Governo Bolsonaro: Ministro Paulo Guedes diz que associações corromperam a economia brasileira e paralisaram o mercado de crédito

Os presidentes do Banco do Brasil, Rubem Novaes, da Caixa, Pedro Guimarães, e o ministro da Economia Paulo Guedes, durante cerimônia de posse aos presidentes dos bancos públicos.

Os presidentes do Banco do Brasil, Rubem Novaes, da Caixa, Pedro Guimarães, e o ministro da Economia Paulo Guedes, durante cerimônia de posse aos presidentes dos bancos públicos.

Ao empossar nesta segunda-feira (07/01/2019), no Palácio do Planalto, os novos presidentes do Banco Brasil, Rubem Novaes, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Joaquim Levy, e da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a tarefa dos novos dirigentes será “fazer a coisa funcionar direito” e eliminar associações “perversas” como ocorreram nos últimos anos.

Segundo ele, essas associações corromperam a economia brasileira e paralisaram o mercado de crédito.

“A Caixa foi vítima de saques e assaltos de recursos públicos”, afirmou o ministro. “Falamos do que já aconteceu com o Banco do Brasil que recebeu aumento de capital e mantém mercado de crédito segmentado”, acrescentou.

Durante a cerimônia, no Palácio do Planalto, Guedes afirmou que a posse dos novos presidentes dos bancos estatais marca um novo olhar sobre as atividades destas instituições. “As instituições financeiras são como lubrificantes para o crescimento econômico que depende de crédito”, alertou.

Crescimento econômico depende de crédito

Paulo Guedes reforçou a mensagem do presidente Jair Bolsonaro no início da manhã de hoje (07), quando, por sua conta pessoal no Twitter, o presidente comemorou a abertura do que classifica como “caixa-preta” das instituições, como o BNDES. Segundo Guedes,  operações danosas feitas no passado por meio desses bancos trouxeram fortes prejuízos para a população.

“Você não pode usar a desculpa que há transações para concentrar o poder. Você desvirtua o funcionamento dessas instituições”, afirmou, ao criticar o uso de regras de crédito para o que chamou de “falcatruas para ajudar amigos que chegam mais perto do poder econômico em Brasília”.

*Com informações da Agência Brasil.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]