Continuar no sistema de repartição é um crime, diz Paulo Guedes; Futuro ministro do Governo Bolsonaro quer aprovar na atual legislatura texto atual da reforma da Previdência

Paulo Guedes: aprova-se a reforma que está aí. Aprova isso rápido. Tira essa nuvem negra no horizonte. Isso nos dá tempo para o novo regime.

Paulo Guedes: aprova-se a reforma que está aí. Aprova isso rápido. Tira essa nuvem negra no horizonte. Isso nos dá tempo para o novo regime.

A continuidade do sistema de repartição, em que os trabalhadores da ativa financiam integralmente o pagamento das aposentadorias atuais, é um crime contra os futuros trabalhadores, disse nesta  terça-feira (06/11/2018) o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes. “Precisamos trazer para as futuras gerações um sistema previdenciário diferente. É um crime para as futuras gerações continuar no sistema de repartição”, afirmou.

Em entrevista a jornalistas ao chegar ao Ministério da Fazenda, Guedes defendeu a aprovação do texto atual em tramitação no Congresso para viabilizar uma reforma mais profunda a partir do próximo ano, que envolva a migração para o modelo de capitalização dos jovens que entrarem no mercado de trabalho.

“Aprova-se a reforma que está aí. Aprova isso rápido. Tira essa nuvem negra no horizonte. Isso nos dá tempo para o novo regime”, afirmou o futuro ministro. Está na minha cabeça. Terminar aproveitando essa reforma e começamos o ano que vem essa transição para a força de trabalho mais jovem para o regime de capitalização”, declarou Guedes.

O futuro ministro, que está reunido com o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, considerou natural a desconfiança dos políticos em relação à capitalização da Previdência (quando o trabalhador contribui para uma poupança individual que financia a própria aposentadoria). “É absolutamente natural que haja uma desconfiança, como no caso da implementação de um regime de previdência capitalizado, não só do presidente eleito, como da classe política quando não se conhece o assunto”, declarou.

Para o futuro ministro da Economia, o atraso na reforma da previdência tem travado a economia brasileira e impedido o país de crescer. “Se ela tivesse sido feita há dez anos, o Brasil estaria crescendo de 4% a 5% ao ano. Como não fizemos isso, a economia está travada e cheia de problemas fiscais até hoje. Como economista, entendo que, se tirarmos esse obstáculo da frente agora, primeiro teremos um belo encerramento do governo Temer. Terá sido um governo de transição com um bom ímpeto de reformas. Segundo, abre-se um novo governo só com notícias positivas”, destacou.

Segundo Guedes, a necessidade de aprovação do texto atual em tramitação tem sido colocada ao futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, como necessidade de dar prosseguimento a outras reformas estruturais, como a tributária, a desburocratização e a abertura da economia brasileira.

Guedes listou cinco problemas principais do sistema brasileiro de previdência: a bomba demográfica (o envelhecimento da população que aumenta o volume de aposentadorias e pensões pagas); o financiamento por repartição, que destrói empregos formais; a mistura de assistência social com previdência (com o pagamento de benefícios a quem não contribuiu); a falta de capitalização, que impede ao trabalhador carregar as contribuições para o futuro, e, por fim, as falhas de gestão.

*Com informações da Agência Brasil.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518), Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), Associação Brasileira de Imprensa (ABI Nacional, Matrícula nº E-002907) e Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia).