Brasileiro: Vida de gado, povo marcado, povo feliz! | Por Alberto Peixoto

Política de desinvestimento do Governo Temer conduz economia ao colapso, apresentando graves retrocessos sociais, com aumento da concentração de renda.

Política de desinvestimento do Governo Temer conduz economia ao colapso, apresentando graves retrocessos sociais, com aumento da concentração de renda.

“Vocês que fazem parte dessa massa, que passa nos projetos do futuro, é duro tanto ter que caminhar, e dar muito mais do que receber. E ter que demonstrar sua coragem, à margem do que possa parecer, e ver que toda essa engrenagem, já sente a ferrugem lhe comer”. – Zé Ramalho.

Seguramente, brasileiro aceita tudo como se fosse uma coisa normal. É o povo mais submisso, imbecilizado e retardado, aceitando todas as perdas de seus direitos, impostas pelos projetos de um governo golpista sendo capitaneado por um chefe de quadrilha. Mi$hell Temer.

Na realidade a letra da música “Admirável Gado Novo”, de Zé Ramalho, retrata o descaso do brasileiro com relação às injustiças praticadas por esta corja, apoiada por grande parte da imprensa (PIG) e por empresários escravagistas e principais devedores da Previdência e da Receita Federal. São estes os que estão no lucro.

Grande maioria destes empresários são políticos ou aliados a eles – laranjas.

Como se não bastasse, apoiados também por parte da classe média, já em extinção, que se acha rica, sem uma liderança racional e que parecem gostar de virar o “bumbum” para estes aproveitadores de plantão. Covardes, amedrontados e receosos de privar-se do que acham que tem, mas nada tem. São os coxinhas inebriados pelo vizinho rico. Mas eles não são ricos.

Enquanto o petróleo do pré-sal está sendo entregue ao capital estrangeiro a preço de “bananas”, o brasileiro, em sua vida de gado marcado, estava torcendo por uma seleção de futebol que tem dois ex-diretores presos por corrupção no exterior e um que não pode sair do país porque também será preso. Esta é a entidade que rege o futebol brasileiro! CBF.

O brasileiro precisa se consciencializar no mundo verdadeiro. Gradativamente, os lesas-pátrias estão entregando nossas maiores riquezas estimadas em trilhões de dólares a preços vil para o Tio Sam, que passou a mandar neste pardieiro com seu sistema jurídico pífio. Em um país sério, Moro, o playboyzinho tirado a Batman, já teria sido exonerado e estaria atrás das grades ao lado de Gilmar Mendes, Carmem Lúcia, Morais e Cia.

Estudar em uma Universidade voltou a ser prerrogativa dos filhos de ricos, enquanto centenas de jovens pertencentes às classes mais humildes estão deixando as faculdades por falta de projetos do governo para a educação; corte das bolsas de estudo entre outros.

O Sistema de Saúde está na UTI do descaso, com suas Unidades sucateadas por falta de investimentos. Será 20 anos sem investimentos na saúde e na educação, mais congelamento dos salários do funcionalismo público. Enquanto isso os “togados meia boca” estão querendo aumento de salário.

A cada firula ridícula do “cai-cai” Neymar Jr, o desemprego em massa entra nos gramados deste povo marcado, mas marcado pela falta de intelectualidade, pela falta de conhecimento e sem saber discernir o que é melhor para seu futuro.

“A gente comemora os jogos da seleção, bebe um bocado de cerveja e no outro dia a gente vê como é que fica”. Pensamento de alguns torcedores de classe média, porque a maioria não possui condições de comprar cerveja. Os ricos bebem uísque!

“O povo foge da ignorância, apesar de viver tão perto dela e sonha com melhores tempos idos, contemplam essa vida numa cela, esperam nova possibilidade, de verem esse mundo se acabar, a arca de Noé, o dirigível, não voam, nem se pode flutuar” – Zé Ramalho.

Imaginem se a Seleção Brasileira de futebol estivesse classificada para a final da Copa do Mundo e, para nosso azar, fosse campeã! Seria a divinização da insanidade!

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Alberto Peixoto
Antonio Alberto de Oliveira Peixoto, nasceu em Feira de Santana, em 3 de setembro de 1950, é Bacharel em Administração de Empresas pela UNIFACS, e funcionário público lotado na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia, atua como articulista do Jornal Grande Bahia, escrevendo semanalmente, é escritor e tem entre as obras publicadas os livros de contos: 'Estórias que Deus Duvida', 'O Enterro da Sogra, 'Único Espermatozoide', 'Dasdores a Difícil Vida Fácil', participou da coletânea 'Bahia de Todos em Contos', Vol. III, através da editora Òmnira. Também atua incentivador da cultura nordestina, sendo conselheiro da Fundação Òmnira de Assistência Cultural e Comunitária, realizando atividades em favor de comunidades carentes de Salvador, Feira de Santana e Santo Antonio de Jesus. É Membro da Academia de Letras do Recôncavo (ALER), ocupando a cadeira de número 26. E-mail para contato: [email protected] Saiba mais sobre o autor visitando o endereço eletrônico http://www.albertopeixoto.com.br.