Eleições 2018: Resultado marca ‘troca de guarda na direita’ e ‘fim de lealdades partidárias’, veem analistas

Ambos os candidatos devem tentar se aproximar do centro político em campanha para o segundo turno, segundo Rafael Cortez.

Ambos os candidatos devem tentar se aproximar do centro político em campanha para o segundo turno, segundo Rafael Cortez.

O primeiro turno das eleições presidenciais brasileiras sinaliza a dissolução das atuais lealdades partidárias-eleitorais e mostra uma “troca de guarda” na representação da direita brasileira. E a disputa do segundo turno entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad ( PT ) ainda está em aberto, segundo analistas.

Bolsonaro teve 46% dos votos válidos e Haddad, 29% – o petista venceu em 8 dos 9 Estados do Nordeste (Ciro foi o mais votado no Ceará) e no Pará.

“De acordo com a literatura da licença política, isso é o que se chama de ‘eleição crítica’, onde as lealdades partidárias-eleitorais são dissolvidas. E em sistemas miltipartidários como o nosso, frequentemente há uma substituição na representação dos campos ideológicos”, disse o cientista político Antonio Lavareda.Na prática, segundo o pesquisador, isso significa que houve uma “troca de guarda” no campo da centro-direita, com Bolsonaro ocupando o espaço deixado pelo PSDB.

“Duas coisas explicam isso: a Lava Jato, que atingiu várias lideranças do PSDB e, em segundo e importante lugar, o fato de que o PSDB aderiu ao impeachment e, depois, apoiou o governo Temer, que se tornaria bastante impopular. Foi a conjunção desses fatores que subtraiu ao PSDB a condição de continuar ocupando esse espaço.”

O PT, por outro lado, se manteve a duras penas na liderança do campo de esquerda, evitando a substituição pretendida pela candidatura de Ciro Gomes.

“O PT conseguiu se manter, em grande medida, por causa do impeachment, que o reposicionou como oposição. Aí ele conseguiu enfrentar os desgastes que o governo Dilma e a Lava Jato vinham causando. Então, teve um desempenho parecido com 1994.”

A atual eleição “rompeu a polarização entre PT e PSDB que já durava 20 anos”, e é comparável ao que ocorreu nas eleições de 1989, as primeiras após a redemocratização, segundo a avaliação de Lavareda.

“Em 1989, o PT substituiu Leonel Brizola e o (seu) PDT como principal representante da esquerda, e Fernando Collor de Mello substituiu os partidos mais representativos da direita como PFL e PDS. No centro você teve Mário Covas substituindo a candidatura de Ulysses Guimarães. Foi uma troca de guarda completa.”PT poderia virar no segundo turno?

A possibilidade de vitória de Haddad no segundo turno existe, mas é bastante reduzida, na opinião de Lavareda. Ele relembra que nunca houve virada desse tipo em eleições presidenciais no Brasil, e que “nunca um candidato que teve 47% dos votos no primeiro turno perdeu a eleição”.

“O fato de que Bolsonaro empolgou boa parte do eleitorado de maior escolaridade e renda mostra que se ele não tivesse rejeição elevada entre população de até dois salários mínimos e as mulheres, ele ganhava. O pouco que faltou para que ele ganhasse em primeiro turno lhe foi subtraído pelos mais pobres. Mas será um segundo turno disputado.”

Segundo o cientista político Rafael Cortez, da Tendências Consultoria, tanto Haddad quanto Bolsonaro precisarão “caminhar para o centro” na tentativa de vencer. Mas a eleição ainda está em aberto.

“Essa eleição foi muito marcada por violência política e notícias falsas. Mas ela ainda não está encerrada”, disse. Cortez também vê a “troca de guarda no campo antipetista”, mas ressalta que ainda não se sabe como o novo campo da direita irá se organizar politicamente.

“Percebemos que o PSL fez bancadas com números expressivos para o partido, o que mostra que o peso do Bolsonaro se transferiu para diferentes competições. Mas veremos se Bolsonaro vai institucionalizar por via partidária esse apoio obtido nas urnas ou se vai preferir uma construção mais personalista desse antipetismo.”

O candidato afirmou, durante a campanha, que não faria alianças políticas que contrariasse seus princípios e que não precisaria fazer “loteamento de cargos” caso se tornasse presidente. O cientista político, no entanto, diz que isso vai ser difícil.

“Vamos ter o teste se de fato essa retórica contra as alianças políticas via se sustentar. Se tem algo que não mudou na política foi a necessidade de gerar apoio qualificado no Congresso para aprovar as reformas constitucionais.”

O PSL elegeu mais de 50 deputados federais neste domingo, segundo dados preliminares. Em 2014, apenas um representante havia sido eleito pela sigla. O PT, que havia conseguido 70 assentos na Câmara dos Deputados em 2014, terá uma bancada também superior a 50 deputados – pelas projeções, continuará sendo a maior da Casa. E o PSDB, que teve 53 deputados eleitos nas últimas eleições, teria obtido cerca de 30 assentos.

*Por 

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]