Eleições 2018: As mulheres venceram, #EleNão | Por Ivandilson Miranda Silva

Manifestação de mulheres no dia #EleNão contra o candidato de extrema-direita Jair Bolsonaro.

Manifestação de mulheres no dia #EleNão contra o candidato de extrema-direita Jair Bolsonaro.

É inegável a crise humanitária que atormenta o mundo. Aliás, como quase nunca tivemos sociedades justas e igualitárias ao longo da história, mesmo com as promessas da Revolução Francesa (1789) de Liberdade, Igualdade e Fraternidade, sempre a crise esteve presente em, praticamente, todos os tempos.

 O Brasil vive, talvez, uma das suas crises mais agudas, pois não se trata apenas de uma crise de caráter econômico e político, pois esse estrago nas entranhas da sociedade brasileira já vem sendo feito desde a sua conflituosa fundação em 1500. Se ainda somos colônia e dependemos dos ditames “Trumpianos” e dos interesses do “Império” Norte-Americano, é por conta dessa exploração anticivilizatória.

O nosso problema, que alguns até chamaram de complexo, é de sentido ou seja; qual o sentido da nação brasileira? Por que temos que acreditar no Brasil? Qual é o projeto de sociedade que queremos, ou melhor; existe algum projeto de nação para esse país? Essas questões são fundamentais para pensarmos saídas para essa turbulência que estamos vivenciando.

E como as mulheres entram nessa crise?

Arrisco dizer que as mulheres tomaram a história para si e isso é uma constatação positiva do processo civilizatório brasileiro. Se o país tem que mudar, que comece essa mudança com as mulheres.

O protagonismo feminino entra em cena depois de ser provocado, depois de ser atacada e desrespeitada mais uma vez. Os que desrespeitam as mulheres não tem noção da dívida humanitária que temos com elas. O patriarcalismo machista milenar impôs um sistema mundo voltado para os interesses e vontades masculinas e isso acaba violentando as aspirações e desejos femininos. O machismo é uma doença que impede a construção dialógica e democrática da relação de gênero.

O século XX abre possibilidades para esse diálogo e aos poucos as conquistas femininas vão se consolidando e a mulher vai se firmando no mercado do trabalhando, na política tendo direito de votar e ser votada, a revolução sexual dos anos 1960, também, contribui para essa ascensão da mulher. O final desse século prometia mais transformações sobre essas questões.

Infelizmente, mesmo com esses avanços, ainda temos um grupo significativo de masculinos (homens) retrógrados que insistem em afirmar a sua superioridade diante da mulher e usam as agressões (físicas e verbais) como ferramenta de controle e amedrontamento.

É contra essas agressões que o movimento #elenão se insurge, se organiza e convoca todas e todos contra o preconceito para um grande ato que afirma o respeito e a não violência como referenciais para se pensar uma “outra sociedade. ”

O movimento se contrapõe as declarações e atitudes machistas e homofóbicas do candidato à presidência da república pelo PSL (Partido Social Liberal) que foi politicamente denominado de #elenão ou #elenunca.

A repercussão dessa grande ação já foi criada e isso que se materializou no dia 29 de setembro nos atos caracterizaram a primavera feminina brasileira. Portanto, as mulheres já venceram, #EleNão.

*Por Ivandilson Miranda Silva. Professor de Humanidades da Unime Salvador e Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade (PPGEduC) da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Bolsista da FAPESB (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia).

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]