Juíza decreta prisão preventiva do médico e empresário Haroldo Dourado e de outros oito investigados na Operação Pityocampa; Caso envolve COOFSAÚDE e Município de Feira de Santana

Páginas 1, 2 e 4 da Decisão Interlocutória decretando a prisão preventiva de Haroldo Dourado e de outros oito investigados na Operação Pityocampa.

Páginas 1, 2 e 4 da Decisão Interlocutória decretando a prisão preventiva de Haroldo Dourado e de outros oito investigados na Operação Pityocampa.

Com exclusividade, o Jornal Grande Bahia (JGB) teve acesso a cópia de documento judicial em que consta a decretação da ‘Prisão Preventiva’ de 9 dos 10 presos na Operação Pityocampa. A ‘Decisão Interlocutória’ foi proferida nesta quinta-feira (27/12/2018) por Lúcia Bonifácio Andrade Carvalho, juíza da Vara Recesso Criminal da Comarca de Salvador. Consta no documento judicial a decretação da ‘Prisão Preventiva’ de Haroldo Mardem Dourado Casaes, Salomão Abud do Valle, Helton Marzo Dourado Casaes, Robson Xavier de Oliveira, Rogério Luciano Dantas Pina, Diego Januário Figueiredo da Silva, Aberaldo Rodrigues Figueiredo, Januário do Amor Divino (Zeca) e Cleber de Oliveira Reis.

No momento da decretação da ‘Preventiva’, os investigados se encontravam custodiados no Presídio Regional de Feira de Santana, em decorrência do cumprimento de prisão temporária decretada na terça-feira (18) no transcurso da Operação Pityocampa.

Os mandados judicias, da primeira fase da Operação, foram cumpridos nos municípios de Feira de Santana, Aracaju, São Paulo e Fortaleza.

Os presos são investigados pela Receita Federal (RF), Controladoria-Geral da República (CGU) e Ministério Público da Bahia (MPBA) em decorrência de possíveis fraudes em processos licitatórios do setor da saúde de Feira de Santana, do Governo do Estado e de outros municípios da Bahia.

O MP acusa os investigados de formam uma organização criminosa com o intuito de lesar o erário.

Dos 10 presos na fase inicial da investigação, apenas o servidor do Município de Feira de Santana Antonio Rosa de Assis deve ser liberado. O nome dele não consta na Decisão Interlocutória em que foram decretadas as prisões preventivas. Antonio Assis atua no setor de licitação da Secretaria da Saúde de Feira de Santana.

Fundamento jurídico das prisões

Ao fundamentar a decretação das nove prisões preventivas, a juíza arguiu que:

— Os documentos colacionados ao presente pedido demonstram a minuciosa investigação de complexa atividade criminosa de um grupo de pessoas, ora representados, que recebia recursos públicos destinados à saúde do Município de Feira de Santana de forma fraudulenta, através de diversas condutas criminosas, como fraude à licitação, falsidade ideológica, uso de “empresas de fachada” para lavagem de capitais, além de superfaturamento de serviços e execução contratual fraudulenta.

— A atuação da organização criminosa estava estruturada através da Cooperativa de Trabalho Ltda. (COOFSAÚDE), que participava de licitações voltadas à terceirização de mão de obra no âmbito da Secretaria de Municipal de Saúde de Feira de Santana, com superfaturamento de contratos, fraudes à licitação, ilegalidade na intermediação da mão de obra na área da saúde e superfaturamento dos serviços públicos prestados, foram investigados pelo Ministério Público.

— Os indícios suficientes de autoria e materialidade estão demonstrados através das detalhadas análises das movimentações financeiras feitas pelas pessoas físicas e jurídicas juntadas ao presente pedido, pela Nota Técnica da Controladoria Geral da União-Regional/BA de fls. 217/300, e dos relatórios formulados pelo Ministério Público após investigação sobre as empresas e seus responsáveis, em tese, envolvidos nos delitos investigados. Verificado, assim, o fumus commissi delicti.

— A minuciosa investigação realizada prosperou em trazer elementos concretos que demonstram a gravidade do delito investigado. A organização criminosa perpetrava crimes licitatórios, fraudes à execução de contratos, falsidades em processos de pagamento, peculato e lavagem de dinheiro. O uso equivocado e ilegal de verba pública, perpetrados através de uma gama de ilícitos não traz apenas prejuízo financeiro ao erário público, traz prejuízo imensurável à população.

— A necessidade de se garantir a ordem pública, um dos fundamentos da custódia cautelar ou ao periculum libertatis, está presente em virtude da gravidade em concreto do delito.

— A necessidade de se desarticular esta complexa organização formada para cometer delitos fundamenta, também, a imperiosa decretação da medida extrema, visto que os delitos narrados se perpetuaram durante anos, demonstrando sua periculosidade e possibilidade de reiteração delitiva.

COOFSAÚDE, a investigada

Haroldo Dourado atuou em diversos processos como representante legal da Cooperativa de Trabalho Ltda. (COOFSAÚDE). Atualmente, a entidade é presidida por Fairuzzi Abud do Valle. Segundo a Receita Federal (RF), Controladoria-Geral da República (CGU) e Ministério Público da Bahia (MPBA), a COOFSAÚDE operava como empresa convencional, produzindo lucro, mas se beneficiava da condição de cooperativa, com a finalidade de burlar a legislação e com isto conseguir melhor condição competitiva durante processos licitatórios envolvendo municípios da Bahia e o Governo do Estado.

Durante o período de 2007 a 2018, as operações da COOFSAÚDE somaram cerca de R$ 1 bilhão. Apenas na relação instituída com o Município de Feira de Santana os desvios, observados em 2016 e 2017, foram estimados em R$ 24 milhões pelos órgãos de controle do Estado.

Segredo

As investigações, os documentos processuais e as decisões judiciais tramitam em segredo de justiça.

Baixe

Decisão Interlocutória decretando a prisão preventiva de Haroldo Dourado e de outros oito investigados na Operação Pityocampa

Leia +

Operação ‘Pityocampa’: Organização criminosa responsável por desviar milhões de reais da Saúde é desarticulada em Feira de Santana; Coofsaúde é um dos alvos da investigação

Operação Pityocampa: CGU identifica desvios na saúde de Feira de Santana; Prejuízo apurado é de cerca de R$ 24 milhões e pode chegar a R$ 100 milhões; Operação pode atingir outros municípios

Sobre Operação Pityocampa, prefeito Colbert Martins Filho diz que adotará medidas legais e que prioridade é manter atendimentos à comunidade de Feira de Santana

Juiz Ícaro Almeida Matos autorizou 10 prisões e 23 mandados de busca e apreensão no âmbito da Operação Pityocampa; Investigação envolve Coofesaúde e Município de Feira de Santana

Documento Judicial revela nomes dos presos na Operação Pityocampa; Investigação da CGU e MPBA envolve Coofesaúde e Município de Feira de Santana

Operação Pityocampa: Advogado Rodrigo Carmona confirma prisão de Antonio Rosa de Assis; Investigação da CGU e MPBA envolve Coofesaúde e Município de Feira de Santana; Confira vídeo

Agentes do Estado comentam sobre Operação Pityocampa; Investigação da CGU e MPBA envolve Coofesaúde e Município de Feira de Santana; Confira vídeo

Feira de Santana – Operação Pityocampa: Médico e empresário Haroldo Dourado tem prisão temporária renovada e convertida em domiciliar; Caso envolve Cooperativa COOFSAÚDE

Caso Pityocampa: Organização Social cumprirá os 90 dias restantes do contrato com Município de Feira de Santana, após rescisão com a COOFSAÚDE, diz prefeito Colbert Martins Filho

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518), Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), Associação Brasileira de Imprensa (ABI Nacional, Matrícula nº E-002907) e Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).