Feira de Santana em História: Como surgiu a bandeira do município | Por Adilson Simas

Sobre a escolha do verde, vermelho e branco para a bandeira, especulou-se que assim se fez para que as cores da cidade fossem também as cores do Fluminense que representava Feira de Santana no campeonato baiano de futebol profissional.

Sobre a escolha do verde, vermelho e branco para a bandeira, especulou-se que assim se fez para que as cores da cidade fossem também as cores do Fluminense que representava Feira de Santana no campeonato baiano de futebol profissional.

A Bandeira de Feira de Santana surgiu do projeto de lei que em 1966 o prefeito Joselito Amorim enviou com as devidas justificativas para a apreciação da Câmara Municipal.

Sem maiores discussões a V Legislatura transformou o projeto na Lei nº 507 que o prefeito sancionou em 19 de dezembro de 1966, quatro meses antes de concluir sua gestão.

A Lei, conforme publicado na imprensa local, também foi assinada por Tancredo André dos Santos, secretário de Finanças; José Joaquim Lopes de Brito, secretário de Viação e Obras Públicas; Almiro Vasconcelos, secretário de Educação e Cultura; Antônio Freitas Costa, secretário de Agricultura e por Augusto Matias, secretário de Saúde e Assistência Social.

Coube, porém ao prefeito João Durval, que sucedeu a Amorim no comando do poder executivo, tomar as medidas seguintes para colocar em execução a Lei que no seu Artigo 1º, além da Bandeira, também instituiu o Brasão do Município.

O grande momento aconteceria somente em 1968, mais precisamente em 26 de julho, dia em que se comemora Senhora Santana, a Padroeira da Cidade.

O local escolhido para a solenidade foi a Praça da Bandeira, com grande presença popular e inúmeras autoridades convidadas, entre elas o Governador Luiz Viana Filho.

Naquele dia foram oficializadas 9 bandeiras, constituídas, conforme determinava a Lei, por 16 faixas nas cores alternadas de verde e vermelho, dispostas duas a duas paralelamente no sentido horizontal e vertical em banda e em barra, partindo de um retângulo branco central, onde está aplicado o Brasão.

O bispo diocesano Dom Jackson Berenguer Prado procedeu a benção das Bandeiras que foram paraninfadas por duas personalidades da vida feirense:

João Marinho Falcão, prefeito nos anos 50, e Dona Maria Bereniza Bahia da Silva, filha do ex-intendente Bernardino Bahia e viúva do ex-intendente e ex-prefeito Arnold Silva.

Conforme ata lavrada pelo jornalista Helder Alencar, assistente do prefeito, cinco das nove bandeiras foram destinadas ao prédio da Prefeitura.

As outras, em número de quatro, foram distribuídos com a Câmara Municipal, Fórum Filinto Bastos, Biblioteca Municipal e Ginásio Municipal.

Especulou-se que cores foram inspiradas no Fluminense de Feira

Sobre a escolha do verde, vermelho e branco para a bandeira, especulou-se que assim se fez para que as cores da cidade fossem também as cores do Fluminense que desde 1954 representava Feira de Santana no campeonato baiano de futebol profissional.

Essa versão surgiu quando a AD Bahia de Feira precisou trocar de nome para continuar no profissionalismo, por exigência do presidente da FBF, Carlos Alberto de Andrade.

Criou-se o Feira Esporte Clube, que não podendo adotar as cores da cidade, pois elas já estavam no uniforme do Fluminense, seus dirigentes optaram pelo vermelho e amarelo contidos no símbolo da Diocese da Cidade.

A Propósito, vale lembrar que a mesma Lei 507 que criou a Bandeira e o Brasão de Feira também instituiu, através do artigo 2º, a Ordem Municipal do Mérito, para laurear pessoas com relevantes serviços prestados à cidade.

Sabe-se que apenas uma vez a prefeitura teria recorrido ao artigo 2º daquela Lei. Segundo alguns, foi para homenagear o jornalista Assis Chateaubriand, presidente das Emissoras e Diários Associados e seu representante na Bahia, o também jornalista Odorico Tavares, diretor do extinto “Diário de Notícias”, onde assinava a famosa coluna “Rosas do Vento”.

Os dois jornalistas tiveram papel importante na implantação do Museu Regional de Feira de Santana.

Em 2005, na mesma linha da Lei 507, mas com maior dimensão, o prefeito José Ronaldo através do Decreto nº 792 de 11 de julho, criou a Ordem Municipal do Mérito de Feira de Santana.

Assim, a partir daquele decreto o prefeito condecora como comendadores e oficiais, personalidades com serviços prestados a esta cidade. As primeiras condecorações aconteceram ainda naquele ano.

*Adilson Simas, jornalista, atua em Feira de Santana.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]