Eleições 2018: Coligação responde tentativa de censurar Lula na TV

Público no Festival Lula Livre.

Público no Festival Lula Livre.

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do candidato a vice-presidente Fernando Haddad e da coligação O Povo Feliz de Novo (PT/ PCdoB/PROS) protocolou no Tribunal Superior Eleitoral, no início da tarde desta terça-feira (04/08/2018), a contestação da representação apresentada pelo Partido Novo referente à propaganda eleitoral que tem a participação de Lula.

Embora a decisão tenha sido publicada na madrugada do mesmo dia em que começou a propaganda eleitoral gratuita na televisão, a coligação readequou as propagandas conforme a decisão; retirou do ar todo conteúdo que não foi possível corrigir; entrou em contato com as emissoras para a realização da substituição já às 5 horas, ou seja, em cerca de 4 horas após o fim da sessão; e compareceu ao TSE antes das 7 horas com o novo material em mãos.

Apesar desse enorme esforço para cumprir o cronograma imposto pela decisão, a representação do Partido Novo faz acusações sem embasamento legal nenhum. Mesmo com a decisão do TSE impugnando sua candidatura, Lula tem o direito de aparecer em 25% do programa eleitoral na condição de apoiador (art. 54 da Lei n. 9.504/97). Na propaganda a que o Novo faz referência, Lula aparece em somente em 7 segundos, dentro do permitido pela lei.

Alegam ainda que Fernando Haddad aparece como mero apoiador. Não há o menor fundamento para essa alegação, visto que seu posto como candidato à vice-presidência é de conhecimento público e notório, tendo voz, imagem e participação ativa no programa. Haddad tem viajado para todos os cantos do Brasil defendendo a liberdade de Lula, eleições democráticas e a plataforma de governo da coligação.

O pedido do Partido Novo, na realidade, que censurar Lula do programa eleitoral. Quer retirar o direito garantido por lei à coligação de mostrar Lula, pois sabe do carinho que o povo brasileiro tem pelo primeiro colocado nas pesquisas eleitorais. Exprimir opiniões sobre o impedimento de registro de Lula ou trazer à tona a memória do eleitor de como era a realidade brasileira em tempos recentes, não são condutas vedadas pela legislação eleitoral brasileira.

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]