Brasil tem posição favorável no mercado mundial de grãos, dizem especialistas

Brasil é destacado produtor mundial de soja.

Brasil é destacado produtor mundial de soja.

A decisão da China de voltar a comprar 5 milhões de toneladas de soja dos Estados Unidos, anunciada na semana passada após mais uma rodada de negociação entre Pequim e Washington, não deve diminuir as oportunidades para o Brasil de aproveitar o apetite do mercado chinês a longo prazo. Isso porque as exportações americanas para o gigante asiático não devem ser retomadas nos mesmos níveis dos últimos anos, segundo especialistas em agronegócios que participaram do Paris Grain Day, encontro do setor ocorrido na capital francesa entre 31 de janeiro de 2019 e 01 de fevereiro de 2019.

O presidente da Agritel (associação organizadora do evento), Michel Portier, acredita que a China não esquecerá facilmente as tarifas impostas pelos Estados Unidos à importação de bens chineses, em abril de 2018.

“Os chineses criaram o hábito de se abastecer no Brasil e acredito que eles vão se lembrar do que os Estados Unidos fizeram em termos de comércio internacional com a China e não esquecerão que o Brasil tem ainda um grande potencial de produção, à medida que a área para agricultura no Brasil não representa mais do que 7% da superfície total do pais e há ainda um grande potencial de produção”, diz. “A longo prazo, o Brasil será um parceiro confiável junto à China”, aposta Portier.

Consequências para o Brasil da guerra comercial China x EUA

Como consequência direta da batalha comercial entre os dois gigantes da economia mundial, os chineses, maiores consumidores mundiais de soja, passaram a comprar mais do mercado brasileiro. Desde julho do ano passado, 87% de toda a soja embarcada pelo Brasil foi para a China.

Como Pequim revidou às práticas tarifárias de Donald Trump, impondo aos americanos uma taxa de 25% sobre as sementes oleaginosas dos Estados Unidos, em julho passado, as exportações brasileiras do grão aumentaram 30%, chegando a 70 milhões de toneladas em 2018. No mesmo período, apenas 16 milhões de toneladas de soja dos EUA chegaram aos portos chineses, duas vezes menos do que em 2017.

O fato é que atualmente há uma sobra muito elevada de soja no mundo, algo em torno de 110 milhões de toneladas. Desse total, 25 milhões estão nos Estados Unidos, onde o excesso de grãos não passava, em média, de 10 milhões de toneladas.

Esses números revelam outra variável importante da questão agrícola. Com mais soja disponível no mercado mundial, os preços caem.

“A nossa referência é a bolsa de Chicago nos Estados Unidos e lá, devido a essa situação, tem muito grão estocado e a bolsa não reage”, explica Bartolomeu Braz Pereira, presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Soja.

“Essa guerra comercial não é interessante. As vezes no imediatismo se acha que o Brasil vai exportar muito, mas o Brasil não tem grãos para suprir a demanda mundial toda e a Argentina muito menos. Então isso precisa voltar ao normal para trabalharmos da forma que vínhamos fazendo, com a oferta e a demanda, com esse grão sem tarifação e retenções que tiram direto a competitividade do produtor”, afirma Pereira.

Já o consultor internacional de commodities, Pedro H. Dejneka, lembra que foi justamente o aumento da demanda que permitiu o crescimento da produção e das exportações brasileiras. E que olhar apenas para o preço seria uma visão limitada do problema.

“Na minha opinião, essa é uma visão míope se a gente olhar só desse lado”, diz o analista. Para ele, o Brasil tem muito mais a ganhar do que perder com as rusgas entre americanos e chineses.

“É real que a guerra comercial está realmente colocando uma tampa nos preços em Chicago. Porém, quando olhamos só para isso esquecemos que o Brasil saiu, há dois anos, de uma exportação de 60 milhões de toneladas para 86,5 milhões no ano passado, os prêmios no Brasil foram parar nas alturas, a moeda no Brasil ainda favoreceu uma comercialização muito boa, então olhar apenas que Chicago está caindo e dizer que a guerra comercial não é boa para o país é uma análise, na minha opinião, incompleta”.

Efeitos do clima

Apesar de boas perspectivas de mercado para escoar a produção, os agricultores brasileiros ainda estão preocupados com a quebra da safra 2019 por conta da seca.

“A expectativa de rendimento por hectare tem caído entre 10 e 30%, os produtores estão sentindo o reflexo do clima, pois houve dois períodos de estiagem em dezembro e janeiro, com temperaturas bem acima do normal. Isso afetou diretamente a qualidade do grão, tivemos um grão mais esverdeado e isso tudo está afetando o produto final”, explica o presidente da Agrosoja.

“Vamos ter uma perda em torno de mais de 16 milhões de toneladas, isso representa quase R$ 20 bilhões que o produtor rural está perdendo para o clima nesse momento de colheita”, completa.

Outras commodities

Além da soja, o Brasil está numa posição favorável mundialmente em relação à outras culturas, como explica Pedro H. Dejneka. É o caso do milho, até bem pouco tempo atrás considerado um grão apenas para consumo interno.

“O país vem crescendo muito a sua influência no mercado de milho, tornando-se o segundo maior exportador, atrás dos Estados Unidos e seguido pela Argentina. Há dez anos o Brasil não exportava milho, era uma commodity de mercado doméstico”, diz Dejneka.

O Brasil também vem crescendo a sua fatia no mercado global do algodão. “A produção e tecnologia empregadas na lavoura de algodão no Brasil são fantásticas e o país vai continuar crescendo a sua importância nesse segmento e o atrito entre China e Estados Unidos pode favorecer muito o Brasil”, diz.

“Produção e exportação devem aumentar esse ano, mas não é um cenário sem desafios. Se a economia global desacelera, o algodão é muito mais sensível às mudanças da economia global do que a soja e o milho”, explica.

*Por Maria Paula Carvalho da RFI.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]