11 de julho, aniversário do marinheiro de luz Edilsom Fernandes, presidente da Barquinha de Ji-Paraná (RO)

A Barquinha de Ji-Paraná (Rondônia) funciona ininterruptamente desde o ano de 1991, prestando obras de caridade em benefício dos irmãos necessitados, seguindo o lema do seu mentor, Manuel Hipólito de Araújo: “fazer o bem sem olhar a quem”.

Deste Barco a navegar Edilsom Fernandes é o timoneiro, ao lado do Mestre Fundador Daniel Pereira de Mattos e do Velho Pastor Frei Manuel.

Edilsom Fernandes da Silva, nascido em 11 de julho de 1961

Edilsom Fernandes da Silva, nascido em 11 de julho de 1961

Nascido na Vila de Bom Pastor, Cidade de Resplendor, Minas Gerais, Edilsom Fernandes da Silva é casado há 30 anos com Maria José da Silva e é pai da jovem Mariana. Trabalha como representante comercial e profissional de TI (Tecnologia da Informação), de onde tira o seu sustento.

Chegou a Ji-Paraná (Rondônia) em 1984, vindo do Rio de Janeiro, onde servia a Marinha Brasileira como Fuzileiro Naval de Primeira Classe, membro da Infantaria e armeiro.

— Eu me identifiquei com a Doutrina de Mestre Daniel por ser Fuzileiro Naval, membro do Círculo Esotérico e Rosacruz, além de gnóstico e filiado a Ordem do Graal na Terra.

Com todos esses estudos, Fernando (Edilsom Fernandes) é, desde muito, um buscador espiritual. Além de buscador espiritual, Fernando se declara um estudante:

— Sou estudante, assim como da Gnose e da Sociedade Teosófica. E grande admirador e propagador da filosofia da Golden Dawn (Ordem Hermética da Aurora Dourada) e da Maçonaria.

Fernando afirma ser um eterno estudante. Porém, com toda esta vasta caminhada e trajetória, ele é considerado um mestre por seus amigos: Mestre Fernando.

Na sua origem, Fernando é de religiosidade budista. Ao conhecer a Ayahuasca se tornou cristão. Mas esclarece:

— Embora esteja hoje sob o pensamento cristão, continuo com compreensão búdica. Que é essencialmente o mesmo pensamento. A espiritualidade Búdica é exatamente a mesma espiritualidade Crística.

Assim é Edilsom Fernandes: universalista, pluralista, multiculturalista e ecumênico.

“Não importa o nome de Deus, desde que seja o princípio supremo que rege todas as coisas” (Leonardo Boff).

Edilsom Fernandes e Maria José - Fernando e Zeza

Edilsom Fernandes e Maria José – Fernando e Zeza

Edilsom Fernandes e Maria José - Fernando e Zeza

Edilsom Fernandes e Maria José – Fernando e Zeza

Navegando no Barquinho Santa Cruz

Com esforço e sacrifício — que ele chama de ‘sacro ofício’ — Fernando se deslocou por muitos anos, quinzenalmente ou semanalmente, percorrendo as centenas de quilômetros que separam Ji-Paraná (RO) da capital do Acre, Rio Branco, para cumprir o intenso calendário litúrgico do Centro Espírita e Culto de Oração ‘Casa de Jesus – Fonte de Luz’, presidido, à época, por Manuel Hipólito de Araújo (10.6.1921 – 17.8.2000).

Todavia, logo após o seu fardamento naquela Casa Espírita, como soldado dos Exércitos de Jesus, Manuel Araújo deu-lhe uma missão, em confiança no discípulo dileto:

— Meu filho, você não pode permanecer um peregrino, um caixeiro viajante espiritual. Eu lhe autorizo a reunir os seus amigos, lá na sua cidade, para comungarem da Santa Luz. Autorizo você fundar um Posto Avançado desta Missão, em Ji-Paraná (RO). Fundar um Pronto Socorro Espiritual.

— Mas Mestre Manuel, como devo me conduzir na sua ausência? O senhor vai estar sempre ao nosso lado?

Naquele momento, o Velho Pastor selou um compromisso com Edilsom Fernandes, deste mundo a eternidade:

— Meu filho, se você seguir nesta Doutrina e fizer o que eu lhe ensinei, que aprendi com o Mestre fundador da Missão, o Frei Daniel, e dela somos zeladores, estarei sempre contigo.

Assim, em 13 de fevereiro de 1991, em visita a comunidade rondoniense, o sr. Manuel Hipólito de Araújo consagrou o Ponto de Luz que surgia, para realizar obras de caridade, em benefício dos inocentes e de toda humanidade.

Hoje, após uma longa caminhada de 27 anos, esta Casa Espírita encontra-se firmada no Mundo Terra e consagrada no Plano Espiritual.

Casa de Jesus e Lar de Frei Manuel - Templo

Casa de Jesus e Lar de Frei Manuel – Templo

Altar da Casa de Jesus Lar de Frei Manuel

Altar da Casa de Jesus Lar de Frei Manuel

Juarez Bomfim e Cecília Maringoni frente ao Altar do Lar de Frei Manuel

Juarez Bomfim e Cecília Maringoni frente ao Altar do Lar de Frei Manuel

A Casa de Jesus e Lar de Frei Manuel – a Barquinha de Ji-Paraná

O ‘Centro de Regeneração Espiritual Casa de Jesus e Lar de Frei Manuel’ é uma instituição filantrópica sem fins lucrativos, juridicamente constituída, que pratica a Doutrina Espírita Cristã denominada Barquinha, fundada por Mestre Daniel Pereira de Mattos.

Nas atividades litúrgicas do Lar de Frei Manuel é ingerida a bebida de poder inacreditável denominada Daime (Ayahuasca), que é central para as cerimônias religiosas desta linha espiritual.

Assim Edilsom Fernandes apresenta a instituição que preside:

— A Casa de Jesus e Lar de Frei Manuel é um centro espírita, apostólico, cristão, universalista que faz uso da Ayahuasca (Daime) como um instrumento da nossa religião, para facilitar a compreensão espiritual dos nossos trabalhos, que são incorporação ou manifestação extracorpórea e expansão da consciência.

A Barquinha de Ji-Paraná (Rondônia) funciona ininterruptamente desde o ano de 1991, prestando obras de caridade em benefício dos irmãos necessitados, seguindo o lema do seu mentor, o Velho Pastor Frei Manuel da Cruz: “fazer o bem sem olhar a quem”.

Esta instituição ayahuasqueira está sediada na aprazível Chácara Divina Luz, zona rural de Ji-Paraná (início da Estrada RO-135, (saída para Nova Londrina) e é bastante conhecida e respeitada na sociedade local.

Pois foi nesta linda e agradável chácara que se erigiu o sagrado templo para as celebrações litúrgicas desta Casa Espírita. Numerosas construções compõem o complexo religioso: além do Templo, o Coreto, Casa de Feitio, Gabinete da Presidência, Biblioteca, Secretaria, hospedaria, acomodações para as crianças, cozinha e refeitório, jardins e outros ambientes, manejo florestal de Cipó Jagube e Folha Rainha, reserva florestal — tudo bem cuidado e zelado por esta ordeira e laboriosa irmandade.

Deste Barco a navegar Edilsom Fernandes da Silva é o timoneiro, ao lado do Mestre Fundador Daniel Pereira de Mattos e do Velho Pastor Frei Manuel da Cruz.

Uso de Ayahuasca para reabilitação de presidiários

Entre os anos de 2012 e 2016, uma profícua experiência foi desenvolvida com o uso de Ayahuasca, através de um convênio entre a ONG Acuda e a instituição religiosa ayahuasqueira Lar de Frei Manuel. Os apenados do Complexo Penitenciário de Porto Velho (RO) que eram assistidos pela Acuda, passaram a participar das cerimônias religiosas da Igreja ayahuasqueira, de livre e espontânea vontade.

Por sua originalidade, este Convênio interinstitucional de ministrar Ayahuasca para presidiários, teve uma grande repercussão na imprensa nacional e internacional. Todavia, a superexploração midiática acabou gerando resistência dentro do próprio Poder Judiciário de Rondônia, que o havia autorizado.

Em 2015, os presos que eram liberados pelo Juiz da Vara de Execuções Penais, para irem às cerimônias religiosas em Ji-Paraná – Rondônia, foram impedidos pela Justiça de continuarem envolvidos no promissor projeto da reintegração familiar e social com a utilização de Ayahuasca. Considera-se que o principal motivo foi a repercussão negativa — entre os inimigos da Ayahuasca e familiares de vítimas — após reportagem televisiva apelativa e tendenciosa.

Porém, desta experiência ficaram as lições e os frutos. As consequências benfazejas e positivas tiveram continuidade entre os atores sociais envolvidos.

Edilsom Fernandes e Juarez Bomfim na AYA2016

Edilsom Fernandes e Juarez Bomfim na AYA2016

Edilsom Fernandes e a Ayahuasca

Com mais de 3 décadas trabalhando com Ayahuasca, Fernando transmite importantes ensinos:

— A Ayahuasca amplia a percepção, você aumenta as suas sensações, aumenta a sua possibilidade, aumenta os seus sentidos, o paladar, tato, olfato, audição, visão e, também, aumenta a cognição. Ele faz com que a cognição fique mais ágil e mais consistente. Mas se a pessoa vai usar ou não, não é com a religião, não é com a instituição, não é com a sociedade, é com a pessoa, é com o indivíduo. Cada indivíduo tem que tomar conta por si só.

“A Ayahuasca, ela mostra, mas se a pessoa tem seus defeitos, se você não quer se corrigir, você não vai se corrigir, ela precisa querer, é preciso se esforçar, exercitar, para encontrar aí uma prática mais fiel. Porque prática traz perfeição, prática traz coesão, a frequência, a constância é que vai dar alicerce, fundamentar a ideia. A indução é a religião, o Daime é simplesmente a ampliação, agora a indução fica por conta dos Salmos, dos Hinos, das palestras, das doutrinas, dos ensinamentos, do ensino da conduta moral, aí é parte. A religião faz a parte da doutrina moral, doutrina espir itual, ensina a se conduzir, mas se a pessoa vai se conduzir ou não, é com a pessoa”.

Juarez e Cecília, Edilsom Fernandes ao centro

Juarez e Cecília, Edilsom Fernandes ao centro

Mariana da Silva e Barbara Bomfim

Mariana da Silva e Barbara Bomfim

Edilsom Fernandes da Silva, presidente, padrinho e mestre

Edilsom é mestre, presidente e padrinho desta linda irmandade, esta encantadora Missão. Ele costuma dizer que sem os seus queridos irmãos ele não é nada, não é ninguém.

Edilsom é chamado de Mestre Fernando. Sim, ele é um mestre porque ensina, porque doutrina. Ensina através dos lindos cânticos, mensagens espirituais e preleções sobre o caminho do Amor, da Paz, da Verdade e da Justiça.

Edilsom é presidente desta encantadora instituição religiosa, desta Barquinha. E ele é um bom presidente: zeloso, organizado, obreiro, empreendedor e outras inúmeras qualidades.

Edilsom é padrinho dos seus inúmeros afilhados de pia e demais afilhados espirituais. Ele é o Padrinho Fernando. Reconhecimento de muitos pelo seu amor ao próximo, disposição para servir e praticar a caridade.

Todavia, o que o bom amigo e bom irmão Edilsom Fernandes carrega consigo mesmo é o símbolo da humildade.

Jesus perguntou certa vez aos seus discípulos:

— Que estavam vós discutindo pelo caminho?

Mas eles calaram-se; porque pelo caminho tinham disputado entre si qual era o maior. E Ele, assentando-se, chamou os 12, e disse-lhes:

— Se alguém quiser ser o primeiro, será o derradeiro de todos e o servo de todos.

Assim é o senhor Edilsom Fernandes da Silva.

Esta é a missão de luz do mestre, padrinho e presidente Edilsom Fernandes, nosso querido Fernando.

A Paz de Deus para sempre lhe acompanhe.

Namastê.

Amém.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Juarez Duarte Bomfim
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. E-mail para contato: [email protected]