INTERPOL reconhece que juiz Sérgio Moro não é isento em caso Tacla Duran

Sérgio Fernando Moro, juiz federal.

Sérgio Fernando Moro, juiz federal.

Em decisão que retira Rodrigo Tacla Duran da lista de procurados internacionais, a Interpol reconhece que a conduta do juiz Sérgio Moro lança dúvidas sobre a garantia de respeito à Declaração Universal dos Direitos Humanos na cooperação entre as forças policiais.

A emissão de opiniões contrárias a réus viola princípios básicos de direitos humanos, uma vez que cabe aos julgamentos serem técnicos, isentos e imparciais. A Interpol afirma que não houve isenção de Sérgio Moro ao emitir opinião pública sobre Duran, em entrevista televisionada. A organização aponta também em sua decisão que há evidências de que, ao não permitir que Duran fosse testemunha de defesa (de Lula), Sérgio Moro emitiu opinião prévia referente à veracidade de qualquer informação que ele pudesse apresentar.

Tacla Duran havia denunciado Moro e a Lava-Jato em depoimento à Câmara dos Deputados, apontando não apenas para o cerceamento do direito de defesa, mas para esquema de comércio de proteção e venda de delações no âmbito da operação. A comissão da Interpol também aponta no documento que levou em consideração, para emitir sua decisão, o fato de que nenhuma investigação formal está sendo feita acerca de tais acusações.

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]