Adeptos do candomblé amarram tecidos sagrados em árvores para exigir respeito; Manifestação pela paz e contra o racismo religioso ocorre em Salvador | Por Juarez Duarte Bomfim

Adeptos do candomblé amarram tecidos sagrados em árvores pela paz e tolerância religiosa.

Adeptos do candomblé amarram tecidos sagrados em árvores pela paz e tolerância religiosa.

Alvorada dos ojás. Ojás são tecidos sagrados amarrados em árvores. Esta é uma manifestação pela paz e contra o racismo religioso. Pela garantia de vida dos fiéis do candomblé; pelo direito constitucional que as pessoas têm de cultuar a sua religião, a sua fé, ou até, de não possuir religião alguma.

Quando as ruas de Salvador amanhecerem cobertas de tecidos brancos no próximo dia 17 de novembro, baianos e turistas saberão que a décima segunda edição da Alvorada dos Ojás aconteceu. Em 2018, adeptos do candomblé promovem a atividade entre os dias 16 e 17 de novembro (sexta-feira e sábado), amarrando árvores sagradas da capital baiana com tecidos sagrados usados nos cultos afro-brasileiros (os ojás).

O objetivo é pedir paz, respeito à liberdade religiosa e equilíbrio entre as pessoas. Neste ano, a alvorada lembrará ainda a memória do mestre de capoeira Moa do Katendê, ogã de candomblé vítima de um assassinato.

Promovido há 12 anos pelo Coletivo de Entidades Negras (CEN), entidade nacional do movimento negro brasileiro, o evento terá início por volta de 18h. Esse ano, a ação acontecerá em parceria com o Terreiro do Gantois, que abrigará a Alvorada dos Ojás e fará o ritual público de sacralização dos tecidos. O rito, além de ser uma benção coletiva é um pedido de permissão aos orixás para iniciar os trabalhos.

A atividade conta com o apoio da Sepromi (Secretaria de Promoção da Igualdade Racial) dentro da agenda do Novembro Negro e é aberta ao público. Para participar, todos devem vestir roupas brancas em sinal de paz, principalmente por ser uma sexta-feira, dia dedicado à Oxalá.

O grupo de parceiros da atividade em 2018 inclui o artista plástico e fundador do Cortejo Afro, Alberto Pitta, responsável pela arte do tecido com elementos ligados ao candomblé, o afoxé Filhos de Gandhy que fará a pintura dos 1.000 metros de tecido, além do Coral Ecumênico da Bahia, Orquestra de Berimbaus, Mestres de Capoeira e a família de Moa do Katendê.

Mãe Carmen, Iyalorixá do Terreiro do Gantois, destaca a participação de líderes religiosos de diversas matizes nessa ação. Para a líder religiosa, defender a paz e a união é a principal virtude do evento. “A mensagem que desejamos transmitir é uma mensagem positiva, dizendo que é possível conviver respeitando a religião do outro, sem proselitismo, sem violência, sem desrespeito. É disso que precisamos no Brasil, para consolidar o caráter laico do nosso Estado”, afirmou.

Para o historiador Marcos Rezende, coordenador-geral do CEN e ogã de Ewá, a Alvorada dos Ojás de 2018 é especialmente significativa, por acontecer num cenário de conflagração do país: “queremos apenas que as pessoas se respeitem, respeitem as escolhas das outras, as opções religiosas, as opções políticas, e que o ódio seja banido do nosso convívio”, defendeu, explicando ainda a importância da atividade para o candomblé.

“O ojá é o traje que cobre o ori (a cabeça). Já a árvore é um elemento sagrado da natureza. Sem elas não existiria vida. É sobre a garantia da vida dos fiéis do candomblé que desejamos tratar, é sobre o direito constitucional que as pessoas têm de cultuar a sua religião, a sua fé, ou até, de não possuir religião alguma. Sabemos que o racismo religioso nos atinge porque essas religiões são oriundas da África”, afirma Rezende, que também ocupa o posto de Ojuobá da Casa de Oxumaré, outro terreiro histórico da capital baiana.

Agenda

Título: Alvorada dos Ojás

Data: 16/11/18 (Sexta-feira)

Horário: 18h

Local: Terreiro do Gantois – Rua Mãe Menininha, 23 – Alto do Gantois/Federação, Salvador – Bahia.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Juarez Duarte Bomfim
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. E-mail para contato: [email protected]