Salvador: espetáculo Mágico Mar é apresentado na Sala do Coro do TCA

Cena do espetáculo 'Mágico Mar'.

Cena do espetáculo ‘Mágico Mar’.

Açolina (Simone de Araújo) vive em uma antítese utópica em meio a um ambiente marítimo dominado pelo lixo e ironicamente faz pedidos de S.O.S jogando garrafas em alto-mar. Espiga (Fernando Lopes), um catador de garrafas a encontra e mostra a possibilidade de ter um mar limpo e azul. Este é tempo-espaço de Mágico Mar, espetáculo vencedor do Prêmio Braskem de Teatro de 2016 nas categorias melhor diretor, cenário e atriz, que volta a cartaz para curta temporada na Sala do Coro do Teatro Castro Alves, de 12 a 14 de outubro de 2018, às 20 horas.

A peça traz uma linguagem em ‘gramêlo’ e embola palavras em português para falar sobre a preservação do meio-ambiente e reutilização de resíduos. Com tom artístico-educativo, Mágico Mar utiliza a poética do clown, efeitos especiais e números de mágica para a construção de sua narrativa. A encenação dirigida por Rino Carvalho criada a partir de um roteiro dramatúrgico de Joice Aglae tem reverberações performáticas e poéticas-gestuais.

O projeto nasceu em 2009 quando Fernando Lopes pesca um Xaréu magro com o estômago preenchido por uma garrafa pet. Lopes, que é palhaço e mágico, declara que o intuito de Mágico Mar é estabelecer uma reflexão sobre as ações humanas e suas consequências na natureza, especialmente no mar. “É sobre como essas ações interferem diretamente na atividade pesqueira e consequentemente nas nossas vidas”, acrescenta.

A mágica é o fio condutor da ação e o humor do palhaço é a linha desta trama que fala de solidão, amor e meio ambiente. “Mágico Mar tem uma estética monocromática – futurista – decadente, onde o lixo predomina o espaço e todos convivem nele normalmente. Tudo isso, dentro de uma língua inventada, em um lugar de um futuro qualquer, ilhado pelo lixo, numa situação de relação entre pessoas solitárias onde o amor e o lixo se transformam”, define Rino Carvalho, artista que já tem mais de 20 anos de carreira.

Direcionado a todos os tipos de público: crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos – utiliza o Teatro, Circo, Fotografia e Cinema para abordar o assunto de forma lúdica e poética, provocando a consciência e a responsabilidade de cada cidadão sobre um dos temas mais preocupantes da atualidade: o meio ambiente.

O discurso, os gramêlos, as emboladas palavras em português, a mágica, os efeitos especiais e a palhaçaria somam-se à trilha sonora instrumental elaborada exclusivamente para o espetáculo. Ao todo, foram criadas 10 composições. As músicas de Deco Simões têm colaboração do multi-instrumentista Elinaldo Nascimento e Jelber Oliveira.

Tocando em assuntos como preservação ambiental e reciclagem, a montagem tem o cenário construídos a partir de material recolhido do mar por Fernando Lopes – 70%. Assinada por Maurício Pedrosa, o cenário foi um dos vencedores do Prêmio Braskem de Teatro de 2016. O figurino criado por Rino Carvalho também reaproveitou objetos recolhidos no mar – 30%.

“É desse material descartado que nasce o barco que navega em mar limpo e leva Açolina e Espiga para longe do ambiente dominado pelo lixo. É importante falar que, nossa iluminação, som, efeitos especiais e parte técnica de montagem não utiliza energia do local que nos recebe. Utilizamos baterias recarregáveis, economizando assim, cerca de 90% de energia, se comparado a qualquer outro espetáculo dentro de um teatro” pontua Fernando Lopes.

Projeto

Fernando Lopes, idealizador do projeto Mágico Mar e o Lixo sem Fim, é também praticante de pesca submarina, de onde nasce as primeiras ideias do espetáculo. O projeto traz ainda uma exposição fotográfica chamada ‘29 de junho é Dia do Pescador’, que homenageia esses trabalhadores e tem 60 registros do fotógrafo Darcílio Gajé e estará disponível na Esplanada em frente a Sala do Coro.

Em meio às suas pescas, Fernando Lopes em parceria com Gastão Netto roteirizaram um curta-metragem com nome homônimo ao projeto que é exibido antes de todas as apresentações do espetáculo Mágico Mar. A película traz o personagem Espiga e tem a participação de Renée Codsi, interpretando a mulher. O curta revela o lixo jogado nas praias que consequentemente vai parar no mar.

Agenda

O quê: Mágico Mar e o Lixo sem Fim – espetáculo, curta-metragem e exposição fotográfica

Quando: 12 a 14 de outubro, às 20 horas

Onde: Sala do Coro do Teatro Castro Alves – Campo Grande – Salvador

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]