+ Manchetes >

Dirigente sindical diz que paralisação de caminhoneiros está encerrada; presidente da CNTA avalia que governo deu contrapartidas suficientes

Greve dos caminhoneiros provocou desabastecimento de produtos nas cidades e expôs a desastrosa política econômica do governo usurpador de Michel Temer.

Greve dos caminhoneiros provocou desabastecimento de produtos nas cidades e expôs a desastrosa política econômica do governo usurpador de Michel Temer.

O presidente da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), Diumar Bueno, acredita que a paralisação dos caminhoneiros está definitivamente terminada. Apesar de o acordo assinado por entidades do setor com o governo prever uma suspensão de 15 dias, ele acredita que o Executivo deu contrapartidas suficientes para mostrar empenho em resolver o problema do alto valor do diesel e o movimento está encerrado.

“Não vejo necessidade [de continuar a greve], porque as conquistas firmadas de fato já dão condição de estabilidade para a categoria. A começar pela redução no óleo diesel. Uma redução de 10% e política de reajuste a cada 30 dias é um alívio, diante do trauma que a categoria estava vivendo”, disse, após a reunião no Palácio do Planalto.

Diumar afirma que a CNTA representa 1 milhão de caminhoneiros pelo país, divididos em 120 sindicatos legalizados. Ele afirmou que, a partir de agora, o trabalho será de informar os trabalhadores sobre o acordo e todos voltarem ao trabalho a partir desta sexta-feira (25). De acordo com ele, os 15 dias de suspensão da paralisação são justamente o prazo para a realização de uma nova reunião com o governo.

“Os 15 dias são o compromisso do governo em voltar a se reunir conosco. Porque tem algumas coisas que nem tem como resolver [em 15 dias] e algumas coisas são atribuição do Parlamento. E eles se comprometeram conosco em botar o empenho do governo”.

Mas nem todos os caminhoneiros estavam representados na reunião com os ministros de Michel Temer. Um exemplo são os caminhoneiros autônomos do centro-oeste.

Wallace Landim estava na porta do Palácio do Planalto na tarde de hoje se apresentando como representante dos motoristas individuais do Centro-Oeste. Ele reclamou que sua presença estava prevista na reunião, mas sua entrada não foi permitida.

Wallace afirmou que a categoria não está representada no acordo com o governo e que nenhuma decisão acatada será seguida por eles. Ele repetiu o discurso do representante da Abcam, e disse que, enquanto o fim do imposto sobre o diesel estiver confirmado, a paralisação continuará.

“Não somos representados [pelas associações que estão na reunião]. Somos caminhoneiros individuais. Se a gente não estiver participando, não vai ter nenhum resultado, nenhum. Pode sair de lá e falar que acabou a greve, que não adianta. A gente só libera a rodovia quando sair no Diário Oficial. Não estamos pedindo esmola, estamos pedindo o nosso direito”.

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, rechaçou a possibilidade de uso de força policial para desobstrução das estradas. Ele destacou o caráter pacífico dos protestos pelo Brasil. “O governo é um governo do diálogo e mais uma vez demonstra isso. Foi um protesto ordeiro, houve respeito por parte dos manifestantes. O que queremos é que voltem a, efetivamente, trabalhar no sentido de abastecer a vida brasileira”.

*Com informações da Agência Brasil.

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]