Por que é um problema o Brasil não precisar de engenheiros

O Brasil forma poucos engenheiros. Mesmo assim, não faltam profissionais da área no mercado. Para o jornalista alemão Alexander Busch, isso é um mau sinal – e o país está perdendo a revolução digital na indústria.

O Brasil forma poucos engenheiros. Mesmo assim, não faltam profissionais da área no mercado. Para o jornalista alemão Alexander Busch, isso é um mau sinal – e o país está perdendo a revolução digital na indústria.

No Brasil, quem tem filhos que acabaram de concluir o ensino médio vive dias de muito estresse. Os aspirantes ao ensino superior se perguntam: em que instituição posso estudar com a pontuação que obtive no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), cujos resultados foram divulgados há poucas semanas?

A cada ano, muitos dos três milhões de brasileiros que iniciam os estudos no ensino superior também se submetem a exames de admissão adicionais de universidades públicas. Com frequência, os vestibulares acontecem em duas etapas e levam vários dias.

Quem quer estudar numa universidade pública de renome faz dezenas dessas provas e costuma gastar com a viagem aos locais dos exames, com o pernoite e possivelmente com cursinhos pré-vestibular. Até agora, o esforço que citei é só para entrar nas universidades federais ou estaduais, que são gratuitas. As instituições privadas de ensino superior, nas quais 80% dos brasileiros estudam e que cobram mensalidades, também exigem exames admissionais.

É um desgaste que espanta. Mas fico ainda mais impressionado quando vejo o número de vagas disponíveis, a exemplo do curso de Engenharia Mecatrônica. São 2.200 vagas no Brasil inteiro, mas há apenas uma meia dúzia de universidades públicas que obtiveram bons resultados no teste de qualidade do Ministério da Educação.

Frequentemente, é para entrar nessas universidades que milhares de candidatos de todo o país concorrem. Raramente, as vagas disponíveis passam de 50, tirando aquelas que são atribuídas segundo critérios sociais, as chamadas cotas. Além disso, mais da metade dos alunos interrompem a faculdade. Hoje em dia, apenas 345 estudantes de Mecatrônica concluem o curso anualmente.Esse número é incrivelmente baixo se considerarmos que vivemos hoje uma revolução global na indústria que, desesperadamente, procura exatamente esses engenheiros. A palavra-chave é Indústria 4.0, que inclui habilidades relacionadas a automação, big data, inteligência artificial, impressão 3D, etc.

É decisivo para o Brasil não perder a oportunidade de dar esse salto. Há muito em jogo. O Brasil é uma das poucas grandes economias emergentes no mundo que possui uma larga base industrial. Em comparação, Índia e Rússia têm bases bem menores.

Há vários motivos para isso: a indústria pesada criada durante a era Vargas; a indústria automobilística que chegou ao país há 60 anos; empresas como a Petrobras e a Embraer, que sempre realizaram pesquisas por conta própria. Mais tarde, veio a construção das represas e a criação do Sistema Interligado Nacional (SIN) de energia elétrica. A automação no setor agrícola também impulsionou a industrialização do país.

Mas esse alicerce de uma indústria de transformação está ameaçado – e não é de hoje. A desindustrialização do Brasil avança de forma acelerada há duas décadas. De um lado, porque o Brasil voltou a se concentrar na produção e na exportação de matérias-primas. Por outro lado, porque a pesquisa e o desenvolvimento dependem fortemente do Estado, há anos paralisado pela recessão e pela corrupção.

Estudos realizados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira (Inep) mostram claramente que o Brasil está perdendo a chance de estabelecer os fundamentos para a sua própria revolução industrial. Dos 8 milhões de estudantes universitários brasileiros, apenas cerca de um milhão cursa uma das disciplinas científicas, como matemática, informática, ciências naturais e tecnologia.

Isso equivale a mais ou menos 13% de todos os estudantes do país. Se supusermos que, no campo das ciências naturais, a relação entre cursos privados e públicos é de oito para dois, chegamos à conclusão de que apenas 2,5% dos estudantes universitários brasileiros frequentam cursos nessa área.

Em comparação, o número absoluto de estudantes em relação à população do país é semelhante no Brasil e na Alemanha. Mas, no país europeu, um terço dos quase três milhões de estudantes segue carreiras de exatas. Acrescenta-se a isso mais um milhão de estudantes em escolas técnicas (comparáveis ao Senai no Brasil).

Mas erra quem pensa que as empresas brasileiras estão desesperadas por não encontrarem engenheiros suficientes, como acontece nos Estados Unidos ou na Europa. Não faltam especialistas em robótica e mecatrônica no Brasil, segundo explicou Claudio Raupp, presidente da HP Brasil, em entrevista recente ao jornal Folha de S. Paulo. Segundo Raupp, a indústria brasileira está tão atrasada que a demanda por esses especialistas ainda nem existe. “O risco [que o Brasil enfrenta] é que nossos melhores engenheiros se mudem para o exterior porque não há necessidade deles aqui”, avalia.

*Com informações de Deutsche Welle.

*Há mais de 25 anos, o jornalista Alexander Busch é correspondente de América do Sul do grupo editorial Handelsblatt (que publica o semanário Wirtschaftswoche e o diário Handelsblatt) e do jornal Neue Zürcher Zeitung. Nascido em 1963, cresceu na Venezuela e estudou economia e política em Colônia e em Buenos Aires. Busch vive e trabalha em São Paulo e Salvador. É autor de vários livros sobre o Brasil.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]