Salvador: Novos elementos persecutórios, patrimonialistas e despóticos da administração do prefeito ACM Neto são apresentados; confira vídeo

Gestão do prefeito ACM Neto evidência aspectos persecutórios, patrimonialistas e despóticos.

Gestão do prefeito ACM Neto evidência aspectos persecutórios, patrimonialistas e despóticos.

A Avenida Mário Sérgio Pontes de Paiva (Via Barradão), inaugurada pelo governador Rui Costa (PT), no sábado (17/02/2018), sofreu a “primeira interferência” da “brilhante” gestão do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM). A ação dos agentes do município evidencia os elementos persecutórios que demarcam a trajetória do magalhismo na Bahia. Uma equipe da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano (SEDUR) foi flagrada, nesta quarta-feira (21/02/2018), cometendo infração no trânsito e retirando, de forma irregular, a placa informativa do governo da Bahia, cuja função era apresentar dados sobre a construção da Via Barradão. Indignado, o cidadão que gravou o vídeo questiona a equipe municipal da SEDUR: “por que não retiram as ocupações irregulares que afetam as áreas públicas de Salvador?”

Contexto político

Observa-se que a placa informativa retirada pela equipe do governo ACM Neto tem a função de esclarecer a população quem investe os recursos públicos e como os recursos são investidos, ou seja, é uma obrigação do ente público informar. Neste aspecto, a administração municipal expressa o o desrespeito aos atos comunicacionais do Governo do Estado, agindo persecutoriamente contra a administração pública estadual.

A retirada da placa informativa do Governo da Bahia, pela equipe da gestão de ACM Neto, evidencia, também, elemento político-patrimonialista-despótico, cujo beneficiário único e direto é o prefeito de Salvador, opositor ao governador Rui Costa, ou seja, é um caso clássico de instrumentalização do aparato da estrutura do Estado, neste caso o Município de Salvador, com a finalidade de ganho pessoal de poder.

Observando o contexto, a pergunta que cada indivíduo deve fazer a si próprio é: alguém que age persecutoriamente, de maneira patrimonialista e despótica contra a maior autoridade política do Estado da Bahia vai me respeitar, sendo, eu, apenas um cidadão em meio aos milhões de baianos?

Ensina o filósofo alemão Karl Marx que o todo está contido nas partes e a análise em profundidade das partes revelam uma totalidade. Em síntese, observando o caso concreto, pode-se afirmar que no conjunto das ações do governo ACM Neto revela-se uma gestão despótica, patrimonialista e persecutória.

Confira vídeo

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: [email protected]