300 dias da prisão de Lula e uma certeza: ele é um preso político

Lula completa 300 dias de prisão em um processo que já entrou para a história pela falta de provas e pela obsessão de Sérgio Moro.

Lula completa 300 dias de prisão em um processo que já entrou para a história pela falta de provas e pela obsessão de Sérgio Moro.

Nesta quinta-feira (31/01/2019), Lula completa 300 dias de prisão em um processo que já entrou para a história pela falta de provas e pela obsessão de Sérgio Moro — que é importante lembrar, virou ministro no governo de Bolsonaro.

Às vésperas desta triste efeméride, a hashtag #Lulapresopolítico está entre os assuntos mais comentados nas redes sociais do Brasil enquanto o ex-presidente vive o capítulo mais doloroso desta história até o momento: a impossibilidade do adeus ao seu irmão Vavá, que faleceu em decorrência de um câncer nesta terça-feira (29).

A prisão de Lula é política e elencamos abaixo nove motivos para esta constatação e continuamos com a pergunta que não se cala: Cadê a prova?

Órgãos internacionais

A OEA (Organização dos Estados Americanos) declarou, em agosto de 2018, que vê Lula como um perseguido político. O Comitê de Direitos Humanos da ONU (Organização das Nações Unidas) atestou na mesma época que o ex-presidente precisava manter seus direitos políticos, como o acesso a membros do Partido dos Trabalhadores e à imprensa e também a chance de concorrer às eleições. Não é preciso dizer que tudo isso foi negado.

Campanha

A impugnação da candidatura de Lula é uma das provas mais evidentes do plano de Sérgio Moro — que foi alçado ao posto de ministro da Justiça no governo Bolsonaro — em deixar Lula fora da concorrência. O ex-presidente estava em primeiro lugar nas pesquisas de intenção de votos e sua volta ao cargo mais importante do Executivo estava prestes a acontecer. O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) se acovardou e a impugnação assumiu caráter político.

Proibição das visitas, incluindo de Haddad

Dentre as arbitrariedades e decisões absurdas da Justiça foi a proibição de visitas ao ex-presidente, incluindo a de Fernando Haddad, amigo e advogado do ex-presidente.

Aparições na campanha

A coisa piorou ainda mais com a proibição de gravações com Lula para a campanha. O ex-presidente não podia mais falar com o candidato, não podia gravar um vídeo novo sobre a situação e não podia falar ao povo brasileiro.

Imprensa

Outro fator determinante para o isolamento de Lula é a proibição de entrevistas e contato com jornalistas. Em determinada ocasião, Fernando Morais e Mino Carta, amigos pessoais do ex-presidente, foram proibidos de visitá-lo, porque eram comunicadores.

Para Sérgio Moro e sua turma, é importante que Lula se cale e se afaste.

Amigos

Outras pessoas também ficaram proibidas de ter contato com o ex-presidente. Um caso marcante foi o do teólogo, escritor e professor Leonardo Boff, que junto com o Nobel da Paz Adolfo Pérez Esquivel (que encabeça a campanha de indicação de Lula ao prêmio) foi proibido de visitar o amigo. A cena de Boff, na época com 79 anos, rodou o mundo e registrou o descaso com sua trajetória.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]