A omissão da Igreja Católica em relação aos problemas sociais do brasileiro | Por: Alberto Peixoto

Missa em Ação de Graças pelo Santo Padre, Papa Francisco, realizada na Catedral Metropolitana de Brasília, em 28 de junho de 2015.

Missa em Ação de Graças pelo Santo Padre, Papa Francisco, realizada na Catedral Metropolitana de Brasília, em 28 de junho de 2015.

No atual (des) governo os protestantes, também conhecidos como evangélicos, já definiram seu posicionamento. Apoiam as crueldades, o laranjal e as trapalhadas do governo Fake News do Bolsonaro, aprovando todas as aberrações contra os trabalhadores como a retirada dos direitos trabalhistas – historicamente adquiridos pelos servidores públicos e/ou privados – com a tirânica Reforma da Previdência.

Por outro lado, a Igreja Católica não tomou nenhum posicionamento referente a estes fatos lancinantes. Limita-se a continuar celebrando missas em suas igrejas – nada contra as missas, sou católico. Não seria a hora da Igreja Católica sair dos templos e tomar um posicionamento, como fez seu Líder maior, Jesus Cristo, se posicionando na “luta” em defesa dos mais humildes?

Jesus Cristo, o maior socialista conhecido neste planeta, em todos os tempos, não se limitou a ficar dentro de sinagogas, nem templos, fazendo orações ao Pai pedindo que as coisas melhorassem. Como já disse o Papa Francisco: “oração sem ação, não enche barriga de ninguém”.

Já passou a hora da Igreja Católica sair dos templos e lutar pelas necessidades dos “sempre” oprimidos pelos senhores da Casa Grande; pela “Famiglia Bolsonaro”. Não temos um Presidente e sim um psicopata, chefe de milícia e três patetas filhos, toscos, ínfimos, seguidos por um bando de vagabundos ficha suja, administradores de um laranjal à moda da casa.

Os padres atuais andam de carros novos, com combustíveis custeados pela Igreja com a finalidade de catequisar. Mas, na situação em que se encontra a classe operária brasileira, isto é muito pouco. E os direitos humanos ilegalmente subtraídos pela “Famiglia Bolsonaro”? Não merece um posicionamento contrário a esta atitude excruciante?

O Grande Irmão Jesus andou a pé, por toda Galileia, principalmente pela região do Lago de Tiberíades – cidade construída por Herodes em homenagem a Tibério, Imperador Romano – também conhecido por mar da Galileia – onde Jesus andou sobre as águas – atendendo, curando e aconselhando a todo tipo de gente, sem exceção, e lutando contra as injustiças sociais daquela época.

Hoje, vemos uma Igreja Católica omissa. A cada dia perde terreno (fiéis) para os Protestantes que já dominam grande parte da sociedade religiosa. Os Protestantes fazem sua parte, correm atrás dos seus objetivos. E quais são os objetivos da Igreja Católica além de catequisar? Politicamente falando, nenhum.

Na cidade de Feira de Santana, maior município do interior baiano e uma das 30 maiores do País – cidade onde Damaris alega ter sido estuprada e que subiu na goiabeira com Jesus -, a Igreja Católica possui uma emissora de rádio – Radio Sociedade de Feira de Santana – que não possui um programa sequer, empenhando-se na luta contra os desmandos sociais impostos pela atual gestão federal.

Por que não criar um programa em horários que sejam adequados para a emissora, buscando soluções para esta ferida causada por esta turma Bolsonariana? Poderia ser nos horários das 6:30 da manhã e às 18:30 da noite ou, como já mencionei, em horário que mais lhe convier.

No momento só nos resta lembrar a canção do eterno profeta Raul Seixas: “Oh! Oh! Seu moço! Do Disco Voador Me leve com você. Pra onde você for. Oh! Oh! Seu moço! Mas não me deixe aqui. Enquanto eu sei que tem. Tanta estrela para ir…”

*Alberto Peixoto, escritor.

Papa Francisco celebra missa da Jornada da Juventude no Rio de Janeiro, em 25 de julho de 2013.

Papa Francisco celebra missa da Jornada da Juventude no Rio de Janeiro, em 25 de julho de 2013.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Alberto Peixoto
Antonio Alberto de Oliveira Peixoto, nasceu em Feira de Santana, em 3 de setembro de 1950, é Bacharel em Administração de Empresas pela UNIFACS, e funcionário público lotado na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia, atua como articulista do Jornal Grande Bahia, escrevendo semanalmente, é escritor e tem entre as obras publicadas os livros de contos: 'Estórias que Deus Duvida', 'O Enterro da Sogra, 'Único Espermatozoide', 'Dasdores a Difícil Vida Fácil', participou da coletânea 'Bahia de Todos em Contos', Vol. III, através da editora Òmnira. Também atua incentivador da cultura nordestina, sendo conselheiro da Fundação Òmnira de Assistência Cultural e Comunitária, realizando atividades em favor de comunidades carentes de Salvador, Feira de Santana e Santo Antonio de Jesus. É Membro da Academia de Letras do Recôncavo (ALER), ocupando a cadeira de número 26. E-mail para contato: [email protected] Saiba mais sobre o autor visitando o endereço eletrônico http://www.albertopeixoto.com.br.