Dois projetos da Bahia ganham maior prêmio nacional do Patrimônio Cultural

31ª Edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade seleciona dois projetos da Bahia.

31ª Edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade seleciona dois projetos da Bahia.

Na borda da Baía de Todos os Santos, no município de São Francisco do Conde (BA), a Fazenda Engenho D’Água guarda um patrimônio cultural que resistiu ao longo de mais de três séculos. Já no interior, uma biblioteca de sons é um registro sonoro da cultura sertaneja de Pernambuco e da Bahia, no qual o acervo dos sons das comunidades acaba retratando seu Patrimônio Cultural. O esforço por manter vivas essas heranças por meio das ações Restauração e Revitalização da Fazenda Engenho D’Água e Sonário do Sertão, foi reconhecido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), como dois dos oito projetos ganhadores da 31ª Edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade. Os responsáveis pelos projetos vão ser homenageados ao lado dos outros ganhadores numa grande festa que será realizada no dia 09 de novembro, no Teatro da Paz, em Belém.

Há 31 anos, o Iphan distribui uma premiação em dinheiro a ações de destaque nacional com o objetivo de estimular aqueles que atuam na proteção, preservação e divulgação do rico Patrimônio Cultural brasileiro. Em 2018, os oito projetos vencedores estavam entre os 302 que se inscreveram em todo o país. Os ganhadores recebem o prêmio de R$ 30 mil, troféu e o Selo o Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade – 2018, além de serem tema da Revista da 31ª Edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, publicação que será distribuída em Belém e nas Superintendências e Escritórios Técnicos do Iphan em todo Brasil.

A cerimônia de entrega do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade em 2018 tem o apoio à realização da Xingu-Rio Transmissora de Energia (XRTE) e o patrocínio da Vale.

Das ruinas ao uso sustentável

O projeto Restauração e Revitalização da Fazenda Engenho D’Água é referência para a região do Recôncavo da Bahia de Todos os Santos, pois a maioria dos antigos engenhos de açúcar estão arruinados e, quando são restaurados, voltam à ruína por falta de um projeto de sustentabilidade econômica. Na Fazenda Engenho D’água, novos usos para o patrimônio viabilizam financeiramente sua preservação. As atividades são desde a hospedagem de turistas, passando pela realização de eventos diversos, chegando a atividades corriqueiras de uma fazenda, como a pecuária e o cultivo de cacau.

Em 2002, a fazenda Engenho D’água, em ruinas, foi adquirida por Mário Augusto Nascimento Ribeiro que, pouco a pouco, restaurou a propriedade. O método do restauro consistiu no aproveitamento das estruturas existentes, na complementação das partes faltantes e substituição, seguindo as referências iconográficas, das peças que não poderiam mais ser recuperadas.

Além da sustentabilidade econômica, os proprietários da fazenda buscam conscientizar as futuras gerações acerca da importância histórico-cultural do local, promovendo visitas de estudantes e da comunidade. O projeto Restauração e Revitalização da Fazenda Engenho D’Água é de relevância para a memória, a identidade e a cultura nacionais, servindo como exemplo para a recuperação e gestão do patrimônio edificado regional.

A biblioteca sonora do sertão

Com um processo participativo, em 2015, o Sonário do Sertão começou a ser desenvolvido. Foram realizadas oficinas de capacitação técnica para os registros de áudio, levantamento do que seria registrado, debates e formação sobre a cultura do ouvir e a prática da escuta. O Sonário conta com registro de sons do cotidiano do semiárido brasileiro, como canto dos pássaros, som de carroças em movimento, do entardecer, de galinheiro, assim como grupos musicais, cantigas, orações, os cantos de trabalho e melodias assoviadas durante a plantação da mandioca e festas religiosas. As histórias narradas pelas anciãs e anciãos foram também registradas e, nessas conversas, os cantos e diversos sons participam no meio das narrativas, onde o contar e o cantar tornam-se uma coisa só.

O resultado do projeto foi o levantamento de mais de mil registros sonoros que, aos poucos, vêm sendo classificados e indexados. O acervo no site (www.sonariodosertao.com) do projeto já conta com mais de cem faixas sonoras. Todos os equipamentos utilizados no Sonário do Sertão permaneceram nas comunidades. Com as oficinas, mais de 50 jovens foram formados em atividades de captação de áudio, escuta atenta, pesquisa, identificação e levantamento do acervo, valorizando a participação da comunidade na construção de sua própria memória sonora.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518), Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), Associação Brasileira de Imprensa (ABI Nacional, Matrícula nº E-002907) e Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia).