Eleições 2018: Jair Bolsonaro mudou lógica de como se faz campanha no Brasil

Jair Bolsonaro usou intensamente a rede social WhatsApp com a finalidade de disseminar discurso do ódio contra opositores.

Jair Bolsonaro usou intensamente a rede social WhatsApp com a finalidade de disseminar discurso do ódio contra opositores.

Quatro anos após a campanha presidencial mais cara da história, em que centenas de milhões de reais de empresas irrigaram as duas principais candidaturas da disputa, o vencedor do pleito de 2018 é um candidato que não contou com marqueteiro, tempo relevante de TV, estrutura partidária e que declarou ter arrecadado apenas 2,5 milhões de reais em sua campanha.

Jair Bolsonaro (PSL) marcou o início de uma nova era nas campanhas presidenciais brasileiras, em que a estrutura partidária, a figura dos marqueteiros milionários e o tempo de TV perderam importância, e as redes sociais passam a ter um papel central na eleições – seja para divulgar candidaturas ou para espalhar mentiras sobre os adversários.

Some-se isso ao fato de que o próprio candidato foi considerado por anos um pária entre o establishment político e esteve ausente de atos públicos de campanha por quase dois meses, após levar uma facada no início de setembro, e se pode concluir que Bolsonaro conduziu uma das campanhas improvisadas mais bem-sucedidas em relação aos recursos disponíveis da história das eleições presidenciais desde a redemocratização.

“Sem grande partido, sem fundo partidário, sem tempo de TV, mas tendo a verdade e a sinceridade, desbancamos figurões que achavam que, fazendo parcerias e acordos com grandes partidos, via televisão, ganhariam a eleição”, disse o próprio Bolsonaro no final do primeiro turno.

Ao vencer, Bolsonaro subverteu o que pelas últimas décadas vinha sendo considerada a receita para o sucesso em uma campanha presidencial. Primeiro, ele se filiou a uma sigla até então nanica, o PSL, que não contava com capilaridade pelo país e recursos relevantes. Seu tempo de TV no primeiro turno também foi raquítico: apenas oito segundos –bem atrás dos 2 minutos e 23 segundos da chapa liderada pelo PT e dos mais de cinco minutos do PSDB.

A sigla também só conseguiu fechar uma aliança, com o também inexpressivo PRTB, de Levy Fidelix. Nos pleitos presidenciais entre 1989 e 2014, todos os candidatos vitoriosos contaram com o apoio de uma ou mais siglas de peso em suas chapas. Mesmo no segundo turno, Bolsonaro também seguiu solitário em comparação com os vencedores de eleições anteriores. Nenhum dos 11 candidatos derrotados na primeira rodada declarou apoio ao capitão reformado.

Na sua última prestação de contas, o candidato do PSL declarou ter arrecadado 2,5 milhão de reais. Deste valor, 2,1 milhão tem como origem plataformas de financiamento coletivo na internet, que são uma das novidades desta eleição. Fernando Haddad (PT), seu adversário no segundo turno, por exemplo, recebeu 31 milhões do PT – verba que veio principalmente do fundo público de campanhas.

Os gastos oficiais de Bolsonaro nos dois turnos alcançaram até agora 1,7 milhão de reais. De verba da sua sigla, que tem como origem principal os fundos partidário e de campanhas, o candidato contou com apenas 339 mil reais.

Esse quadro ainda deve sofrer alterações, mas os gastos de campanha de Bolsonaro também contrastam com o que foi declarado por candidatos que foram derrotados ainda no primeiro turno. Geraldo Alckmin (PSDB), por exemplo, que obteve menos de 5% dos votos válidos, declarou ter gasto cerca de 53 milhões de reais.

Fernando Haddad (PT), por sua vez, declarou despesas contratadas de 34,4 milhões de reais – combinadas com os gastos iniciais do ex-presidente Lula, que teve a candidatura barrada em setembro, o valor gasto chega a 53,3 milhões de reais.

A própria campanha de Bolsonaro admitiu que sua estrutura era amadora. Sem contar com marqueteiro, as principais decisões foram tomadas pelo próprio candidato, pelos seus filhos e pelo presidente em exercício do PSL, Gustavo Bebianno. Desde que recebeu alta, no final de setembro, Bolsonaro comandou a campanha de casa, no Rio de Janeiro. No local, recebeu políticos e figuras da sociedade civil que declararam apoio. O tom informal dos encontros lembrou mais o de uma campanha para vereador ou deputado do que o de uma corrida presidencial.

Após o ataque, Bolsonaro também não viajou mais pelo país. Ele se deslocou no máximo no Rio de Janeiro para gravar vídeos da sua campanha na TV e para prestar um depoimento à Polícia Federal – outro contraste com candidatos à Presidência que normalmente se deslocam milhares de quilômetros pelo país durante a campanha.

Sem contar com os recursos milionários de outros candidatos e o tempo de TV, Bolsonaro se voltou para táticas mais espartanas para fazer campanha, como o financiamento coletivo e as redes sociais.

Foram as redes sociais que se revelaram o pilar central da campanha do militar da reserva. Muito antes de a campanha começar, Bolsonaro já era o pré-candidato com mais curtidas no Facebook e contava com dezenas de páginas de apoio, várias delas em tom humorístico que divulgam ataques contra a esquerda. Seu perfil nesta rede tem 7,9 milhões de seguidores. Haddad só contava com 1,7 milhão neste domingo.

Uma pesquisa do Datafolha mostrou que os eleitores de Bolsonaro também são aqueles que mais usam redes sociais. Neste grupo, 81% participam de alguma rede social. O número está acima dos 59% que disseram apoiar Fernando Haddad.

Ainda de acordo com o Datafolha, os eleitores de Bolsonaro também se informam mais sobre política e eleições pelo Whatsapp do que em relação a apoiadores de outros candidatos. O percentual dos apoiadores que usam o Whatsapp para ler notícias chega a 57%. No caso de Haddad, o índice é de 38%. Os brasileiros que usam a plataforma somam mais de 120 milhões de usuários.

As redes de Whatsapp que apoiam Bolsonaro se estruturaram especialmente durante o processo de impeachment de Dilma Rousseff em 2016 e da greve dos caminhoneiros em 2018. Até agora, pesquisadores têm encontrado dificuldade para determinar se elas são administradas por membros diretos da campanha de Bolsonaro ou por voluntários.

Pouco mais de uma semana antes do segundo turno, o jornal Folha de S.Paulo revelou que empresários que simpatizam com causas de extrema-direita financiaram ilegalmente mecanismos de impulso de publicações em redes sociais de apoio a Bolsonaro ou que atacavam adversários do ex-capitão.

Segundo o jornal, alguns desses contratos alcançaram até 12 milhões de reais. Uso de caixa 2 em campanhas presidenciais não é uma novidade. Neste caso, o fato novo é que a suspeita é de que foi direcionado especialmente para a redes sociais – ao contrário de candidatos de eleições passadas que canalizaram a maior parte dos recursos para a televisão ou ferramentas de campanha mais tradicionais.

Os apoiadores de Bolsonaro também transformaram as redes em um terreno fértil para a propagação de boatos e mentiras sobre os candidatos, especialmente os adversários de Bolsonaro – elevando a estratégia de campanha negativa a uma nova escala desde a redemocratização.

A família do candidato não pareceu demonstrar nenhum problema com esse tipo de tática suja, e atuou até mesmo na propagação de mentiras em outras redes, como o Twitter e o Facebook. Dois filhos do candidato, por exemplo, chegaram a reproduzir em suas contas uma informação falsa de que Haddad teria sido o criador de um “kit gay” para distribuição em escolas quando era ministro da Educação. Um dos filhos de Bolsonaro chegou a ter sua conta no Whatsapp suspensa por suspeita de “comportamento de spam” na divulgação de mensagens.

Essa linha de ataques também permitiu que Bolsonaro desviasse a atenção do tom vago das suas propostas para a área econômica e social do país. Nesse ponto, não foi diferente da sua atuação em quase três décadas no Congresso. Desde 1990, ele só conseguiu aprovar dois projetos. Durante sua carreira legislativa, ele se notabilizou – e ganhou popularidade – sobretudo, pelos embates com colegas da Câmara e por declarações bombásticas – várias delas de tom machista, homofóbico e racista.,

*Com informações de Deutsche Welle Brasil.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]