Após China se voltar ao Brasil, presidente Donald Trump tenta manter apoio dos agricultores dos EUA

O presidente dos EUA, Donald Trump, defendeu duras políticas comerciais diante de milhares de agricultores que sofreram por causa de sua guerra comercial com a China.

O presidente dos EUA, Donald Trump, defendeu duras políticas comerciais diante de milhares de agricultores que sofreram por causa de sua guerra comercial com a China.

O presidente dos EUA, Donald Trump, defendeu na segunda-feira (15/01/2019) duras políticas comerciais diante de milhares de agricultores que sofreram por causa de sua guerra comercial com a China, desapontando alguns que esperavam ouvir um plano para uma resolução rápida

Trump dedicou muito do seu discurso para explicar por que ele acredita que os EUA precisam de um muro em sua fronteira sul, em sua segunda visita consecutiva à convenção anual da American Farm Bureau Federation. Ele também disse que suas políticas comerciais trariam benefícios a longo prazo para o coração dos EUA.

Os agricultores dos EUA, que somam 3,2 milhões de pessoas, têm sido defensores confiáveis do Trump, apesar de terem sofrido dificuldades financeiras desde que Pequim impôs uma tarifa sobre as importações de soja norte-americana em julho, em retaliação às tarifas da Trump sobre produtos chineses. A China também implementou impostos sobre outros produtos agrícolas dos EUA, incluindo suínos e sorgo.

“Eu gostaria de saber que havia uma correção que seria feita imediatamente e que ele poderia ter nos contado sobre isso hoje”, declarou Robert Klemm, produtor de grãos de Illinois, na convenção de Nova Orleans.A China comprou cerca de US$ 12 bilhões em soja dos EUA em 2017, mas principalmente transferiu as compras para o Brasil no ano passado por causa da disputa comercial.

“Com a China, todos os anos, por muitos anos, estamos perdendo US$ 375 bilhões. Estamos trabalhando nisso muito forte. Você vê o que está acontecendo. Está indo muito bem”, comentou Trump na convenção, sem fornecer detalhes específicos sobre as negociações.

“Estamos transformando tudo isso com acordos de comércio justos que colocam os fazendeiros americanos, pecuaristas e, de fato, os EUA, em primeiro lugar”, acrescentou.

Paralisação

Trump abordou também a paralisação parcial do governo que chegou ao seu 24º dia. A paralisação levou ao fechamento dos escritórios do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) e atrasou os pedidos dos agricultores para empréstimos federais e um pacote de ajuda para aliviar a dor causada pela guerra comercial.

Trump não abordou os atrasos nos pagamentos de ajuda, mas elogiou como os agricultores permaneceram leais a ele.

A presidente da Câmara dos EUA, a democrata Nancy Pelosi, disse em um comunicado que Trump deveria “restaurar a certeza” para as vidas dos fazendeiros, assinando uma lei para reabrir totalmente o USDA.

Agricultores e outros envolvidos com a agricultura “não estão se saindo melhor do que nunca — apesar da alegação do presidente. Eles estão sofrendo com a queda nos preços, uma economia agrícola difícil e os prejuízos causados pela brutalidade do governo, mas o presidente Trump se recusa a abrir o Departamento da Agricultura”, pontuou Pelosi.

Mantenha sua promessa

Os Estados Unidos precisam fechar acordos com os parceiros comerciais em breve para ajudar os agricultores, disse Brian Duncan, produtor de Illinois e vice-presidente do Illinois Farm Bureau.

Um acordo comercial de 11 países, uma versão renovada da Parceria Transpacífica (TPP), entrou em vigor em dezembro sem os Estados Unidos, depois que Trump abandonou as negociações em 2017.

“Quando o presidente diz que a agricultura está melhorando, não acho que seja o mundo real na agricultura hoje”, ponderou Duncan na convenção. “Mas espero que seja o nosso futuro”.Trump autorizou cerca de US$ 11 bilhões em pagamentos de ajuda aos agricultores prejudicados pelas lutas no comércio no ano passado, faturando-o como uma promessa mantida a um eleitorado chave.

Na semana passada, o governo estendeu o prazo para pedidos de ajuda por causa do processamento de atrasos causados pela paralisação da demanda de Trump de que o Congresso financie um muro na fronteira com o México.

O USDA gostaria de reabrir escritórios onde os agricultores devem enviar pedidos de ajuda, e está trabalhando com o Escritório de Administração e Orçamento, disse o secretário Sonny Perdue na Fox Business Network nesta segunda-feira.

Trump cancelou uma visita planejada ao Fórum Econômico Mundial (FEM) em Davos, Suíça, na próxima semana, por causa da paralisação do governo, mas cumpriu uma promessa feita no ano passado para retornar à convenção agrícola.

“Está claro que ele apoia os fazendeiros que o ajudaram a chegar onde ele está hoje”, afirmou Westin Cobb, que cria gado com sua família na Louisiana e lidera a organização agropecuária do estado. “Ele manteve sua promessa para nós estarmos aqui e isso significa algo para os agricultores”.

*Com informações da Agência Sputnik Brasil.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]