.

E finalizou dizendo que não se calar diante dos erros cometidos pelo Governo.  “Nós temos compromissos com as pessoas que nos colocaram aqui. Peço aos colegas que clamem ao prefeito para não jogar nosso dinheiro fora. O próximo prefeito de Feira terá um problema sério, pois a receita será só para pagar o que deve, o rombo será grande. Mas, em 2021, com fé em Deus nosso prefeito será Fernando Torres”, findou.

José Menezes critica obra no Monumento aos Caminhoneiros

José Menezes questionou o valor gasto pela Prefeitura na manutenção do Monumento aos Caminhoneiros. “Gastaram R$ 48 mil numa pintura fajuta. Cercaram tudo para absolutamente nada. O monumento está igual ao que era antes. Quero saber o que foi feito com a quantia destinada para a manutenção. Eu faria o mesmo e não gastaria mais de R$ 2 mil”, criticou.

O vereador Lulinha (DEM) solicitou que constasse a fala do colega em ata. Já Marcos Lima (PRP) voltou a esclarecer que a obra ainda não foi concluída. “Como já disse anteriormente, não se trata só da pintura, vamos trocar os bancos e piso, consertar a parte elétrica entre outros reparos”, ratificou Lima.

De volta com a fala, o vereador do PROS voltou a tecer críticas às obras inacabadas nos bairros de Feira de Santana. “Quero saber o que foi feito das obras deixadas pela metade na gestão de José Ronaldo. Quero saber o que foi feito do empréstimo de R$ 21 milhões tomados para investir em educação. Porque os professores estão em greve e os alunos sem aula. A culpa não é dos professores, a culpa é do governo ineficiente”, findou.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]