A Bastilha e o Brasil de hoje | por João Baptista Herkenhoff

Queda da Batilha, a invasão da fortaleza pelo povo de Paris, em 14 de julho de 1789, é referência nas comemorações da Revolução Francesa.

Queda da Batilha, a invasão da fortaleza pelo povo de Paris, em 14 de julho de 1789, é referência nas comemorações da Revolução Francesa.

4 de julho relembra a Queda da Bastilha, que ocorreu em 14 de julho de 1789.

A Bastilha, uma prisão política, era o símbolo do Absolutismo na França.

Durante o tempo em que permaneci naquele país, cumprindo programa de estudos, tive a oportunidade de assistir aos festejos, que são celebrados com intensa participação popular. Mas não é sobre esta experiência pessoal que desejo falar. Neste artigo, pretendo cuidar do tema sob o ângulo doutrinário.

Terá a Queda da Bastilha alguma ligação com os problemas do Brasil contemporâneo? Ou este é um tema ultrapassado, que só pode ser referido como curiosidade, sem pertinência com a realidade?

Vejamos algumas ideias defendidas pelos líderes e apoiadas pelas multidões que invadiram a Bastilha:

1) Ninguém pode ser molestado por suas opiniões.

2) Ninguém pode ser acusado, preso ou detido senão nos casos determinados pela lei e de acordo com as formas por esta prescritas.

3) Todo acusado é considerado inocente até ser declarado culpado

No Brasil de 2018 há quem esteja sendo molestado e perseguido por opiniões que incomodam os detentores do poder? Há quem esteja sendo acusado e preso ao arrepio da lei? A inocência está sendo presumida ou inverteu-se o princípio – a culpa é presumida, a inocência deve ser provada?

Em homenagem à inteligência dos leitores, não responderei as indagações formuladas.

Apesar de todos os problemas, celebre-se a liberdade de pensamento, que vigora hoje em nosso país. Temos o direito de criticar o Governo, de afirmar como ilegítimo o poder usurpado pelo Presidente interino da República, de reclamar nas ruas o respeito à Constituição e de proclamar o princípio da presunção de inocência em favor da Presidente afastada do seu cargo. Temos o direito de denunciar como tramoia a tentativa de encontrar respaldo legal para o golpe parlamentar, como muito bem etiquetou Boaventura de Sousa Santos às manobras em curso para afastar Dilma da presidência da República.

Se o Brasil estivesse mergulhado na ditadura não haveria esperança. Mas como vivemos em clima democrático, é possível pressionar e exigir o respeito aos ditames constitucionais. Na Democracia o poder é conquistado pelo voto direto e secreto dos cidadãos, sob o comando da Justiça Eleitoral, que é a mais respeitada instituição do Brasil contemporâneo. Ninguém hoje, mentalmente sadio, contesta eleição e apuração de votos, sob a guarida do Poder Judiciário. Candidato derrotado que faça isto é ridicularizado.

*João Baptista Herkenhoff é magistrado aposentado (ES), palestrante e escritor.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

João Baptista Herkenhoff
João Baptista Herkenhoff possui graduação em Direito pela Faculdade de Direito do Espírito Santo (1958) , mestrado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1975) , pós-doutorado pela University of Wisconsin - Madison (1984) e pós-doutorado pela Universidade de Rouen (1992) . Atualmente é PROFESSOR ADJUNTO IV APOSENTADO da Universidade Federal do Espírito Santo.Contato:Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas, Departamento de Direito. Avenida Fernando Ferrari, 514 | Goibeiras 29075-910 - Vitoria, ES - Brasil | Home-page: www.jbherkenhoff.com.br |E:mail: [email protected] | Telefone: (27)3335-2604