Ranking 2019 das universidades da América Latina: USP e UNICAMP aprecem em 2ª e 3ª lugar respectivamente

Ranking 2019 das universidades da América Latina.

Ranking 2019 das universidades da América Latina.

Classificação da Universidade Federal da Bahia (UFBA), segundo ranking 2019 da QS Top Universities.

Classificação da Universidade Federal da Bahia (UFBA), segundo ranking 2019 da QS Top Universities.

A mais recente edição do Ranking Latino Americano sugere que as universidades brasileiras estão enfrentando dificuldades em produzir graduados com alta empregabilidade. A edição de 2019 do QS World University Rankings: Latin America, lançada hoje pela empresa inglesa especializada em ensino superior QS Quacquarelli Symonds indica que o Brasil é a sede de duas das três melhores universidades. No entanto, os índices de confiabilidade do empregador têm diminuído.

Pelo segundo ano consecutivo, o ranking é liderado pela Pontifícia Universidade Católica do Chile (PUC Chile). A Universidade de São Paulo (USP) ocupa agora o segundo lugar, trocando de posição com a Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), na terceira colocação.

 QS World: Ranking 2019 e 2018 das universidades da América Latina
20192018UniversidadesPaís
11PONTIFICIA UNIVERSIDAD CATÓLICA DE CHILECL
23UNIVERSIDADE DE SÃO PAULOBR
32UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINASBR
44UNIVERSIDAD NACIONAL AUTÓNOMA DE MÉXICOMX
58UNIVERSIDAD DE LOS ANDES COLOMBIACO
65TECNOLÓGICO DE MONTERREYMX
76UNIVERSIDAD DE CHILECL
89UNIVERSIDAD DE BUENOS AIRESAR
97UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIROBR
10  11=UNIVERSIDAD NACIONAL DE COLOMBIACO
1110UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA “JÚLIO DE MESQUITA FILHO”BR
1213PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO – PUC – RIOBR
1316UNIVERSIDAD DE SANTIAGO DE CHILECL
1415UNIVERSIDAD DE CONCEPCIÓNCL
  15=17UNIVERSIDAD DE ANTIOQUIACO
  15=  11=UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAISBR
1720PONTIFICIA UNIVERSIDAD JAVERIANACO
1814UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SULBR
  19=19UNIVERSIDAD DE COSTA RICACR
  19=51UNIVERSIDAD DE LA HABANACU

Fatores mais importantes

90 universidades brasileiras estão presentes nesse ano, fazendo do Brasil a nação mais representada no ranking. Possuindo um maior leque de universidades regionalmente competitivas que o México (63 universidades ranqueadas), a Colômbia (53), o Chile (40), a Argentina (39) e o Perú (20).

De modo geral, a performance brasileira mostrou-se estável nesse ano, sem mudanças gerais abruptas. Esses sistema educacional foi capaz de evitar as regressões sentidas pelas universidades argentinas, porém não foi capaz de progredir como as instituições chilenas.

O indicador de reputação de empregadores leva em conta mais de 42,000 respostas de empregadores no mundo todo, refletindo a qualidade dos graduados das instituições. Apesar da Universidade de São Paulo ocupar a quarta posição nessa métrica, 76 das 90 universidades brasileiras tiveram uma queda nesse componente com relação ao ano anterior.

O Brasil possui os líderes de pesquisa no continente. A Universidade de São Paulo produz mais papers por faculdade que qualquer outra universidade Latino Americana e 9 dos 10 melhores resultados no indicador paper per faculty são de univeridades brasileiras.

O Brasil também é reconhecido por oferecer salas de aula com poucos estudantes, avaliado pelo indicador que mede a proporção de membros acadêmicos pela quantidade de estudantes (Faculty / Student ratio). Nesse indicador, 8 dos 10 melhores resultados foram obtidos por instituições brasileiras, com 23 universidades no país atingindo pontuação máxima.

A USP também produz mais colaborações ao redor do mundo que qualquer outra universidade Latino Americana, obtendo um score de 100/100 no indicador International Research Network.

A lista completa de universidades brasileiras pode ser encontrada na sessão ‘Notes for Editors’ ao final desse informe.

Ben Sowter, diretor da QS disse: “Há muitos aspectos positivos na performance brasileira deste ano. O sistema mantém-se competitivo e o país ainda abriga as verdadeiras potências de pesquisa na América. Para continuar a melhoria, as instituições devem assegurar-se do relacionamento com empregadores, identificando maneiras de preparar os graduandos para a economia atual.”

A QS utiliza oito indicadores para calcular a pontuação de cada universidade. Esses indicadores medem o posicionamento acadêmico global, a produtividade em pesquisa, o impacto em pesquisa, empregabilidade e esforços de internacionalização.

(1)    Reputação acadêmica (30%)

(2)    Reputação do empregador (20%)

(3)    Relação professor/estudante (10%)

(4)    Relação de papers por membros da faculdade (5%)

(5)    Relação de citações por paper (10%)

(6)    Membros acadêmicos com PhD (10%)

(7)    Network internacional de pesquisa (10%)

(8)    Impacto da web (5%)

UFBA no QS Global World Ranking 2019

Segundo a Top Universities, no QS Global World Ranking 2019, a Universidade Federal da Bahia (UFBA) aparece na 801ª posição entre as 1000 universidades avaliadas no mundo. Entre as universidades dos BRICS, a instituição ocupa a 221ª posição e na America Latina está na 65ª posição. A entidade possui elevado padrão de pesquisa, corpo docente formado por 2.214 profissionais e atende 38.045 alunos.

Baixe

UFBA em números: Retrospectiva Especial 70 Anos

UFBA: Plano de desenvolvimento institucional 2018 – 2022

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]