MP expede recomendação para para que Grupo Penha não invada Terreiro Icimimó em Cachoeira

Terreiro Icimimó, é um templo religioso, que tem 102 anos em atividade, é registrado como Patrimônio Cultural da Bahia e está em processo de tombamento pelo IPHAN.

Terreiro Icimimó, é um templo religioso, que tem 102 anos em atividade, é registrado como Patrimônio Cultural da Bahia e está em processo de tombamento pelo IPHAN.

O Ministério Público estadual acaba expediu nesta sexta-feira (01/03/2019) recomendação para que o Grupo Penha não adentre imóvel utilizado pelo Terreiro Ilê Axé Icimimó Aganjú Didè, no município de Cachoeira, e para que a Polícia Militar, em caso de nova tentativa de invasão, compareça imediatamente ao local e promova as medidas cabíveis indicadas na recomendação. O documento é assinado pelo promotor de Justiça de Cachoeira, Savio Damasceno, e pela promotora de Justiça Lívia Vaz, coordenadora do Grupo de Atuação Especial de Proteção dos Direitos Humanos e de Combate à Discriminação (Gedhdis).

O Terreiro Ilê Axé Icimimó Aganjú Didè, reconhecido como Patrimônio Cultural Imaterial do Estado da Bahia, teria sofrido uma tentativa de invasão na última quarta-feira (27) pelo Grupo Penha, empresa do ramo de derivados de celulose, com utilização de homens armados e mediante ameaça e intimidação. Isso “às vésperas do Carnaval, ocasião em que a maioria do efetivo da Polícia Militar está alocada na capital, com risco iminente de destruição de espaços sagrados e danos irreparáveis”, pontuam os promotores.

Eles recomendaram que o Grupo Penha, que possui uma contenda antiga com o Terreiro, se abstenha de adentrar o imóvel, especialmente munidos de ferramentas, maquinário, veículos, ou qualquer outro instrumento que venha a alterar, extrair, queimar, mutilar, modificar qualquer bem, local, recurso natural ou cultural, da fauna, flora ou hídrico, afeto ao Terreiro Ilê Axé Icimimó Aganjú Didè, até o fim do processo de tombamento do terreiro e sua demarcação territorial.

Eles consideraram, para expedição da recomendação, que o Terreiro Ilê Axé Icimimó Aganjú Didè possui prova da propriedade do imóvel que ocupa, e que é frequente a grilagem de terras na região do município de Cachoeira, sendo que de forma recorrente empresas privadas utilizam-se deste artifício para invadir áreas de matriz africana pertencentes aos terreiros de candomblé.

Outro caso semelhante recente aconteceu com a Roça do Ventura. “Os invasores, não raro, utilizam-se de ameaça e intimidação, inclusive com armas de fogo”, explicam os promotores.

Membros da comunidade do Terreiro Icimimó, templo religioso situado em Cachoeira.

Membros da comunidade do Terreiro Icimimó, templo religioso situado em Cachoeira.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]