Ranking aponta Feira de Santana como uma das 50 cidades mais violentas do mundo, diz deputado Carlos Geilson

Feira de Santana está agora entre as 50 cidades mais violentas do mundo. Quem lamenta esse “título” é o feirense e deputado estadual Carlos Geilson (PSDB), em pronunciamento na Assembleia Legislativa da Bahia, nesta segunda-feira (19/03/2018). O ranking foi divulgado pela organização de sociedade civil mexicana Segurança, Justiça e Paz, que faz o levantamento anualmente com base em taxas de homicídios por 100 mil habitantes. O Brasil é o país com o maior número de cidades entre as 50 áreas urbanas mais violentas do mundo.

São 17 cidades brasileiras com mais de 300 mil habitantes listadas no ranking, dessas, três estão na Bahia: Vitória da Conquista, Feira de Santana e Salvador. “Temos que reconhecer, senhor Governador e senhor secretário de Segurança Pública, que alguma coisa deu errado. Se nós estamos nessa situação com a segurança pública é porque as medidas não foram eficazes, então elas precisam ser mudadas, e com urgência!”, ressaltou Geilson.

O Rio de Janeiro, que vive uma crise de segurança pública, teve em 2017 uma taxa de 32 homicídios por cada grupo de 100 mil habitantes. Em Feira de Santana, com 369 homicídios registrados no ano passado, essa taxa chegou a 58,81 assassinatos por cada 100 mil habitantes. Ou seja, quase o dobro da taxa do Rio, cujo sistema de segurança está sob intervenção militar federal.

“Para o governo, porém, nada disso é verdade. Para o governo, a Bahia é uma ilha da fantasia, onde a violência vem diminuindo a cada dia e a criminalidade vem recuando. Tentam esconder a realidade com propaganda”, criticou Carlos Geilson.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Publicidade

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]