Museu das Cadeiras Brasileiras é inaugurado em Belmonte

Fachada do Museu das Cadeiras Brasileiras localizada no município de Belmonte.

Fachada do Museu das Cadeiras Brasileiras localizada no município de Belmonte.

A cidade de Belmonte, localizada no litoral sul da Bahia, e conhecida como a terra do cacau, acaba de ganhar o primeiro museu totalmente dedicado à cadeira. O Museu das Cadeiras Brasileiras é um projeto do designer Zanine de Zanine, filho de Zanini Caldas, artista belmontense e um dos principais representantes do modernismo brasileiro no design de móveis, do empresário do ramo da construção civil, Daniel Katz, e da Secretaria de Cultura e Turismo de Belmonte.

O espaço traz a história desse móvel e seu papel social, além de ser inspiração para profissionais do design. “A cadeira tem um papel icônico na profissão do designer, especialmente por transitar com muita fluidez entre a usabilidade e a possibilidade de ser um ícone peculiar, transformando o ambiente em que está inserida”, comenta Zanini de Zanini.

O endereço para sediar o museu foi cedido pelo empresário mineiro Daniel Katz. No local, uma casa branca com arquitetura histórica, localizada no centro da cidade, funcionava o escritório comercial da Katz Construções, empresa do setor de construção civil de alto padrão, que possui empreendimentos em Belmonte e Santo André.

“O Zanini e eu começamos a idealizar um projeto que uniria a cultura de Belmonte à importância do design brasileiro. O Museu das Cadeiras é único e reúne um acervo de referência no ramo. Além de ser uma oportunidade para mostrar o quanto essa cidade é cheia de boas surpresas. A cada nova visita, uma descoberta de sua importância para a região”, conta Daniel.

O responsável pela organização do acervo de cadeiras, que estão expostas no Museu, é Christian Larsen, curador do The Metropolitan Museum of Art de Nova York. “Esse é outro ponto que reforça a importância e o reconhecimento do projeto para a valorização da cultura nacional e sua visibilidade, a nível internacional, especialmente para a rica herança cultural que Belmonte carrega”, explica Zanini.

No acervo, estão peças de artistas renomados, como: Irmãos Campana, Aida Boal, Joaquim Tenreiro, Carol Gay, Claudia Moreira Salles, Domingos Totora, Estevão Toledo, Etel Carmona, Fernando Mendes e Flávio Franco. Todos eles cederam móveis conceituais para o museu.

Sobre a cidade

Com pouco mais de 20 mil habitantes, Belmonte fica na Costa do Descobrimento, onde se instalaram diversas fazendas de cultivo do cacau, durante o século 19, tornando a cidade uma das mais prósperas da região, na época. O nome do município é uma homenagem à terra onde nasceu o português e descobridor do Brasil Pedro Álvares Cabral.

Uma das propostas da cidade é permitir uma volta simbólica pelo passado, por meio dos costumes e do acesso à arquitetura, à literatura, além das belezas naturais e da gastronomia típica. Visitas às antigas fazendas de cacau também entram para a lista de atrativos de Belmonte.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]