Brasil: o País das incoerências | Por Alberto Peixoto

Sérgio Moro e Jair Bolsonaro durante cerimônia de diplomação, no TSE, de Bolsonaro como presidente da República.

Sérgio Moro e Jair Bolsonaro durante cerimônia de diplomação, no TSE, de Bolsonaro como presidente da República.

É um absurdo o que está acontecendo no Brasil! Lula, o maior líder político brasileiro depois de Getúlio Vargas está preso e, Bolsonaro, um deteriorado que não consegue explicar nem justificar os escândalos de corrupção em que ele e seus familiares se envolveram, está prestes de ser empossado Presidente do Brasil.

Enquanto os “bolsominions” fazem promessas, celebram cultos protestantes, marcam missas, encomendam “trabalhos” nos terreiros de candomblé e torcem para que o governo do “seu mito” dê certo, a família Bolsonaro, principalmente o pai, agride despudoradamente Lula.

“Bolsonaro reage com agressividade e nervosismo sempre que Lula se pronuncia sobre a vida do povo. Ele sabe quem tem liderança popular verdadeira. Lula e seus governos serão o contraponto efetivo, claro, ao governo antipopular de Bolsonaro”, postou a senadora Gleisi Hoffmann (PT/PR), Presidente Nacional do Partido.

Porém, o maior absurdo, é o povo brasileiro inerte, assistir ao STF não ter nenhum tipo de atitude, com relação aos indícios de corrupção denunciados pelo Jornal Folha de São Paulo, em que está, provavelmente, envolvida esta exótica família.

Como explicar que Fabrício Queiroz, motorista e assessor de Flávio Bolsonaro, ganhando R$ 23 mil reais por mês, movimenta uma conta com mais de R$ 1,2 milhão de reais e emite um cheque para a futura primeira dama no valor de R$ 24 mil reais, que segundo Jair Bolsonaro é referente a um empréstimo de R$ 40 mil reais?

Por que uma pessoa, que possui R$ 1,2 milhão em sua conta corrente, pede R$ 40 mil ao patrão? Pior: o futuro Presidente, responsável pelo empréstimo, não declarou a operação em sua declaração de Imposto de Renda. As filhas e esposa de Fabrício Queiroz devolviam seus salários levando a crer que, em resumo: a família Queiroz, é o laranjal dos Bolsonaros.

Infelizmente, a permissividade da Justiça brasileira e a inércia, ou falta de visão política dos eleitores, vão permitir que um Presidente sem noção, limitadamente sem as mínimas condições éticas nem técnicas para presidir o Brasil, seja empossado.

Talvez Jesus desça da “goiabeira” para, através da “pastora-ministra visionária”, vir ajudar ao “coiso” subir a “rampa” enrolado em escândalos de corrupção e “desadministrar” o nosso cansado Brasil das “maracutaias”.

*Alberto Peixoto, Escritor

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Alberto Peixoto
Antonio Alberto de Oliveira Peixoto, nasceu em Feira de Santana, em 3 de setembro de 1950, é Bacharel em Administração de Empresas pela UNIFACS, e funcionário público lotado na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia, atua como articulista do Jornal Grande Bahia, escrevendo semanalmente, é escritor e tem entre as obras publicadas os livros de contos: 'Estórias que Deus Duvida', 'O Enterro da Sogra, 'Único Espermatozoide', 'Dasdores a Difícil Vida Fácil', participou da coletânea 'Bahia de Todos em Contos', Vol. III, através da editora Òmnira. Também atua incentivador da cultura nordestina, sendo conselheiro da Fundação Òmnira de Assistência Cultural e Comunitária, realizando atividades em favor de comunidades carentes de Salvador, Feira de Santana e Santo Antonio de Jesus. É Membro da Academia de Letras do Recôncavo (ALER), ocupando a cadeira de número 26. E-mail para contato: [email protected] Saiba mais sobre o autor visitando o endereço eletrônico http://www.albertopeixoto.com.br.