Editorial: A genialidade de Michael Jackson além do tempo; “eu sou vítima da brutalidade”, canta ao lado dos músicos do Oludum

They Don't Care About Us’ é uma música de autoria de Michael Jackson, em protesto contra a exclusão social.

They Don’t Care About Us’ é uma música de autoria de Michael Jackson, em protesto contra a exclusão social.

Parece que foi ontem, mas foi há 23 anos que um dos mais significativos artistas da música pop contemporânea esteve na Bahia e apresentou ao mundo um dos ícones da música. Em 1995, Michael Jackson (1958 – 2009) gravou o clipe da música ‘They Don’t Care About Us’ (Eles não ligam para gente), ao lado de músicos do Olodum, no Pelourinho, em Salvador e de moradores do Morro Santa Marta, no Rio de Janeiro.

A letra da música, associada as imagens do videoclipe, transmite a ideia da denúncia da exclusão social e dos elementos estruturais que reafirmam a exclusão como a falha da elite nacional em construir um país digno. São elementos estruturais da exclusão social a violência, baixa qualidade da educação formal e dos serviços de saúde, falta de moradia digna e acesso ao emprego formal. Realmente “eles não ligam para gente”, pode-se concluir diante de um cenário familiar a maioria do povo brasileiro.

Ao comentar sobre a letra da música, Michael Jackson declarou que “a canção é sobre a dor do preconceito e do ódio, e que foi uma maneira de chamar a atenção para problemas sociais e políticos”.

A letra

“Estou cansado de ser vítima do ódio; Eu sou vítima da brutalidade; Mas, se Martin Luther King estivesse vivo, ele não deixaria isso acontecer; Estou cansado de ser vítima da vergonha; Eu sou invisível? Por que você me ignora?; Mas, se Roosevelt estivesse vivo, ele não deixaria isso acontecer”. As frases da letra da música de Michael Jackson reafirmam a ideia de luta pela igualdade social e pela defesa da reconstrução de um país com base no trabalho. É um apelo, em forma de protesto musical. Mas, “algumas coisas na vida eles não querem enxergar”, diria a legenda da pop arte sobre a elite brasileira.

A cenografia fílmica

Dirigido pelo estadunidense Spike Lee, mesmo diretor do filme-documentário Malcolm X’ (1992), o videoclipe ‘They Don’t Care About Us’, associado a letra da música ,permanecem com um chamado pela construção de uma sociedade mais justa, igualitária e digna, principalmente para os negros, vítimas da violência de um Estado Nação cujo poder é comandado por uma elite plutocrática, autoritária e despótica.

Além do tempo

Os gênios agem de forma simples, a escolha de Spike Lee para dirigir o videoclipe de ‘They Don’t Care About Us’ apenas reafirmou o ideal pela luta de classes, cujo objetivo é o direito à dignidade de vida e a emancipação da classe trabalhadora.

Eu tenho um sonho a relembrar

No eloquente discurso ‘I have a dream’, proferido em  28 de agosto de 1963, em Washington, EUA, Martin Luther King Jr. (1929 – 1968) proclama:

— Cem anos mais tarde, devemos encarar a trágica realidade de que o negro ainda não é livre. Cem anos mais tarde, a vida do negro está, ainda, infelizmente, dilacerada pelas algemas da segregação e pelas correntes da discriminação.

— Cem anos mais tarde, o negro ainda vive numa ilha isolada de pobreza no meio de um vasto oceano de prosperidade material.

— Cem anos mais tarde, o negro ainda definha nas margens da sociedade americana estando exilado em sua própria terra.

Confira o vídeo

*Carlos Augusto é cientista social e jornalista.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518), Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), Associação Brasileira de Imprensa (ABI Nacional, Matrícula nº E-002907) e Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia).