Vereadoras de Feira de Santana criticam violência no Brasil

Eremita Mota: não podemos dizer mais nada, nem mesmo nos defender.

Eremita Mota: não podemos dizer mais nada, nem mesmo nos defender.

No uso da tribuna, na sessão ordinária desta quarta-feira (21/03/2018), na Câmara Municipal de Feira de Santana, a vereadora Eremita Mota (PSDB) criticou a violência que assola o país, abordando a morte da vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco. A edil fez a leitura de um artigo escrito pelo historiador e filósofo Gabriel Tebaldi e afirmou que a violência está impedindo o livre direito de ir e vir das pessoas.

“No artigo, o autor pede que não soframos pelo ser humano e sim pelo que ele representa. Boa parte do que foi tratado neste artigo foi pensado por esta vereadora. No dia do velório da vereadora Marielle, o programa da Rede Globo, Encontro, passou o programa inteiro transmitindo o velório e tratando do assunto. Abordou de forma tão sensacionalista, que foi muito criticado”, pontuou.

E continuou. “Precisamos mesmo nos pronunciar, chamar a atenção porque não há nada mais prazeroso que termos liberdade e o direito de ir e vir. Falei aqui ontem que somos reféns de muitas coisas e pessoas. Geralmente, temos medo de falar e várias pessoas temem até mesmo disponibilizar as imagens das câmeras de segurança de suas casas quando registram um crime. Ontem, vi Neinha aqui chorando pela morte do representante de cosméticos, que foi assassinado por uma pessoa punida por vários crimes”, relatou.

A vereadora finalizou o discurso avaliando o sentimento de medo que acometeu as pessoas. “Eu tenho filhos e família, como muitos também têm e como estamos vivendo? Vivemos medrosos, amordaçados. Quem tem a oportunidade de sair de carro também teme a violência. Não podemos dizer mais nada, nem mesmo nos defender”, findou.

Cíntia Machado critica violência e aborda importância dos Direitos Humanos

Em pronunciamento, na sessão ordinária desta quarta-feira (21), na Casa Legislativa, a edil Cíntia Machado (PRB) seguiu a mesma linha da colega Eremita Mota (PSDB) e tratou sobre a violência no Brasil.

“Trouxe a esta Casa uma reflexão do que se tornou a vida humana. No mesmo dia em que a vereadora Marielle Franco foi executada um pai de família foi assassinado na frente do seu filho. A todo momento, policiais são mortos no nosso país, seja ele negro ou branco. A discriminação vem das propostas de cotas, por exemplo, que eu sou contra. Acredito no que está escrito na Constituição Federal, onde diz que todos são iguais perante a Lei e na Bíblia, que lembra que Deus não faz acepção de pessoas”, pontuou Cíntia.

Ainda no uso da tribuna, a vereadora afirmou que quinze vereadores foram assassinados em um ano. “Porque não houve a mesma comoção? Fico triste quando as pessoas se referem aos Direitos Humanos de forma distorcida. Não podemos dizer que ele defende apenas bandidos, ele cuida de pessoas. Lembro-me que participei da última rebelião no Conjunto Penal da cidade e ali estávamos para tratar de pessoas, independentemente de quem elas sejam. Foi um dia muito difícil para mim como mulher”, analisou.

A edil relatou mais que o que chamou sua atenção na morte da vereadora Marielle foi a forma como algumas informações foram divulgadas nas redes sociais. “Houve falta de respeito com a família da vereadora. Precisamos refletir sobre isso, pois tomos merecem respeito. Se ela foi a 6ª vereadora mais votada não foi à toa. Sabemos da dificuldade de ser mulher e mulher na política”, observou.

Para finalizar, Cíntia se manifestou em relação à violência contra a mulher. “E isso não acontece só no Rio de Janeiro, mas em Feira de Santana também. Falta amor ao próximo. Precisamos da misericórdia de Deus e quero deixar uma frase: os homossexuais também têm o direito de serem defendidos pelos Direitos Humanos”, findou.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Publicidade

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]