Remuneração de cubanos supera a de clínicos que atendem por plano de saúde; Governo do Brasil envia R$ 11.865,60 à OPAS e Governo de Cuba repassa R$ 3.460

Presidente eleito Jair Bolsonaro mente e ignora a realidade quando chama de ‘escravidão’ o acordo firmado entre o Brasil, Cuba e a OMS para levar saúde às regiões mais carentes do país.

Presidente eleito Jair Bolsonaro mente e ignora a realidade quando chama de ‘escravidão’ o acordo firmado entre o Brasil, Cuba e a OMS para levar saúde às regiões mais carentes do país.

Jair Bolsonaro diz que uma das razões de sua guerra pelo fim dos Mais Médicos é a remuneração dos profissionais vindos de Cuba. Ele e os seus consideram “escravidão” o acordo firmado com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas). Mas em termos de renda líquida, os cubanos ganham mais que brasileiros que fazem o mesmo trabalho via planos de saúde.

É só fazer as contas. O repasse médio de uma consulta por convênio é de 90 reais, segundo dados da Associação Paulista de Medicina. Estima-se que cerca de 50% delas gerem retorno, mas os planos não pagam por essa modalidade.

Se o clínico atende dez consultas de 30 minutos num expediente de 5 horas (descontando os retornos), recebe 900 reais brutos por dia – um total bruto de R$18.900 em 21 dias úteis. Cerca de 14.000, descontado os impostos.

Se subtrairmos também os custos com o aluguel de uma sala de 40m², uma recepcionista, um auxiliar de enfermagem e os gastos variáveis para que a clínica funcione, sobra todo mês o equivalente a R$3.200.

Aluguel e condomínio – R$ 1.950,00

Recepcionista e auxiliar de enfermagem (+encargos) – R$ 5.687,00

Contabilidade – R$ 500,00

Gastos variáveis (IPTU, água, luz, telefone, custos operacionais e etc.) – R$ 2.000,00

Total R$ 10.137,00

O Brasil paga à Opas uma bolsa cotada atualmente em R$ 11.865,60. A organização envia todo o valor ao governo cubano, que repassa aos médicos o equivalente a R$3.460 reais, segundo dados do próprio Ministério da Saúde.

Moradia, transporte e alimentação são bancados pela prefeitura da cidade onde o médico atua. Já os que atuam em áreas indígenas recebe mais R$2.750 de ajuda de custo.

Moradia | Alimentação | Transporte

Médico cubano – R$ 3400,00 – Sim – Sim – Sim

Médico de convênio – R$ 3260,00 – Não – Não – Não

Médico residente – R$ 3330,00 – Sim – Não – Não

Fontes: Ministério da Saúde/Associação Paulista de Medicina/MEC

Cerca de 8.500 profissionais cubanos devem deixar o Brasil – quase metade de todo o contingente do Mais Médicos. Especialistas calculam que 24 milhões de pessoas podem ficar sem médico se nada for feito para suprir a demanda.

A formação cubana é sanitarista, voltada para a saúde pública e à prevenção – é por isso que o Mais Médicos reduziu internações e as despesas com saúde. Eles prestam serviço atualmente em 67 países.

Diferente dos brasileiros escalados pelo programa, os cubanos estão aqui em missão humanitária – seus empregos em Cuba e 100% do salário e benefícios sociais no país são mantidos. E a ilha financia 100% da formação desses doutores.

Bolsonaro coloca em risco a saúde de milhões de brasileiros por puro de preconceito, mentiras e birra ideológica. Nem parece o mesmo que defende que o trabalhador terá que escolher entre direitos e emprego.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]