Apresentado fóssil de crocodilo encontrado no Triângulo Mineiro; Caipirasuchus Mineirus viveu há cerca de 80 milhões de anos

Caipirasuchus Mineirus viveu há cerca de 80 milhões de anos.

Caipirasuchus Mineirus viveu há cerca de 80 milhões de anos.

O fóssil de um crocodilo de cerca de 80 milhões de anos foi apresentado nesta sexta-feira (14/09/2018), no Complexo Cultural e Científico de Peirópolis, da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), em Uberaba. Batizado de Caipirasuchus mineirus pelos pesquisadores, o esqueleto completo do animal foi encontrado na região de Honorópolis, município de Campina Verde, em 2014.

Fóssil do Caipirasuchus mineirus revela que o animal tinha um esqueleto articulado e possuía hábitos terrestres. Tinha um andar erguido do chão, similar ao de um cachorro – Luís Adolfo/UFTM/direitos reservados

De acordo com o geólogo da UFTM, Luiz Carlos Borges Ribeiro, restos de Caipirasuchus já tinham sido encontrados no estado de São Paulo, mas o novo fóssil descrito representa uma nova espécie e é a primeira encontrada em Minas Gerais.

Diferente dos crocodilos atuais, o fóssil tem um esqueleto articulado e possuía hábitos terrestres e um andar ereto, o que significa que era erguido do chão, similar ao andar de um cachorro. O esqueleto tem cerca de 70 centímetros (cm) de comprimento, com o crânio de formato triangular dotado de dentes adaptados a uma alimentação herbívora-onívora – dieta que inclui alimentos de origem vegetal e animal.

Em artigo publicado na revista científica internacional PeerJ, os pesquisadores explicam que o fóssil tem 90% do esqueleto praticamente completo e articulado, com muitos dentes bem preservados. Segundo Ribeiro, o fóssil foi preservado durante todo esse período, entre outros fatores, em virtude da salinidade da água na região.

“O animal morreu próximo a um corpo d’água, na margem de um rio e durante uma enchente, ele foi sepultado por camada de areia, cascalho e sem muita movimentação – o que era areia e lama se torna rocha e o osso é substituído por calcário, o que permitiu que o animal ficasse guardado como se fosse em um cofre”, explicou à Agência Brasil.

O crocodilo tinha crânio de formato triangular com dentes adaptados a uma alimentação de origem vegetal e animal – Luís Adolfo/UFTM/direitos reservados

A região do Triângulo Mineiro, onde o fóssil foi encontrado, é conhecida como a “terra dos dinossauros do Brasil”. Segundo Ribeiro, outros fósseis já foram encontrados na região de Campina Verde, que é considerada um sítio paleontológico de relevância nacional. “A região de Uberaba já é conhecida como a área que possui mais dinossauros encontrados no país, e, inclusive, movimenta o turismo local em torno dessa temática. É uma região muito rica, o problema é que muito mal conhecido porque ninguém procura”, disse.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518), Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), Associação Brasileira de Imprensa (ABI Nacional, Matrícula nº E-002907) e Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia).