Trovas e trovadores | Por João Baptista Herkenhoff

Carlos Drummond de Andrade (Itabira, 31 de outubro de 1902 — Rio de Janeiro, 17 de agosto de 1987) foi um poeta, contista e cronista brasileiro, considerado por muitos o mais influente poeta brasileiro do século XX e um dos principais poetas da segunda geração do Modernismo brasileiro.

Carlos Drummond de Andrade (Itabira, 31 de outubro de 1902 — Rio de Janeiro, 17 de agosto de 1987) foi um poeta, contista e cronista brasileiro, considerado por muitos o mais influente poeta brasileiro do século XX e um dos principais poetas da segunda geração do Modernismo brasileiro.

‘Trovador’, título do disco de Chico Buarque de Holanda.

‘Trovador’, título do disco de Chico Buarque de Holanda.

Dezoito de julho é o Dia Nacional do Trovador.

Num momento da vida brasileira em que explodem o ódio e a intolerância, em que amigos rompem laços fraternos antigos como decorrência da paixão política, num momento como este, a trova pode serenar os ânimos.

A trova é uma composição poética de quatro versos de sete sílabas cada um, rimando pelo menos o segundo com o quarto verso.

É criação literária popular, que fala mais diretamente ao coração do povo. É através da trova que o povo toma contato com a poesia e sente sua força.

O termo TROVA, do francês, “trouver” (achar) nos indica que os trovadores devem “achar” o motivo de sua poesia ou de suas canções.

Temos grandes trovadores no Espírito Santo.

Cito alguns, a seguir.

Solimar de Oliveira:

Nesta existência a alegria,

experimenta e verás!

Está na doce poesia

de todo bem que se faz…

Neste exemplo se descobre

a Fraternidade, irmão:

um pobre com outro pobre

dividindo o próprio pão.

Ciro Vieira da Cunha:

Do teu amor (quem diria?)

só três meses durou,

resta a saudade – alegria

da tristeza que ficou…

Athayr Cagnin:

Indiferente à maldade,

vou traçando de alma ungida,

o giz da fraternidade

no quadro negro da vida…

Nordestino Filho:

Fraternidade, meu bem,

Só se diz Fraternidade

Quando, aIém da caridade,

não se faz mal a ninguém.

Beatriz Abaure:

Num posto de álcool na esquina,

diz um bêbado que passa:

-Isto que é gasolina!

Tem cheiro até de cachaça.

Com um tema que fascina

eu tentei fazer poesia:

Foi um sonho, Colombina!

Não passou de fantasia…

Vejamos agora algumas trovas do poeta português Fernando Pessoa e dos poetas brasileiros Menotti Del Picchia, Mário de Andrade, Cecília Meireles, Carlos Drumond de Andrade.

Fernando Pessoa:

O poeta é um fingidor,

finge tão completamente,

que chega a fingir que é dor

a dor que deveras sente.

Menotti del Picchia:

Saudade, perfume triste

de uma flor que não se vê.

Culto que ainda persiste

num crente que já não crê.

Mário de Andrade:

Teu sorriso é um jardineiro,

meu coração é um jardim.

Saudade! Imenso canteiro

que eu trago dentro de mim.

Cecília Meireles:

Os remos batem nas águas,

têm de ferir para andar.

As águas vão consentindo –

esse é o destino do mar.

Carlos Drummond de Andrade:

Solidão, não te mereço,

pois que te consumo em vão.

Sabendo-te, embora, o preço,

calco teu ouro no chão.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

João Baptista Herkenhoff
João Baptista Herkenhoff possui graduação em Direito pela Faculdade de Direito do Espírito Santo (1958) , mestrado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1975) , pós-doutorado pela University of Wisconsin - Madison (1984) e pós-doutorado pela Universidade de Rouen (1992) . Atualmente é PROFESSOR ADJUNTO IV APOSENTADO da Universidade Federal do Espírito Santo.Contato:Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas, Departamento de Direito. Avenida Fernando Ferrari, 514 | Goibeiras 29075-910 - Vitoria, ES - Brasil | Home-page: www.jbherkenhoff.com.br |E:mail: [email protected] | Telefone: (27)3335-2604