Amor ao livro | Por João Baptista Herkenhoff

Artigo aborda a importância do livro, da literatura e dos profissionais que atuam na manutenção de bibliotecas.

Artigo aborda a importância do livro, da literatura e dos profissionais que atuam na manutenção de bibliotecas.

O destino dos livros seria o esquecimento sem a intermediação dos livreiros e dos bibliotecários porque o livro não tem pernas para andar sozinho.

O livreiro deve ser um incentivador da leitura, um apóstolo do saber. Os capixabas devem lembrar-se de Nestor Cinelli, o primeiro grande livreiro do Espírito Santo. Nestor vendia livros fiado. Muitos fregueses  só pagaram a conta depois que se formaram.

Dizem que, por causa da televisão, as pessoas estão lendo menos. Não sei. Televisão e livro são veículos diferentes. Na televisão eu não posso parar num quadro, como no livro eu me detenho numa página para relê-la e meditar no que li. Não posso na TV fazer algo como escrever notas marginais ao texto. Não posso colocar a televisão debaixo do travesseiro, como que para continuar a leitura durante o sono. Televisão eu não folheio.  Televisão eu não levo comigo para o banco da praça, ou para o consultório médico enquanto espero minha vez de ser atendido. Nem posso fazer algo como abrir uma página ao acaso, ou ler um trecho para a esposa, a avó ou a namorada.  A televisão quer me dominar, não sou sujeito, sou objeto. O livro é dócil companheiro, conversa comigo. O livro não grita, não cassa minha liberdade, não quer fazer de mim um autômato. De televisão eu posso gostar.  Amar, amar mesmo, só o livro eu posso amar.

Não obstante a disparidade entre o público televisivo e o público que frequenta o livro, a influência dos textos produzidos pelo invento de Gutenberg impressiona e espanta.

Não foi sem razão que, no decorrer da História, os livros foram censurados, apreendidos e queimados pelos déspotas.

Devo a uma bibliotecária grande parte do amor que adquiri pelos livros.  Eu a chamava de Dona Telma.  Era a responsável pela Biblioteca Municipal de Cachoeiro de Itapemirim, minha cidade natal.  Indicava-me e aos colegas os bons livros.  Transmitia aos frequentadores de nossa Biblioteca Pública o gosto que ela própria tinha pela leitura.  Ensinava-nos a conservar os livros com capricho, cuidado e carinho.

Sempre gostei de ganhar livros e doar livros. Recebo o presente de um bom livro como quem recebe um tesouro.

Sou também um divulgador de livros. Mandei livros de minha autoria e de autores capixabas para bibliotecas públicas de todos os municípios do Espírito Santo, todos os Estados da Federação e todos os países do mundo. Nos livros remetidos para o Exterior sempre anexei algum texto traduzido para idiomas de curso internacional. Tudo isto está registrado no meu computador. Se é mania não sei. Mas como é bom cultivar manias que não fazem mal a ninguém.

*João Baptista Herkenhoff é magistrado aposentado (ES), palestrante e escritor.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

João Baptista Herkenhoff
João Baptista Herkenhoff possui graduação em Direito pela Faculdade de Direito do Espírito Santo (1958) , mestrado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1975) , pós-doutorado pela University of Wisconsin - Madison (1984) e pós-doutorado pela Universidade de Rouen (1992) . Atualmente é PROFESSOR ADJUNTO IV APOSENTADO da Universidade Federal do Espírito Santo.Contato:Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas, Departamento de Direito. Avenida Fernando Ferrari, 514 | Goibeiras 29075-910 - Vitoria, ES - Brasil | Home-page: www.jbherkenhoff.com.br |E:mail: [email protected] | Telefone: (27)3335-2604