Apresentado fóssil de crocodilo encontrado no Triângulo Mineiro; Caipirasuchus Mineirus viveu há cerca de 80 milhões de anos

Caipirasuchus Mineirus viveu há cerca de 80 milhões de anos.

Caipirasuchus Mineirus viveu há cerca de 80 milhões de anos.

O fóssil de um crocodilo de cerca de 80 milhões de anos foi apresentado nesta sexta-feira (14/09/2018), no Complexo Cultural e Científico de Peirópolis, da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), em Uberaba. Batizado de Caipirasuchus mineirus pelos pesquisadores, o esqueleto completo do animal foi encontrado na região de Honorópolis, município de Campina Verde, em 2014.

Fóssil do Caipirasuchus mineirus revela que o animal tinha um esqueleto articulado e possuía hábitos terrestres. Tinha um andar erguido do chão, similar ao de um cachorro – Luís Adolfo/UFTM/direitos reservados

De acordo com o geólogo da UFTM, Luiz Carlos Borges Ribeiro, restos de Caipirasuchus já tinham sido encontrados no estado de São Paulo, mas o novo fóssil descrito representa uma nova espécie e é a primeira encontrada em Minas Gerais.

Diferente dos crocodilos atuais, o fóssil tem um esqueleto articulado e possuía hábitos terrestres e um andar ereto, o que significa que era erguido do chão, similar ao andar de um cachorro. O esqueleto tem cerca de 70 centímetros (cm) de comprimento, com o crânio de formato triangular dotado de dentes adaptados a uma alimentação herbívora-onívora – dieta que inclui alimentos de origem vegetal e animal.

Em artigo publicado na revista científica internacional PeerJ, os pesquisadores explicam que o fóssil tem 90% do esqueleto praticamente completo e articulado, com muitos dentes bem preservados. Segundo Ribeiro, o fóssil foi preservado durante todo esse período, entre outros fatores, em virtude da salinidade da água na região.

“O animal morreu próximo a um corpo d’água, na margem de um rio e durante uma enchente, ele foi sepultado por camada de areia, cascalho e sem muita movimentação – o que era areia e lama se torna rocha e o osso é substituído por calcário, o que permitiu que o animal ficasse guardado como se fosse em um cofre”, explicou à Agência Brasil.

O crocodilo tinha crânio de formato triangular com dentes adaptados a uma alimentação de origem vegetal e animal – Luís Adolfo/UFTM/direitos reservados

A região do Triângulo Mineiro, onde o fóssil foi encontrado, é conhecida como a “terra dos dinossauros do Brasil”. Segundo Ribeiro, outros fósseis já foram encontrados na região de Campina Verde, que é considerada um sítio paleontológico de relevância nacional. “A região de Uberaba já é conhecida como a área que possui mais dinossauros encontrados no país, e, inclusive, movimenta o turismo local em torno dessa temática. É uma região muito rica, o problema é que muito mal conhecido porque ninguém procura”, disse.

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: [email protected]